Anvisa suspende fabricação e venda de marca de enzima digestiva lactase - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Saúde10/08/2015 | 19h18

Anvisa suspende fabricação e venda de marca de enzima digestiva lactase

Digelac não tinha autorização para ser comercializado como coadjuvante de tecnologia de fabricação

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a fabricação, distribuição e comercialização de todos os lotes da enzima digestiva lactase da marca Digelac, fabricada pela Vida Forte Nutrientes Industria e Comércio de Produtos Naturais Ltda. O produto é uma alternativa para a ingestão de leite e de seus derivados para as pessoas que têm intolerância à lactose.

Anvisa suspende lotes de anti-inflamatório e de medicamentos para anemia
Anvisa suspende venda e uso de lote de dipirona sódica injetável

Segundo resolução da Anvisa, publicada nesta segunda-feira no Diário Oficial da União, o produto teve a autorização para ser produzido e comercializado como "aditivo alimentar", mas estava sendo vendido como "coadjuvante de tecnologia de fabricação".

Conforme a Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, responsável por regulamentar a classificação e os empregos dos aditivos alimentares, estes são ingredientes adicionados intencionalmente aos alimentos, sem propósito de nutrir, com o objetivo de modificar as características físicas, químicas, biológicas ou sensoriais, durante a fabricação, processamento, preparação, tratamento, embalagem, acondicionamento, armazenagem, transporte ou manipulação de um alimento. Ao serem agregados, eles podem se converter como componente do próprio alimento.

Intolerantes à lactose têm menos chances de desenvolver câncer
Você pode ter intolerância à lactose

O coadjuvante de tecnologia de fabricação é toda substância — excluindo os equipamentos e os utensílios utilizados na elaboração ou conservação de um produto — que não se consome por si só como ingrediente alimentar e que se emprega intencionalmente na elaboração de matérias-primas, alimentos ou seus ingredientes, para obter uma finalidade tecnológica durante o tratamento ou fabricação. A substancia, contundo, deve ser eliminada do alimento ou inativada, sendo admitida no produto final a presença de traços de substância, ou seus derivados.

O fabricante do produto ainda não se pronunciou sobre a determinação da Anvisa.

*Agência Brasil

Leia mais notícias sobre saúde

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros