"Brasil tem mais discriminação", diz haitiano hostilizado em vídeo em Canoas - Notícias

Vers?o mobile

 

Polêmica12/06/2015 | 19h17

"Brasil tem mais discriminação", diz haitiano hostilizado em vídeo em Canoas

Flaubert Brutus trabalha em um posto de gasolina há dois meses e está há cinco no Brasil

"Brasil tem mais discriminação", diz haitiano hostilizado em vídeo em Canoas Elana Mazon/Especial
Foto: Elana Mazon / Especial

Flaubert Brutus, 25 anos, frentista de um posto de gasolina no Centro de Canoas, quase não fala português. E as palavras do haitiano que está há cinco meses no Brasil diminuem mais ainda quando o assunto é o vídeo gravado no posto, em que ele aparece sendo hostilizado por um homem justamente por ser estrangeiro.

— Já vivi em outros lugares e Brasil tem mais discriminação — afirma.

O primo de Flaubert, Iveno Genestant, no Brasil há três anos, concorda:

— De dez pessoas que vem aqui e perguntam se somos haitianos, oito nos dizem "bem vindos". As outras duas, não gostam. Não sei porque.

Leia todas as notícias do dia

No momento da gravação do vídeo, que circulou intensamente na internet na semana passada, nenhum dos gerentes do posto estava no local. Os funcionários que acompanharam a ação chegaram a anotar a placa do carro e passaram para a Polícia Rodoviária Federal, mas o carro não foi encontrado. Os dois dias seguintes à divulgação do vídeo foram os piores. 

— Não me senti bem. Meus amigos e família no Haiti viram o vídeo no Youtube. Ele "me fez discriminação" — conta Flaubert.

Era tanta gente procurando Brutus que a gerência do posto chegou a "isolá-lo", impedindo que muita gente se aproximasse. Com o tempo, perceberam que muitos chegavam ao local para dar apoio.

Curta a página do Diário Gaúcho no Facebook

— Vimos que muita gente vinha falar que era contra toda a situação. Achamos melhor mostrar para ele todo esse apoio. Eles (os haitianos) trabalham muito bem, são ótimos funcionários e aprendem rápido — afirma Volmir, um dos gerentes do posto.

Um dos grupos que repudiou a ação foi a Frente Canoense Pelos Direitos Humanos, que realizou uma panfletagem em frente ao posto na noite de sexta-feira. O coordenador do movimento, Almir Rodrigo Gehrat, explica que a intenção é repudiar a ação sofrida pelos haitianos e conscientizar a população sobre a diversidade.

Entenda
Na semana passada, circulou na internet um vídeo em que um homem, identificado como Daniel Barbosa, aborda o frentista. Ele ironiza a presença dos estrangeiros, dizendo que eles tem "sorte" por estar empregado quando o Brasil passa por uma situação tão difícil de desemprego. O vídeo original foi apagado, mas foi postado em outras contas.



Em entrevista ao portal Terra, Daniel negou que o vídeo seja uma ação xenófoba ou discriminatória. Ele alegou que se tratava apenas de uma investigação para saber se a vinda do estrangeiro estava ligada a uma possível implantação de um regime de esquerda no país, com a ajuda de paramilitares.

DIÁRIO GAÚCHO

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros