Farmácia do Estado tem longa fila de espera por alimentação especial - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Saúde27/10/2016 | 10h48Atualizada em 27/10/2016 | 10h48

Farmácia do Estado tem longa fila de espera por alimentação especial

Demora para liberar novos pedidos faz com que mães aguardem meses por fórmulas para seus bebês. Somente para o Pregomin, há mais de 200 pedidos em avaliação

Farmácia do Estado tem longa fila de espera por alimentação especial Mateus Bruxel/Agencia RBS
Paola mostra a lata vazia Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

No fundo da lata de 400g restavam, na manhã de terça-feira, seis colheres de Pregomin Pepti, único alimento capaz de nutrir Sofia da Silva, de três meses, que sofre de alergia à proteína do leite. Era a última que a família moradora do Passo do Fiúza, em Viamão, tinha no armário. Depois, a mãe da menina, Paola Martins da Silva, 23 anos, pretendia alimentá-la com leite comum, mesmo sabendo que poderia prejudicar a filha. Desde setembro, Sofia faz parte de uma lista com 1.752 solicitações de fornecimento de dietas, suplementos e fórmulas nutricionais que aguardam a Secretaria Estadual da Saúde liberar a primeira remessa. Só no aguardo do Pregomin, há 203 novos pedidos em avaliação.

— Não posso amamentá-la, pois tomo remédios. Não tenho alternativas. Cada lata custa mais de R$ 120 e ela dura dois dias. Já dei um pouco de leite sem lactose, vou ter que dar novamente por enquanto — contou Paola, fazendo as contas de quanto já gastou para alimentar a filha.

Sofia depende da alimentação especial Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Foi na segunda consulta com o pediatra que Sofia foi diagnosticada com intolerância à proteína. Durante 40 dias, o bebê foi alimentado com outra marca de leite em pó, que custa a metade do valor do Pregomin. Porém, Sofia passou a rejeitá-lo. Então, o médico receitou o especial. Em setembro, Paola inscreveu a filha na lista de espera da Secretaria da Saúde, via posto de saúde de Viamão:

— No local, a atendente me deixou assustada. Disse que poderia demorar até 90 dias para recebermos as primeiras latas. Pensei: como faremos para pagar tudo isso?

Em um mês de espera, Paola e o marido, que trabalha como eletricista, gastaram R$ 1 mil em leite especial — o equivalente ao salário inteiro do marido. Amigos, parentes e os padrinhos da menina têm ajudado a família a garantir as latas de Pregomin. Desta vez, porém, o leite acabou antes da compra de novas latas. 

Lata daria só para um dia Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Leia as notícias do dia
Bebê alérgico está sem leite especial há dois meses em Cachoeirinha
STF volta a discutir se poder público deve pagar medicamentos de alto custo para doenças raras

110 dias de espera
Casos de novos cadastros que ultrapassam os dois meses de espera pelo leite especial têm se tornado comuns no Estado, que já atende cerca de 1.687 crianças com alergia à leite de vaca e outros 9.927 pedidos para as demais dietas, suplementos e fórmulas nutricionais. Extraoficialmente, a informação é de que estariam faltando consultores para analisar tecnicamente todos os pedidos que chegam à Farmácia de Medicamentos do Estado. A Secretaria nega a falta de profissionais, mas confirma que são seis consultores para atender toda a área de nutrição e que a "Secretaria Estadual da Saúde (SES) está reestruturando seu quadro de pessoal em parceria com outros órgãos para atender à atual demanda".

Ainda de acordo com a Secretaria, não é normal aguardar três meses para avaliação de quaisquer pedidos de fornecimento de fórmulas lácteas, dietas enterais ou medicamentos. O prazo para conclusão da avaliação ficaria, segundo a SES, entre 30 e 45 dias. O que não ocorreu com Franciele Machado, 24 anos, do Jardim Itu, em Porto Alegre, que espera desde 10 de julho — portanto, completando hoje 110 dias — pelo Pregomin Pepti para o filho Gael de Matos, dez meses. O caso ainda está em avaliação técnica, com previsão de conclusão da análise nos próximos dias.

— Entro todos os dias no site da Secretaria da Saúde à espera de que me liberem o alimento para o meu filho. É uma espera injusta — desabafa Franciele. 


 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • acervo_multi

    acervo_multi

    Acervo Multimídia@amanda1araujo1 Diário Gaúcho - Camila Pitanga VENCEU: https://t.co/NbySFcTSfUhá 2 minutosRetweet
  • acervo_multi

    acervo_multi

    Acervo Multimídia@TeAmoPitanga Diário Gaúcho - Camila Pitanga VENCEU: https://t.co/NbySFcTSfUhá 3 minutosRetweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros