Não deixe a corrente da moto secar - Notícias

Vers?o mobile

 
 

ClassiDiário23/10/2013 | 12h01

Não deixe a corrente da moto secar

Não manter a lubrificação do sistema causa desgaste prematuro na peça e deixa o condutor sujeito a um acidente. A maioria das casas do ramo não cobra pelo serviço

Não deixe a corrente da moto secar Luiz Armando Vaz/Agencia RBS
Foto: Luiz Armando Vaz / Agencia RBS

Deixar a corrente da moto sem lubrificação é um descuido que sai caro ao proprietário, e ele ainda pode ser vítima de um sério acidente. O serviço pode ser feito até em casa, em poucos minutos.

Ou melhor: em geral, não é preciso gastar nem um centavo, pois a maioria das centenas de oficinas espalhadas pela Capital realiza o serviço como cortesia para os clientes.

É preciso alguns cuidados básicos. Entre eles, não passar qualquer tipo de produto. Óleo queimado, por exemplo, ao invés de ajudar, prejudica: não lubrifica, junta sujeira e ainda diminui a vida útil da corrente.

O ideal é passar produtos próprios, como a graxa branca ou lubrificantes específicos para correntes, disponíveis em grande variedade no mercado.

Lavar faz bem, sim!

Materiais como desengraxantes e óleo diesel são ótimos para limpar a corrente, mas não servem como lubrificantes. E não poder lavar a peça com água e sabão é um mito. Na verdade, a lavagem é até boa para retirar a sujeira. Mas, depois, é fundamental que seja feita a lubrificação normal da peça.

Risco de acidente

Além de acelerar o desgaste da corrente, a falta de lubrificação pode ser a causa de acidentes graves.

Quando a peça fica muito seca, há risco de que ela se rompa e enrosque na roda, o que pode causar uma queda violenta.

Outra prática que deve ser evitada é o uso de esticadores, para reduzir a necessidade de regular as folgas. Com o tempo, o esticador pode cair e, se a corrente estiver muito frouxa, é tombo na certa.

Dicas

- Lubrifique a corrente pelo menos duas vezes por semana.

- Em caso de chuva, lubrifique no mesmo dia.

- A vida útil da corrente, em média, é de 12 mil km. Mas vai depender do modelo, do uso e da manutenção.

- A maior parte dos mecânicos recomenda que, ao trocar a corrente, sejam trocados também a coroa e o pinhão. Isso porque o novo pode não encaixar com perfeição no antigo, causando desgaste prematuro.

- Na hora de lubrificar, examine a folga. O ideal é que a corrente tenha elasticidade de cerca de 2cm, para cima e para baixo.

 

DIÁRIO GAÚCHO

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros