Cesta básica ficou quase R$ 30 mais cara em Porto Alegre, com a maior alta do país - Informações sobre finanças, guias e outras utilidades no Diário Gaúcho

Economia08/05/2017 | 14h03Atualizada em 08/05/2017 | 14h14

Cesta básica ficou quase R$ 30 mais cara em Porto Alegre, com a maior alta do país

Os 13 produtos pesquisados saíram por R$ 464,19.

Cesta básica ficou quase R$ 30 mais cara em Porto Alegre, com a maior alta do país Diego Redel/Agencia RBS
Foto: Diego Redel / Agencia RBS

Passou só um mês e foi o suficiente para a cesta básica de Porto Alegre ficar R$ 26,97 mais cara aqui. O conjunto de 13 produtos pesquisados todos os meses pelo Dieese passou a custar R$ 464,19.

A alta foi de 6,17% na passagem de março para abril. A maior do país, fazendo com que a cesta de Porto Alegre também ficasse a mais cara.

Alguns alimentos dispararam de preço, como o tomate e a batata. Mas, no total, foram oito produtos com aumento: o tomate (64,69%), a batata (26,64%), o café (2,90%), a farinha (2,80%), a banana (2,62%), a carne (2,22%), o leite (2,03%) e a manteiga (1,45%).

Motivos: os vilões e os mocinhos

Batata: as chuvas reduziram a oferta e houve maior demanda pelo produto na Semana Santa. Tomate: o fim da colheita da safra de verão e o clima mais ameno, que diminuiu o tempo de maturação do tomate da safra de inverno, reduziram a quantidade do alimento à venda.

Em sentido inverso, os itens que ficaram mais baratos são: o feijão (-8,26%), o óleo de soja (-6,30%), o açúcar (-4,32%) e o pão (-0,47%). No ano, a variação ficou em 1,13%. Em 12 meses, em 8,73%. É o dobro da inflação. Tomate, manteiga e banana puxam o aumento nesta comparação.

O salário mínimo necessário deveria ser de R$ 3.899,66, ou seja, 4,16 vezes o mínimo de R$ 937. O Dieese sempre faz este cálculo considerando o estabelecido na Constituição de que o mínimo deveria ser suficiente para sustentar uma família.

"O trabalhador com rendimento de um salário mínimo necessitou, em abril, cumprir uma jornada de 108 horas e 59min para adquirir os bens alimentícios básicos. Essa jornada foi maior do que a registrada em março (102 horas e 40 min) e maior do que em abril de 2016 (106 horas e 44 min)¿, calcula o Dieese.

 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • hermesmitter

    hermesmitter

    HERMES DANIELDIÁRIO GAÚCHO 🇧🇷 PORTO ALEGRE, 24 DE JUNHO DE 2017. @diario_gaucho https://t.co/c36wX2Bl7Dhá 40 minutosRetweet
  • diario_gaucho

    diario_gaucho

    Diário Gaúchohttps://t.co/SCuKEv7ke9há 2 horas Retweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros