Felipe Bortolanza: "O terrorismo dentro de casa" - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Opinião28/09/2016 | 14h25Atualizada em 28/09/2016 | 15h58

Felipe Bortolanza: "O terrorismo dentro de casa"

Felipe Bortolanza: "O terrorismo dentro de casa" Banco de dados/Agência RBS
Foto: Banco de dados / Agência RBS

O medo de sair de casa e ser vítima de algum criminoso é natural. Arrisco a dizer que a tensão é comum a todos, especialmente nos dias atuais, na Região Metropolitana. Vagabundos matam para roubar, traficantes executam desafetos, drogados batem carteira para sustentar o vício.

Essa sensação de insegurança é muito ruim, seja a caminho do trabalho, na volta para casa ou em algum momento de lazer. Mas, a maioria das pessoas, encontra na família um porto seguro para viver momentos de paz, amor, diversão.

O abraço do marido, o carinho da esposa, o colo da mãe, a parceria com o pai ou as brincadeiras com os avós compensam qualquer agrura do cotidiano.

Agora, leitor, imagina o cenário contrário: a sensação de pavor é maior dentro de seu lar. Estar sob risco de um bandido profissional na rua é fichinha perto do fato de dividir o lar com um marido agressor. Pois este caos é rotina para milhares de mulheres no mundo.

Na edição de hoje do Diário Gaúcho, a repórter Schirlei Alves assina uma impactante reportagem sobre algo impressionante. Muitas mulheres estão envolvidas no chamado Ciclo da Violência: elas são vítimas de sucessivas agressões psicológicas, físicas e sexuais. Ao relevar ou perdoar o companheiro, repetidas vezes, estão agravando este enredo sem perceber.

Leia outras colunas de Felipe Bortolanza

Acontece com você? Denuncie!

Especialistas afirmam que elas não têm culpa de insistir na relação ou demorar a denunciar à polícia. Afinal, muitas têm envolvimento afetivo com o homem, pai de seus filhos e que sustenta a família. Especialmente os que sabem disso, abusam ainda mais nas doses diárias de terrorismo domiciliar.

Sim, a palavra certa é terrorismo. Leia as duas histórias revoltantes narradas nesta edição e você concordará comigo. Mas faça mais do que isso. Sabe de alguém que sofre com o Ciclo da Violência? Então ajude, alerte. Acontece com você? Denuncie o agressor.

Há lares em que as agressões se perpetuam como se fosse algo genético. E não é. O agressor é um criminoso. Nenhuma mulher merece viver apanhando ou sendo humilhada! Nenhuma criança deve crescer assistindo a cenas de terror dentro de casa!

 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • diariomensajero

    diariomensajero

    El MensajeroComienza hoy la Fiesta Nacional del Gaucho https://t.co/axCc5139UShá 1 horaRetweet
  • Duducker

    Duducker

    Eduardo Beckerhttps://t.co/0E5hrPnGXN via @diario_gauchohá 1 horaRetweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros