Conheça mitos e verdades sobre a amamentação - Notícias

Versão mobile

 

Aleitamento materno05/08/2016 | 08h01Atualizada em 05/08/2016 | 09h14

Conheça mitos e verdades sobre a amamentação

Enfermeira e obstetra ajudam a esclarecer dúvidas sobre o aleitamento materno

Conheça mitos e verdades sobre a amamentação Luiz Armando Vaz/Agencia RBS
Com Giovanna no colo, Deise diz que viveu todas as experiências da amamentação Foto: Luiz Armando Vaz / Agencia RBS

Na Semana Mundial da Amamentação, o Diário Gaúcho aproveita a oportunidade para esclarecer o que é mito e o que é verdade em relação ao aleitamento materno _ a Organização Mundial da Saúde recomenda que os bebês recebam leite materno exclusivamente até o sexto mês de vida. 

Quem responde questões que misturam desconhecimento, crendices populares e até algumas verdades é a coordenadora do Grupo de Aleitamento Materno dos hospitais Conceição e Criança Conceição, a enfermeira Dinara Dornfeld, e a obstetra do Hospital Fêmina Sandra Canali Ferreira.

Leia as últimas notícias do dia

Apesar da experiência de quatro gestações anteriores, nas quais amamentou seus quatro meninos (que hoje têm idades entre cinco e 21 anos), a pedagoga Deise Santos Rodriguez, 44 anos, do Bairro Sarandi, descobriu agora, com o nascimento da caçula, Giovanna, a importância do leite materno para a saúde do bebê. A menina nasceu há dois meses, com 30 semanas de gestação. Deise teve pré-eclampsia (pressão arterial elevada) e precisou fazer uma cesárea. Quando a menina completou 40 dias, os médicos autorizaram a mãe a dar o leite materno. Giovanna nasceu com 845g e 32cm. Agora, mede 40cm e pesa 1,660kg.

– Fiquei com medo que meu leite secasse. Mas fui ao Banco de Leite (do Hospital Fêmina, onde a menina nasceu e está internada) buscar ajuda. Amamentar a minha filha é a melhor emoção da minha vida, é como se fosse a primeira vez que amamento.

Afeto

Deise conta que o primeiro filho só foi amamentado até os dois meses porque ela teve uma infecção que a impediu de continuar o aleitamento. 

– Eu vivi todas as experiências relacionadas à amamentação e foram mais negativas do que positivas, mas eu não desisti – revela.

Leia mais
Em tratamento custeado pela rede pública, criança foi gerada por fertilização in vitro para curar a irmã
Ciência descobre a função biológica do orgasmo feminino

Entre os problemas enfrentados por ela foram rachaduras nas mamas, sangramento, o leite empedrado e até mesmo as dicas sem fundamento que recebeu ao longo das gestações – como colocar casca de mamão no peito para cicatrizar fissuras.

– Antes, eu não tinha tanta informação, perdia a calma. Agora, sei a importância do leite e recebi orientação. E a melhor parte é a afetiva. Enquanto ela está mamando, converso com ela, gosto do olho no olho. Amamentar é o melhor que eu posso fazer por ela – finaliza.

Mitos e verdades

1. O colostro é como água, não tem nutrientes. 
Mito. Quem diz isso está errado. O colostro é o primeiro líquido produzido pela mama (do primeiro ao quinto dia depois do parto). É um leite mais transparente, pode ser branco, amarelado. É a primeira vacina que o bebê recebe. Tem nutrientes e glicose. São anticorpos da mãe passando para o bebê e isso significa proteção.

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

2. O leite da mãe deixa o bebê mais forte.
Verdade. Quem mama no peito tem menos infecções respiratórias, menos otites, menos alergias.

3. Mãe muito magra tem leite fraco. 
Mito! Não existe leite fraco. E mesmo que a mãe seja magra, ou não se alimente bem, ela produz leite suficiente para sustentar o bebê, para que ele fique satisfeito, ganhe peso e se desenvolva bem.

4. A produção do leite depende dos alimentos que a mãe come.
Isso é indiferente. A produção do leite depende, na verdade, da sucção do bebê. Quanto mais vezes o bebê mamar, mais leite a mãe vai produzir. A mãe deve ter uma alimentação variada, de acordo com seu gosto e com aquilo que puder comprar.

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

5. Quanto mais líquido a mãe ingerir, mais leite terá.
Mito. A mãe vai produzir leite independente da quantidade de líquido que ingerir. O que ocorre com a maioria das mulheres é que, amamentando, sente mais sede e aí o líquido ingerido será importante para repor o que a mãe está perdendo.

Foto: Carlinhos Rodrigues / Agencia RBS

6. Chá de funcho, erva-doce e camomila aumentam a produção de leite.
Verdade. Esses chás são bons porque acalmam a mãe. E estando calma, a mãe libera oxitocina, componente importante para descer o leite.

Foto: Diapicard / Pixabay

7. Bebê que mamou há uma hora não pode estar com fome.
Não é verdade. O bebê deve mamar conforme a vontade dele. Toda vez que demonstrar que está com fome (a mãe deve ficar atenta a sinais como resmungos, quando ele chupa a língua, leva a mão à boca, tenta abocanhar tudo o que vê e mesmo procura o peito), deve ser colocado no seio da mãe. A livre demanda é a melhor recomendação.

8. A mãe deve evitar estimulantes durante o período de amamentação.
Verdade. As mães devem ingerir com moderação café, chá preto, chimarrão, chocolate e refrigerante de cola. Se utilizar em excesso, pode passar pelo leite e deixar o bebê agitado.

Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

9. Casca de banana e mamão ajudam a cicatrizar feridas nas mamas.
Não é verdade. Por mais que as cascas sejam higienizadas, restam microrganismos no alimento e, como a mama está ferida, pode ser uma porta aberta para uma infecção. Não há comprovação de que atue na cicatrização. O que ajuda a curar ferimento nas mamas é o próprio leite materno (hidrata e cicatriza) e a correção da pega (se o bebê pegar só no mamilo, e não na aréola, vai machucar mesmo). Também são utilizadas pomadas à base de lanolina. A automedicação é perigosa porque há pomadas que, se não forem retiradas completamente da mama poderão ser ingeridas pelo bebê durante a mamada.

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

10. Canjica e cerveja preta aumentam a produção do leite.
Mentira! A canjica é um alimento bom para fortalecer a mãe, não necessariamente para estimular a produção de leite materno. E a cerveja preta nem deve ser considerada como bebida para quem amamenta porque contém álcool e pode passar para o leite. Tudo aquilo com o qual a criança tiver contato até os dois anos pode influenciar nos hábitos no futuro.

Foto: Free Images / Divulgação

11. O bebê que mama no peito não precisa tomar água.
Verdade. Logo que o bebê começa a mamada, o primeiro leite que vem é 80% líquido, já mata a sede da criança e tem anticorpos. Depois, conforme ele vai sugando, vêm as gorduras e os outros nutrientes responsáveis por saciar a fome e ajudar o bebê a ganhar peso. Portanto, até os seis meses a amamentação deve ser exclusiva.

Foto: Stock.xchng / Divulgação

12. A mãe precisa cortar alimentos fortes porque dão cólicas no bebê.
Não existem evidências científicas que comprovem que os alimentos que a mãe ingere alteram o leite e causam cólicas.

13. Usar prótese de silicone interfere na amamentação.
Em geral, é um mito. Hoje, as cirurgias para colocação de silicone são feitas de modo a preservar a possibilidade de amamentação. Mesmo quem faz a cirurgia para redução das mamas não tem a capacidade de amamentar prejudicada.

Foto: Artur Moser / Agencia RBS

14. O leite materno pode ser congelado e oferecido ao bebê posteriormente.
Verdade. O leite ordenhado pode ficar no freezer por até 15 dias. O leite deve ser colocado em um frasco de vidro com tampa de plástico (do tipo maionese ou café solúvel), retirando o rótulo e o papel de dentro da tampa. Antes de colocar o leite no frasco, o recipiente deve ser fervido por 15 minutos e deve ser colocado para escorrer sobre um pano limpo até secar naturalmente. A mãe deve encher o frasco com o leite materno sem tocar com a mão na parte interna da tampa. É importante anotar na tampa do frasco a data e a hora em que realizou a coleta. Para oferecer ao bebê, o leite congelado deve ser aquecido em banho-maria. É importante não ferver, apenas tirar o gelo. Depois de descongelado, o leite não pode ser congelado novamente. Se for conservado apenas em geladeira, tem validade de 12 horas.

Foto: Artur Moser / Ver Descrição

15. O estresse faz secar o leite. 
Em parte. Uma mãe que sofreu uma grave perda, por exemplo, pode vir a sofrer um estresse muito forte e ter prejudicada a sua produção de leite, bem como a mãe que tem depressão pós-parto muito profunda. Mas, em geral, o estresse (como o gerado a partir da falta de sono e do cansaço, comuns à mãe nos primeiros tempos com o bebê) não costuma fazer o leite secar.

16. Pegar sol na mama ajuda a produzir mais leite.
Pegar sol nas mamas (em torno de 20 minutos ao dia) ajuda a formar uma boa pele em cima do mamilo, para que fique mais resistente à pega do bebê. Se não for o sol, a mulher poderá fazer um banho de luz usando um abajur (tirando a cúpula), distante um palmo e meio das mamas, durante cinco a dez minutos por dia.

17. Amamentação é um anticoncepcional.
Em partes. Enquanto a mulher amamenta exclusivamente, o ovário fica sem ovular, o que evita a gravidez. Mas há o risco de falhas neste processo e a mulher pode vir a engravidar novamente. Há anticoncepcionais próprios para serem utilizados na amamentação (que não interferem no processo de aleitamento) e oferecem mais segurança.

Foto: Shutterstock / Shutterstock

18. O tipo de parto interfere na amamentação.
Mito. Quando a mulher faz uma cesárea, o leite demora um pouco mais a descer, mas todas as mulheres podem amamentar independentemente do tipo de parto que tenham. O que ocorre é que o trabalho de parto é importante porque libera a ocitocina, que faz o leite descer e ajuda o útero a parar de sangrar e voltar ao normal.

19. Amamentar acelera a perda de peso.
Amamentar acelera o metabolismo da mãe. E, em geral, a mãe passa a ter uma rotina agitada com o bebê e isso ajuda a reduzir o peso com mais rapidez do que quem não amamenta. É importante ter uma alimentação saudável e ingerir bastante água.

Foto: Reprodução / Reprodução

20. Dar bico interfere na amamentação.
Verdade. As pessoas acham que o bebê é agitado e dão bico, mas ele só prejudica a amamentação porque, para o bebê pegar o peito, ele precisa abrir a boca de uma forma e, usando o bico, ele posiciona a boca de outra maneira e isso atrapalha a forma de ele mamar. 

Foto: stock.xchng / Divulgação
 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros