Giane Guerra: Pagamos três vezes pela segurança  - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Acerto de Contas30/08/2016 | 08h04Atualizada em 30/08/2016 | 08h04

Giane Guerra: Pagamos três vezes pela segurança 

O que quer dizer isso? A coluna hoje vai ilustrar bem


Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

Tributos

O cidadão que paga impostos está dando dinheiro para os governos federal, estadual e municipal garantirem a segurança. O salário dos policiais, o dinheiro para viaturas, a verba para construção de presídios. São recursos que saem dos cofres públicos, que, por sua vez, são enchidos por tributos pagos pela sociedade. E é um abuso pedir que o povo pague mais enquanto o noticiário ainda mostra tanta corrupção e desvio de dinheiro.

Leia outras colunas do Acerto de Contas

Segurança privada

É o que pagamos diretamente para termos mais segurança. A lista é imensa. Vai desde o alarme do nosso carro até a cerca elétrica do prédio que gera aquela chamada extra na conta do condomínio. Aliás, o gasto com segurança dos prédios só aumenta. Está em torno de 15%, em média, já. E digo mais: quando você deixa de pegar um ônibus para voltar da aula — porque trabalha o dia todo e precisa estudar à noite — e opta por um táxi, gastando dez vezes mais, está pagando por segurança de novo.

Efeito cascata

Esse aqui é o que a gente sente menos. É o custo da segurança que vem embutido em produtos e serviços. Um lojista pequeno de rua gasta R$ 1,5 mil por mês com segurança. Para pagar isso, ele passa o custo aos produtos que a gente compra. Mais caros, portanto. Se tem o privilégio de o filho estudar em escola particular, paga pela câmera, portaria, cerca elétrica, estacionamento etc. Quando roubam o carro do eletricista que veio arrumar o nosso chuveiro, ele precisa repassar o preço de um carro novo ou do seguro para o serviço, que custará mais caro da próxima vez.

Quando a gente compra 1kg de costela no mercado para o churrasco do domingo, estão nos preços alguns centavos da equipe privada de vigilantes da indústria, da distribuidora e do mercado, do seguro do caminhão que transportou essa carga muito visada por ladrões na estrada, e até do alarme que o lojista coloca no produto para evitar furto no mercado.

A insegurança não é um problema só da periferia nem só do asfalto. Todos pagamos várias vezes por segurança. Por um presídio com condições decentes até uma educação pública que reduza a criminalidade no longo prazo.

Leia mais notícias

 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • 13h25m

    13h25m

    RT @sufloresantos: Feliz pq depois de anos, amanhã ao comprar o Diário Gaúcho vai vir um pôster do Grêmio 😂😂😂há 1 horaRetweet
  • juniormypride

    juniormypride

    kelly@_etyenewergutz tu quando era pequena, parecia ela kkkkkkkkkkkkkkk correio do povo, famoso diário gauchohá 1 horaRetweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros