Felipe Bortolanza: "O Brasil e o verbo torcer" - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Opinião07/09/2016 | 12h07Atualizada em 07/09/2016 | 12h07

Felipe Bortolanza: "O Brasil e o verbo torcer"

Felipe Bortolanza: "O Brasil e o verbo torcer" Banco de dados/Agência RBS
Foto: Banco de dados / Agência RBS

Já parou para pensar quanto tempo do seu dia você dedica a torcer? Sim, torcer. Me arrisco a dizer que é o verbo mais presente na vida das pessoas, especialmente o brasileiro. E, muitas vezes, nem nos damos conta.

Leia outras colunas de Felipe Bortolanza

Vou enumerar dez situações, da manhã à noite.

1) Ao amanhecer, torço para que o sol esteja brilhando.
2) No café da manhã, torço para que a fruta preferida do meu filho já tenha amadurecido.
3) Na hora da brincadeira, que o relógio ande devagar.
4) Ao ligar o rádio, que as notícias boas sobressaiam às ruins.
5) No almoço, que o sal esteja de acordo.
6) A caminho da escola, que o trânsito não esteja intenso e que as sinaleiras estejam no verde.
7) No trabalho, que os colegas estejam felizes e nos recebam com um sorriso.
8) Na hora de fechar a capa, a torcida para que ela seja agradável e útil ao leitor.
9) Na volta para casa, que nenhum assaltante cruze o nosso caminho.
10) Ao deitar na cama, que a noite seja boa e que as baterias se recarreguem.

Equilíbrio

É claro que, neste ciclo de aspirações, nos equilibramos entre frustração e alegrias. Afinal de contas, são inevitáveis os dias em que chove, a maçã está podre, o tempo corre mais do que queremos, as notícias são ruins, erramos a mão no sal, o trânsito é infernal, os colegas estão de mau-humor, a capa não fica como gostaríamos, a violência toma conta das ruas e, assim, viramos noites mal dormidas.

Mas eu tenho uma tática para tentar me alegrar mais do que me entristecer (quem costuma ler minhas crônicas, já deve ter percebido meu lado otimista). Eu faço assim: toda vez que deparo com algo ruim, busco no meu pensamento algo positivo que ocorreu ou vai ocorrer. Há uma compensação que alivia a alma. Óbvio que me dói muito quando minha torcida não dá certo. Por isso criei uma defesa.

Atualmente, o que mais me ocupa são torcidas a longo prazo. Tipo o fim da crise econômica e a onda de violência. É um esforço de persistência, com muita reza envolvida. E diante da inoperância que vemos da maioria dos políticos, o verbo torcer é o que mais o povo pode conjugar.


 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • jacoliveira

    jacoliveira

    Jac OliveiraDiário Jac Oliveira já saiu! https://t.co/6xCbsjuhJo Graças a @diario_gaucho #pioneiro #mercadofinanceirohá 2 horas Retweet
  • DarskiVanessa

    DarskiVanessa

    Vanessa@Vagner_LM aí tu vai pro mural da página de crimes do Diário Gaúcho ♥️há 11 horas Retweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros