INSS fecha duas agências de atendimento em Porto Alegre - Informações sobre finanças, guias e outras utilidades no Diário Gaúcho

Versão mobile

 

Previdência23/05/2018 | 16h13Atualizada em 23/05/2018 | 16h13

INSS fecha duas agências de atendimento em Porto Alegre

Usuários das unidades Azenha e Petrópolis serão reorganizados em pontos no Partenon e no IAPI a partir de 15 de junho

Bruna Porciúncula
Bruna Porciúncula

 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 23-05-2018. Agência Azenha do INSS fecha as portas em julho. (OMAR FREITAS/AGÊNCIA RBS)Indexador: Omar Freitas
Unidade na Avenida Erico Verissimo é uma das que devem fechar as portas em 15 de junho o que exigirá remanejo na agendaFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

Até 15 de junho, Porto Alegre deve perder duas das cinco agências do INSS dedicadas a atender o público. As unidades Azenha, na Avenida Erico Verissimo, e Petrópolis, na Avenida Protásio Alves, devem fechar as portas nessa data em razão de uma determinação da gerência nacional do instituto para reorganizar a estrutura de atendimento pensando em economia com a locação de imóveis. Como ambas agências funcionam em espaços alugados, elas entraram na conta do corte de gastos.

Os usuários já estão sendo informados da mudança, segundo a assessoria de comunicação da instituição, e os procedimentos marcados até o dia 15 serão realizados normalmente.
No entanto, as demandas agendadas para além dessa data serão remarcadas pelo INSS já considerando o remanejo de unidades. Aqueles atendidos na Agência Azenha estão sendo orientados a buscar os serviços da Agência Partenon, na Avenida Bento Gonçalves.
Os segurados que costumam recorrer à Agência Petrópolis terão de buscar a unidade Norte, no IAPI. Juntos, os postos que serão extintos atendem, em média, 320 pessoas por dia.

O INSS informa que os gastos com aluguel — incluindo taxas de condomínio, limpeza e vigilância — chegam a R$ 50 mil mensais no imóvel da Erico Verissimo e a R$ 61 mil no da Protásio. O fechamento chega no momento em que o instituto consolida serviços por meio do Portal Meu INSS, em que a concessão de benefícios e outras demandas podem ser feitas via internet desde 2017.

Esse é um dos pontos em que o Sindicato dos Trabalhadores Federais da Saúde, Trabalho e Previdência no RS (Sindisprev-RS) sustenta suas críticas ao encerramento das atividades nas duas agências da Capital. Presidente da entidade, José Campos entende que a modernização, com a implantação de ferramentas digitais, deveria caminhar junto a investimentos na infraestrutura físicas da Previdência em vez de precarizar o atendimento presencial.

— A maioria das pessoas que buscam nossos serviços é de uma parte da população excluída digitalmente. Com o fechamento de agências, a gente vê que o INSS está em um processo de restringir o atendimento. Não somos contra a modernização, mas ela precisa ser um complemento. Daqui a pouco, teremos uma situação semelhante a que vemos no Imposto de Renda. As pessoas não saberão acessar o serviço digital e pagarão para fazer as coisas, já que a rede de atendimento, que é gratuita, está sendo reduzida — avalia.

O Sindisprev-RS acredita que a falta de recursos humanos também esteja motivando a reestruturação do instituto. Segundo a entidade, de janeiro até maio, foram cerca de mil aposentadorias no quadro nacional, e o déficit estaria em torno de 15 mil servidores. 

O INSS não confirmou se outras agências serão fechadas no Rio Grande do Sul e assegurou que a unidade de Viamão, na Região Metropolitana, permanecerá atendendo ainda que também funcione em imóvel locado.

Os agendamentos no INSS devem ser feitos pelo telefone 135

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 

Veja também

 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros