RS tem volume recorde de exportações, mas arrecada menos com queda no preço dos produtos - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Faturamento menor26/07/2016 | 11h36Atualizada em 26/07/2016 | 17h16

RS tem volume recorde de exportações, mas arrecada menos com queda no preço dos produtos

Segundo a FEE, vendas aumentaram mas arrecadação é a menor desde 2010. Estado perdeu uma posição no ranking nacional

RS tem volume recorde de exportações, mas arrecada menos com queda no preço dos produtos Tadeu Vilani/Agencia RBS
Soja em grão é o principal produto exportado pelo RS, ocupando quase 25% da pauta de vendas Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Com o impulso do câmbio, que ajudou a deixar os produtos gaúchos mais baratos no Exterior, o Rio Grande do Sul bateu recorde de exportações no primeiro semestre de 2016. Entre janeiro e junho deste ano, foram embarcadas 11,5 milhões de toneladas em mercadorias, o maior volume da série histórica iniciada em 1989. Os dados foram divulgados nesta terça-feira pelo Núcleo de Dados e Estudos Conjunturais da Fundação de Economia e Estatística (FEE).

Apesar da quantidade maior de produtos comercializados, a arrecadação com as vendas ficou em US$ 7,7 bilhões, o menor valor desde 2010. Um recuo de 4,4% (US$ 349,9 milhões) em relação ao mesmo período de 2015. A aparente contradição é reflexo da forte retração nos preços dos produtos exportados. As principais mercadorias produzidas pelo Rio Grande do Sul vêm perdendo valor no mercado internacional. 

Leia mais

Com queda do dólar, exportadores calculam perdas 
RS retoma 3ª posição no ranking nacional de exportações em maio
Serra pedirá apoio da Argentina para revisão do Mercosul

— O efeito do dólar teve certa importância no volume de vendas, mas as principais causas para o recorde de embarques foram a retração no mercado doméstico, que levou os produtores brasileiros a olharem para fora, e a maior demanda dos principais parceiros comerciais. O preço mais competitivo no cenário internacional também ajudou: 9 dos 10 principais clientes compraram mais. O entrave foi o preço das mercadorias em dólar, que vem caindo, e impactando no faturamento — afirma Tomás Torezani, pesquisador da FEE.

Com o resultado, o Estado perdeu uma posição no ranking nacional, passando para a quinta colocação, ultrapassando o Rio de Janeiro (em função da redução do preço do petróleo), mas sendo superado por Mato Grosso (pela forte elevação das vendas de soja e milho em grãos) e Paraná (pelo crescimento das vendas de soja em grão).

Trigo recua, celulose avança

Com relação à exportação de produtos básicos, houve diminuição das vendas de trigo em grãos (-64,4% em valor) e farelo de soja ( -21,8% em valor ). Por outro lado, cresceram as vendas de carne bovina e de bovinos vivos, que não haviam sido exportados no primeiro semestre de 2015.

No grupo dos manufaturados, os maiores recuos foram percebidos nas exportações de máquinas e aparelhos para uso agrícola (-41,7% em valor) e hidrocarbonetos (-24,8% em valor).

O grupo dos semimanufaturados foi o único a ter aumento nos valores. O crescimento ocorreu em virtude das vendas de celulose (acréscimo de 757,2% em valor), o que compensou a queda na comercialização de outros produtos, como óleo de soja em bruto (-25,8% em valor ) e couros e peles (-6,3% em valor).

Reflexo da expansão da empresa Celulose Riograndense, a celulose também foi destaque em volume embarcado. Dos 307 produtos exportados no semestre, 52 bateram recorde em volume. 

O embarque de soja em grãos foi impulsionado pela supersafra histórica. As vendas para o gigante asiático avançaram e também cresceram para Paquistão e Irã. O estabelecimento de novos acordos no âmbito nacional impulsionaram o comércio de automóveis com a Argentina.

Outros produtos relevantes para a pauta exportadora gaúcha, mesmo não registrando recordes, também apresentaram crescimento em suas vendas em relação aos últimos anos. Em especial as carnes, pela recuperação de mercados embargados e pela expansão e abertura de novos destinos.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros