TCC: confira mitos e verdades sobre o Trabalho de Conclusão de Curso - Informações sobre finanças, guias e outras utilidades no Diário Gaúcho

Versão mobile

 

Ensino Superior22/05/2018 | 14h02Atualizada em 22/05/2018 | 14h04

TCC: confira mitos e verdades sobre o Trabalho de Conclusão de Curso

Não deixe para pensar no trabalho apenas ao final da graduação: falta de organização ajuda a aumentar o estresse e a ansiedade

Para colocar as mãos no tão sonhado diploma da maioria dos cursos de graduação, é preciso passar pelo Trabalho do Conclusão de Curso (TCC).

Ao longo da jornada acadêmica, você deve ter escutado depoimentos sobre essa etapa, considerada tão importante e até decisiva para a formação. Muito do que se fala a respeito é mito, mas muita coisa tem respaldo entre especialistas. Confira, abaixo, mitos e verdades sobre o TCC.

Foto:

O TCC pode aumentar o estresse e a ansiedade

Um ponto que contribui para o aumento da ansiedade é deixar para fazer o TCC na última hora. Por isso, organização é muito importante. Estabeleça períodos na sua rotina, de acordo com sua disponibilidade de tempo, para se dedicar à pesquisa, leitura, produção do texto e preparação da apresentação. O tempo é precioso durante o período de realização no TCC, por isso, não acumule disciplinas para o final do curso. É importante estar ciente de que o trabalho não é como qualquer outro realizado ao longo da graduação: é preciso mantê-lo como prioridade. 

Dica: para manter a tranquilidade durante a apresentação, a preparação é a chave. Ao longo do curso, sempre que possível, se exponha para treinar o melhor jeito de falar e se expressar — na apresentação de outros trabalhos, por exemplo. Estude com profundidade o tema que irá apresentar e, para ajudar a driblar o nervosismo, treine sua apresentação na frente do espelho ou até mesmo para os pais e amigos.  

Foto:

 É possível pensar no TCC só no final do curso

Não deixe para pensar no tema do seu TCC no último semestre. Sempre que surgir alguma ideia ao longo do curso, converse com algum professor em busca de outras perspectivas sobre o assunto. Para se familiarizar com a estrutura de um TCC, leia trabalhos de conclusão de quem já se formou e textos técnicos, como artigos científicos, dissertações de mestrado e teses de doutorado. Além disso, você pode ver o referencial teórico de trabalhos da sua área, para ter uma base de leitura. 

Leia mais
Confira os concursos públicos com inscrições abertas no Rio Grande do Sul
Enem 2018: taxa de inscrição tem de ser paga até quarta-feira

Dica: vá a bancas para analisar como fazer uma boa apresentação. Para isso, informe ao coordenador do seu curso o interesse em saber quando haverá apresentações. Essa iniciativa ajudará você a perder o medo na hora da banca, permitirá aprofundar conhecimentos e ter contato com temas diferentes. Se você já fez algum trabalho que teve destaque, pode apresentar na feira de iniciação científica da sua faculdade, para servir como uma experiência. 

Foto:

O TCC exige mais disciplina do que qualquer outro trabalho

Ainda que você tenha ajuda do orientador, o TCC exige mais iniciativa e autonomia do que outros trabalhos realizados ao longo do curso. Durante a elaboração, é preciso dedicar tempo e ser realista sobre a viabilidade de realizar todo o projeto dentro do prazo — o trabalho consiste em várias etapas, como leituras, reflexão, conversas com o orientador, ir a campo levantar dados, revisar, até chegar à produção do texto final. 

— Ninguém faz TCC em uma madrugada — afirma Rosane Palacci Santos, professora integrante da Coordenadoria de Desenvolvimento Acadêmico da Pró-Reitoria de Graduação e Educação Continuada da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Foto:

A ideia do seu TCC tem de ser inédita

Você pode ter uma ideia muito boa, mas é preciso pesquisar em livros e artigos e considerar o fato de que já existam trabalhos com o mesmo assunto que você escolheu. Não se sinta desmotivado por isso — pelo contrário, a partir de uma proposta vista em outro trabalho, você pode criar novas soluções e métodos para determinado problema ou, até, fazer uma análise de comparação de duas abordagens diferentes sobre um mesmo assunto. 

Dica: para ter referências, é preciso saber o que outros escritores e pesquisadores disseram sobre o assunto escolhido. Leia artigos atuais com discussões sobre o tema que está desenvolvendo. Pense que todo TCC deve se embasar em uma pergunta que temos interesse em pesquisar, aprofundar, buscar respostas e soluções. Você deve passar sua perspectiva sobre o tema escolhido com originalidade.

Foto:

 Plágio reprova

O TCC reprova como qualquer outra cadeira do curso. Mas, no caso do TCC, o principal motivo é o plágio. Muitos estudantes acham que, porque citaram no referencial teórico os nomes de escritores, livros e artigos, não estão cometendo plágio. Quando você faz uma citação direta ou indireta, colocando trechos de livros, por exemplo, é preciso deixar claro, no próprio texto, de onde você tirou, colocando o nome do livro, autor e, inclusive, o número da página. Por isso, é fundamental ficar atento às normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Foto:

 O TCC só é útil para a formação acadêmica

Pensar que o TCC não terá utilidade fora da universidade e enxergá-lo como um projeto inteiramente acadêmico é errado. Com a realização deste projeto, você estará aprofundando seus conhecimentos em assuntos do seu interesse e, até mesmo, temas que você não viu no curso, mas gostaria de pesquisar. 

— A pesquisa está em conexão direta com a vida — ressalta Nísia Martins do Rosário, professora substituta do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação (PPGCOM) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 

Dica: o TCC pode ser considerado um cartão de visitas para o mercado de trabalho e para dar continuidade aos estudos. A partir do resultado do trabalho, é possível escrever artigos e melhorar seu currículo. 

 Fontes: Nísia Martins do Rosário, professora substituta do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação (PPGCOM) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Patrícia Kayser Vargas Mangan, diretora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade La Salle e Rosane Palacci Santos, professora integrante da Coordenadoria de Desenvolvimento Acadêmico da Pró-Reitoria de Graduação e Educação Continuada da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros