Confira oito dicas para se preparar para concursos públicos - Espaço do Trabalhador - Notícias

Versão mobile

 

Em busca da vaga28/03/2018 | 07h00Atualizada em 28/03/2018 | 07h00

Confira oito dicas para se preparar para concursos públicos

Na seleção para a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, cargo de técnico legislativo tem 732 candidatos disputando cada uma das vagas

A cada semana, os gaúchos são colocados diante de mais oportunidades de inscrição em concursos públicos. Nesta última semana de março, por exemplo, são quase 400 vagas em concursos no Rio Grande do Sul e há oportunidades também em seleções nacionais. 

Mas o caminho está congestionado. Com o desemprego ainda assombrando o setor privado, mesmo com sinais positivos da economia, é nessas vagas que muitos apostam as fichas para um futuro com menos turbulência. Um exemplo atual é o concurso público da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, cujo prazo de inscrição já encerrou. Foram 31.226 inscritos, com 25.635 candidatos somente para o cargo de técnico legislativo, que tem 35 vagas para quem tem Ensino Médio completo. Significa uma disputa de 732 pessoas por vaga. 

Com concorrência tão elevada, a diferença será a capacidade de preparação dos candidatos. E, segundo especialistas no assunto, mesmo com conteúdos e provas específicas para cada disputa, há capacidades que podem ser aprimoradas para qualquer seleção. Uma delas é a memória para guardar tanta informação.

– A expectativa das pessoas é daquela memória de decorar listas, por exemplo. Só que esse tipo de memória não é necessária em 99% dos conteúdos. Não se cobra, por exemplo, a citação de um artigo. Mas é uma parte indispensável do estudo para se fixar o sentido do que se aprendeu – explica o escritor, palestrante e professor Fernando Mesquita.

O especialista reforça outra orientação: ler não é estudar. Estudo é processar as informações: ler, entender o que foi lido, fechar o livro e escrever o que se entendeu com as próprias palavras.

CONFIRA OITO DICAS PARA QUALQUER DISPUTA

1 – DEFINA A ÁREA
– Decida se você quer seguir uma carreira na área de formação ou quer procurar novas opções.
– Para a maioria, as alternativas são os cargos de formação geral, administrativos, de áreas de controle e outros que não exigem formação específica.
– Conheça, pelo menos, a essência de cada área para entender por que é interessante escolher uma, não necessariamente um cargo específico.

2 – ESCOLHA OS MATERIAIS
– É preciso ter as ferramentas certas: livros, aulas presenciais, apostilas em PDF, videoaulas e questões (objetivas e discursivas).
– Para descobrir o que mais se ajusta ao seu caso, será preciso experimentar cada um e ver do que se gosta mais.
– A avaliação final dos materiais é do aluno. O que vai determinar o sucesso é a afinidade com o material e a capacidade de se adaptar a ele.
– Um bom aluno consegue superar um material ruim, mas nenhum material será bom o suficiente para um candidato fraco que não procure melhorar.

3 – ESTUDO ATIVO
– Estudo ativo não é somente ler o material de estudo com atenção. É preciso processar as informações que se estuda.
– A melhor estratégia para processar os conteúdos estudados é ler, entender o que foi dito, fechar o livro e escrever o que se entendeu com as próprias palavras.
– Quando se faz um resumo com o livro aberto ao lado, simplesmente copiando, não há processamento da informação, apenas cópia.

4 – ACHE TEMPO PARA ESTUDAR
– Aproveite cada minuto escondido no dia. Há muitos deles (transporte, esperas em filas, intervalos de reuniões e mesmo as sobras do horário do almoço).
– Evite esperar para começar o estudo sempre na hora certa, como 11h, 12h, 13h. Cada minuto é importante.
– Áudio de aulas ajuda muito quem tem pouco tempo ou tem outras atividades (como cozinhar, arrumar a casa, cuidar de crianças).
– Experimente acordar mais cedo e dormir mais cedo. De madrugada, antes do dia começar, tudo é mais calmo. Com o tempo, fica mais fácil administrar o sono.

5 – MEMÓRIA SE CONQUISTA
– Para a maioria dos concursos, não são necessárias técnicas de memorização literal de textos e números.
– Claro que a memória é importante, mas dificilmente uma questão vai pedir a citação de um artigo, por exemplo. O que a questão vai exigir é a compreensão do sentido do conteúdo.
– Para isso, será importante revisar aquele conteúdo que foi processado, compreendido. Do contrário, será esquecido.
– E para a memória funcionar, o material de revisão deve ser marcante, visualmente interessante e visto repetidamente. Veja duas armas para ajudar a memória.

Resumo:
– Use as suas palavras (estudo ativo).
– Use títulos, subtítulos e cores em seu resumo.
– Cores diferentes para assuntos diferentes ajuda a navegar visualmente e a recuperar o que você estuda.
– Escreva o mínimo possível e, conforme for resolvendo questões e encontrando dificuldades, complemente o resumo.

Mapa Mental:
– É diagrama feito para representar os conteúdos estudados relacionados com uma palavra-chave ou uma ideia central. Por ser visualmente interessante, torna a revisão menos cansativa.
– Comece sempre pelo centro: seu mapa deve ter uma imagem central, a partir da qual nascem os demais ramos.
– Use uma ou duas palavras por ramo, no máximo. Essa é uma das recomendações mais difíceis que o iniciante encontra para seguir.
– Cada palavra deve ser o maior possível, para não só causar interesse visual, mas também por ser mais fácil de ler e deixar a revisão mais rápida.
– O tamanho ideal de um mapa mental é uma folha A4 na horizontal em que você consiga identificar prontamente todas as palavras. Se começarem a ficar pequenas, passe para outra folha.

6 – PERIODICIDADE
– A revisão deve ser diária dos seus conteúdos estudados na semana por meio dos mapas mentais.
– No caso de resumos, no mínimo uma revisão semanal, pode ser também a revisão geral de todos os mapas mentais já produzidos.
– Quanto se ver um conteúdo, mais condições de se lembrar dos conteúdos.

7 – RESOLVA QUESTÕES
– A resolução de questões é fundamental desde o primeiro dia de estudos.
– Resolva sempre o máximo de questões possíveis.
– As questões certas mostram que uma parte do treinamento está indo bem, e as erradas alertam para que se pare e avalie o estudo.
– Use um site de questões de concursos, que dará centenas ou milhares de questões para praticar.
– Mantenha um registro de data, disciplina, tópico das questões, tempo despendido para resolver cada questão, percentual de acertos. Isso vai te dar uma noção onde estão os pontos fracos.

8 – FIQUE PREPARADO
– Nada é certo quanto à previsão de concursos públicos.
– Razões políticas podem suspender ou adiar provas.
– Mas o futuro aprovado aproveita momentos de baixa ou desânimo para treinar e estar pronto para quando pintar o concurso.
– Enquanto os outros estiverem começando a correr atrás, esse candidato estará por cima, pronto para as provas.

Fonte: Fernando Mesquita, escritor e palestrante.

 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros