MP recorre ao TJ e volta a pedir prisão de motorista que provocou atropelamento no Parcão - Notícias

Versão mobile

 
 

Recurso26/04/2016 | 13h17Atualizada em 26/04/2016 | 13h21

MP recorre ao TJ e volta a pedir prisão de motorista que provocou atropelamento no Parcão

Denúncia, que foi rejeitada pela 1ª Vara do Júri, quer a responsabilização do empresário Thiago Brentano por três tentativas de homicídio triplamente qualificado, com dolo eventual

MP recorre ao TJ e volta a pedir prisão de motorista que provocou atropelamento no Parcão Félix Zucco/Agencia RBS
Thiago Brentano foi denunciado por três tentativas de homicídio triplamente qualificado, com dolo eventual Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

O Ministério Público encaminhou, nesta terça-feira, ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS), o recurso da denúncia que pede a prisão preventiva e responsabiliza o empresário Thiago Brentano por três tentativas de homicídio triplamente qualificado, com dolo eventual, no caso do atropelamento de um casal no Parcão, em Porto Alegre.

A denúncia foi rejeitada pela 1ª Vara do Júri na semana passada. Na decisão, o juiz Maurício Ramires sustenta que o comportamento do motorista não seria prova do dolo eventual, mas fato qualificador do homicídio culposo de trânsito. O magistrado determinou que os autos sejam remetidos ao juízo competente, ou seja, a Vara de Delitos de Trânsito de Porto Alegre.

Leia mais:
Juiz rejeita denúncia e indefere pedido de prisão de motorista
MP denuncia motorista de Audi e pede prisão preventiva à Justiça
"Estava em condições de dirigir", diz motorista de Audi

A promotora Luciane Wingert entende que a decisão está equivocada.

— Entendo que o dolo eventual está presente. Estamos pedindo agora que o TJ reconheça isso frente aos elementos já trazidos ao processo. Evidente que o dolo eventual não serve para qualquer pessoa. É para o caso dele (Brentano), que tem essas especificidades. Participou de racha, estava a 116 km/h em área urbana e dirigindo com a CNH suspensa. Ou seja, não é uma mera imprudência — salienta.

Veja a entrevista que Thiago Brentano concedeu a ZH:

Entenda o caso

O atropelamento aconteceu na madrugada do dia 2 de abril. Por volta das 3h30min, Brentano saiu com o Audi de uma casa noturna, na Rua Silva Jardim, e disputou um racha, segundo a polícia, com um Camaro. Testemunhas disseram que Brentano bebeu dentro da boate. Uma comanda, divulgada pela produção da festa, registrou 10 cervejas no nome do empresário.

Às 4h, o Audi furou o sinal vermelho do semáforo na esquina da Avenida 24 de Outubro com a Avenida Goethe e foi atingido por um táxi. Girando, bateu em um Peugeot estacionado no Parcão, que acabou atingindo um casal que passeava com o cachorro na calçada.

Imagens de câmeras de segurança de um condomínio mostraram o momento em que o Audi passou rodando, depois da colisão com o táxi. Outro vídeo flagrou o condutor do Audi saindo da porta do motorista e fugindo em direção ao Parcão.

Dos feridos, Thomaz Coletti, 25 anos, teve rompimento total dos ligamentos do ombro direito, entorse no tornozelo esquerdo e fratura na mandíbula, entre outros ferimentos no rosto. Ele recebeu alta ainda no sábado, mesmo dia do acidente. A namorada dele, Rafaela Perrone, 24 anos, recebeu alta do Hospital Moinhos de Vento, depois de passar 19 dias internada.

*Zero Hora

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros