"Não tem clima para trabalhar sabendo que seremos demitidos", afirma funcionária da FDRH - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Pacote do Sartori22/11/2016 | 18h52Atualizada em 22/11/2016 | 19h54

"Não tem clima para trabalhar sabendo que seremos demitidos", afirma funcionária da FDRH

Funcionários da Fundação para Desenvolvimento Recursos Humanos farão corpo a corpo com deputados para tentar evitar que estrutura deixe de existir

"Não tem clima para trabalhar sabendo que seremos demitidos", afirma funcionária da FDRH Bruno Alencastro/Agencia RBS
Grupo de funcionários da FDRH no protesto dos servidores nesta terça-feira em frente ao Piratini Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS

A apreensão com o futuro tomou conta dos 1.199 funcionários que serão demitidos caso seja aprovada pela Assembleia a proposta do governador José Ivo Sartori de extinguir nove fundações, uma autarquia e uma companhia para a reforma estrutural do Estado. Nessa segunda-feira, servidores contrários a estas medidas protestaram em frente ao Palácio Piratini, no Centro da Capital.

Como boa parte dos que estão com seus postos de trabalho ameaçados, a agente administrativa da Fundação para Desenvolvimento Recursos Humanos (FDRH), Priscila Menna, 31 anos, sequer conseguiu dormir após saber que poderá começar 2017 sem emprego:

— Eu não nem sei o que dizer para minha família porque nós também não sabemos de nada. Não tem clima nenhum para trabalhar sabendo que seremos demitidos.

Leia mais:
Piratini entrega à Assembleia pacote de reestruturação do Estado
Servidores protestam contra pacote de Sartori na Praça da Matriz
Quais são as fundações na mira do pacote de Sartori e o que fazem

Técnico em administração na FDRH, Pedro Oliveira, 30 anos, está no oitavo semestre de Direito e teme não conseguir concluir o curso caso seja demitido:

— Eu trabalho de durante o dia para estudar à noite. Deixei outros dois concursos para continuar na FDRH. Se eu for demitido, terei que trancar o curso – prevê ele, que está há seis anos na fundação. 

Líder de uma comissão de funcionários da Fundação para Desenvolvimento Recursos Humanos (FDRH) que discute formas modernizá-la e enxugá-la para a estrutura não fechar as portas, o agente administrativo Job Osório, 52 anos, – há 37 anos na fundação – reclama que o grupo não foi recebido nenhuma vez pelo governo. O assunto vem sendo debatido desde junho. A partir de agora, o grupo vai intensificar o corpo a corpo com os deputados na tentativa de convencê-los a votar contra a aprovação do pacote. 

— Ainda acredito que os deputados terão uma visão maior dessa situação e não irão aprovar. A sociedade também vai perder com isso _ afirma a administradora Simoni Zanetti, há três anos e meio na FDRH.

Fundada em 1972, a FDRH faz cursos de formação continuada na Escola de Governo, é responsável pela gestão de 7 mil estagiários e executa concursos públicos. 


 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • edsonnemoto

    edsonnemoto

    edson nemotoNovas regras passarão a valer para trabalhadores com idade até 50 anos https://t.co/YugE6YaqVT via @diario_gauchohá 2 horas Retweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros