Especialista em anatomia veterinária explica que filhote não é descendente do ser humano - Notícias

Versão mobile

 
 

Caso da cabra16/10/2014 | 17h49

Especialista em anatomia veterinária explica que filhote não é descendente do ser humano

Nas redes sociais algumas pessoas acreditaram se tratar de um caso de zoofilia

Especialista em anatomia veterinária explica que filhote não é descendente do ser humano Facebook/Reprodução
Foto: Facebook / Reprodução

O caso do filhote de cabra, que nasceu na Argentina, com o rosto parecido com o de um ser humano levantou polêmica nas redes sociais.

Algumas pessoas chegaram a afirmar que o filhote seria fruto de um caso de zoofilia, ou seja, quando o homem mantém relações sexuais com animais.

Leia também
Cabra nasce com rosto humano na Argentina

Segundo a especialista em Anatomia Veterinária Comparada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), professora Sueli Reckziegel, a suposta cruza entre um homem e uma cabra é impossível.

- Apesar de o ser humano ser classificado biologicamente como animal, não existe a possibilidade de nascer um filhote de uma relação entre homem e cabra. Os DNAs das duas espécies são incompatíveis, disse ela.

Sueli explicou ainda que as feições da cabra, que lembram o rosto humano, não passam de uma coincidência. Segundo ela, é possível que os criadores tenham praticado a zoofilia, mas é inviável que o esperma possa fecundar uma cabra, que é de uma espécie diferente da Homo sapiens, à qual pertencemos.

O filhote de cabra nasceu morto. Os criadores tiveram que se esconder com medo da reação popular.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

DIÁRIO GAÚCHO

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros