Governo amplia carência para segurado ter direito a benefícios do INSS. Veja o que o mudou - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Para economizar14/07/2016 | 08h00Atualizada em 14/07/2016 | 08h01

Governo amplia carência para segurado ter direito a benefícios do INSS. Veja o que o mudou

Por meio de medida provisória, governo ampliou período mínimo para obter auxílio doença, aposentadoria por invalidez e salário-maternidade

Governo amplia carência para segurado ter direito a benefícios do INSS. Veja o que o mudou Diórgenes Pandini/Agencia RBS
Foto: Diórgenes Pandini / Agencia RBS

Quem perdeu a qualidade de segurado do INSS – quando o trabalhador deixou de recolher a contribuição por um determinado período – tem um novo prazo mínimo de novas contribuições para obter benefícios. O direito de requerer auxílio-doença e aposentadoria por invalidez será retomado somente em 12 meses. No caso do salário-maternidade, haverá dez meses de carência. Antes, o período exigido era de quatro e três meses, respectivamente.

A mudança foi estabelecida por uma Medida Provisória do governo federal que está valendo desde 7 de julho e que foi republicada – com alteração no texto – na terça-feira. Por ser uma MP, ela deve ser votada pelo Congresso em até 180 dias. Se for vetada, a regra anterior passa a valer. Caso seja aprovada, é encaminhada para a sanção do presidente interino Michel Temer. Segundo cálculos do governo, esta e outras mudanças têm potencial de gerar economia anual de R$ 7,1 bilhões aos cofres do governo.

Leia mais:
Governo reduz grupo que discute a reforma da Previdência Social
Entenda o que pode mudar nas regras da aposentadoria 
Entenda a aposentadoria 85/95 progressiva em 15 perguntas

Especialistas ouvidos pelo Diário Gaúcho consideram a mudança um retrocesso. A presidente do Instituto dos Advogados Previdenciários (IAPE), Luciana Moraes de Farias, defende que a alteração retira direitos do segurado do INSS pois antes, ao voltar a contribuir para o instituto, a pessoa precisava de apenas um terço do período de carência. Agora, precisa cumprir a carência em tempo integral novamente.

 — É um retrocesso social. Como que se o que o contribuinte já tivesse pago, não valesse de nada —  questiona Luciana.

Além de ser uma perda para o trabalhador, o diretor do Instituto de Estudos Previdenciários (Ieprev), Luiz Felipe Pereira Veríssimo, considera que a nova regra não foi amplamente discutida e divulgada, sendo desconhecida pelos segurados. O fato de a mudança ter ocorrido por meio de Medida Provisória gera insegurança, pontua Luiz. Se a alteração for vetada pelo Congresso, os trabalhadores prejudicados por ela neste período poderão pedir novamente o benefício ao INSS:

— A pessoa fica sem conhecimento da mudança. Quando ela mais precisa, talvez, pode não estar coberta. O ideal é que fosse mais divulgado, até para o trabalhador se planejar.

Leia mais notícias da seção DG Ajuda Você

Ao mesmo tempo em que o governo diminui o número de concessões de benefícios, o trabalhador ficará mais tempo correndo riscos devido ao aumento do tempo de carência, lembra o professor de direito previdenciário da Unisinos, Everson da Silva Camargo:

— Se o trabalhador adoece nesse período, não terá direito a benefício nenhum. Toda vez que é suprimido ou dificultado o alcance a um benefício, temos uma norma protetiva social que está andando para trás. 

Leia mais notícias do dia


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros