Quer mudar de carreira? Confira dicas que podem ajudar no processo de transição - Espaço do Trabalhador - Notícias

Versão mobile

 

Tempo de recomeçar29/04/2018 | 10h00Atualizada em 29/04/2018 | 10h00

Quer mudar de carreira? Confira dicas que podem ajudar no processo de transição

Insatisfação no trabalho está entre as principais causas da Síndrome de Burnout, nível devastador de estresse que afeta a saúde física e emocional

Quer mudar de carreira? Confira dicas que podem ajudar no processo de transição Robinson Estrásulas/Agencia RBS
Melissa passou por diversas funções até decidir investir de vez no que realmente queria trabalhar Foto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

Quando jovem, é comum que uma pessoa sonhe em atuar na profissão com a qual mais se identifica e que lhe dará satisfação pessoal. Mas decepções no mercado de trabalho e falta de oportunidades podem fazer com que esse sonho fique para trás. Foi o que aconteceu com Melissa da Rosa Machado. Desde adolescente, ela sempre quis ser cabeleireira. No entanto, ao concluir o magistério, em 2000, acabou trabalhando como professora de Educação Infantil. Em 2001, fez curso de cabeleireira e chegou a trabalhar em um salão de beleza no bairro Niterói, onde mora, em Canoas, por cinco anos. Mas, ao perceber que não tinha possibilidade de crescimento profissional, passou por um momento de incertezas e resolveu deixar a paixão profissional de lado. 

De acordo com Ana Maria Rossi, presidente da International Stress Management Association no Brasil (Isma-BR), pessoas que se sentem insatisfeitas com o trabalho ocupam o quarto lugar no ranking dos profissionais que mais sofrem com a Síndrome de Burnout — nível devastador de estresse que afeta a saúde física e emocional. Segundo pesquisas feitas pela associação, 32% da população economicamente ativa no Brasil sofre com essa síndrome.

— Um hobbie, além de estimular criatividade e prazer, pode ser um trampolim para a mudança de carreira — afirma. 

No caso de Melissa, foi preciso tempo para voltar ao caminho sonhado. Ela trabalhou como vendedora, atuou na área administrativa de um hospital, começou a cursar Engenharia Química, voltou a trabalhar como professora até que, em 2011, retornou à área na qual se sente realizada. Durante um ano, foi recepcionista em um salão de beleza, enquanto fazia cursos para se atualizar no ramo. Sem saber, seguiu uma das dicas de especialistas: muitas vezes, na mudança de carreira, é preciso humildade para recomeçar. Há casos, por exemplo, em que um profissional efetivo tem de voltar a ser estagiário. 

Hoje, aos 39 anos, Melissa é maquiadora e cabeleireira e afirma que chegou onde está porque teve paciência e persistência.

— Segue o que tu ama, porque uma hora vai ter retorno — aconselha. 

Se você se sente insatisfeito com o seu trabalho atual e está está pensando em mudar de carreira, confira dicas de especialistas que podem lhe ajudar neste processo de transição.


1- Entenda por que quer mudar

O primeiro passo é o autoconhecimento. Busque entender os porquês dessa vontade. Analise o que despertou o interesse pela nova área e relacione as suas características, ou seja, o seu perfil com o perfil de que quem atua no ramo que você deseja. Buscar apoio é fundamental, por isso, compartilhe com sua família o desejo de mudar. 

2- Busque conhecimento e faça network

Mapeie referências e faça uma pesquisa de mercado para conhecer o segmento de interesse, por meio de conversas com profissionais para entender quais cursos são necessários para ter a qualificação adequada, como por exemplo, uma nova graduação ou uma especialização. Uma dica é participar de feiras e realizar trabalho voluntário em empresas do ramo, para começar a se familiarizar com a nova área. Neste momento de transição, fazer network é muito importante, por isso, aproveite para participar de congressos e eventos que são ótimas oportunidades para desenvolver uma rede de contatos profissionais. 

3- Faça um planejamento

Um passo importante durante a transição é se planejar financeiramente, pois, além de ter que investir em qualificação, é comum que ocorra um declínio financeiro até que a nova profissão comece a dar o retorno esperado. Dependendo da área para que você irá migrar, deve, inclusive, se preparar para não ganhar a mesma remuneração que tem atualmente, já que, muitas vezes um profissional que trabalha como efetivo pode passar a ser estagiário para ter experiência no novo ramo.

 — Tem que ter humildade para começar da base — ressalta Thaís Garzieira, sócia-diretora da Staff Recrutamento e Consultoria em RH.

Uma dica é, se possível, começar a realizar a nova formação enquanto estiver no trabalho atual, utilizando o salário para as despesas com qualificação. Outra orientação é reservar uma parte do salário para ter uma fonte de garantia durante o período de transição.

Mudança de área dentro da mesma empresa

É possível que, ao ingressar em uma empresa onde se encontrem diversas áreas, um profissional acabe tendo interesse por um ramo deferente do qual atua. Nestes casos, a orientação é buscar saber sobre a cultura da empresa, para ver se há possibilidade de migrar para outro segmento. Manifeste o seu interesse ao gestor e converse com o líder da área na qual você gostaria de trabalhar para ver as oportunidades e o que é necessário para participar de uma seleção para um cargo no ramo. 

Fontes: Daniela Boucinha, coordenadora do Escritório de Carreiras da PUC-RS; Ricardo Munhoz, coach e diretor-executivo da Thomas Case & Associados no Rio Grande do Sul e Santa Catarina; e Thaís Garzieira, sócia-diretora da Staff Recrutamento e Consultoria em RH

Confira outras dicas sobre educação, emprego e carreira clicando aqui.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros