Viamão: ator leva teatro ao bairro onde viveu durante a infância - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Caminho do Bem02/11/2016 | 13h40Atualizada em 02/11/2016 | 13h42

Viamão: ator leva teatro ao bairro onde viveu durante a infância

Projeto começou há quatro como oficina de teatro numa escola do Bairro Aparecida

Viamão: ator leva teatro ao bairro onde viveu durante a infância Mateus Bruxel/Agencia RBS
No palco improvisado, Juliano orienta os ensaios do grupo  Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Por três horas semanais, o salão da Associação de Moradores do Bairro São Lucas, em Viamão, se transforma. Até os nove buracos na parede lateral de alvenaria viram luminárias especiais para a apresentação que segue no palco improvisado no tablado de madeira do prédio. E o responsável por esta mágica é o ator e professor de teatro Juliano Rabello, 27 anos, um filho de Viamão, como costuma dizer, que decidiu espalhar entre os moradores da região o amor dele pela arte.

O que começou em 2011 como uma oficina do Mais Educação na Escola Municipal Governador Walter Jobim, no Bairro Aparecida, onde o ator estudou e morou na infância, acabou se transformando num grupo teatral e já rende frutos: os primeiros alunos já estão dando aulas gratuitas de teatro para crianças e jovens da região. Mesmo sem apoio ou patrocínio, Juliano fundou ao lado deles o grupo Efêmeros Teatro de Grupo.

Nas tardes de quinta-feira, a turma ensaia no salão as quatro peças do repertório — duas criadas pelo grupo e duas de Shakespeare — e as apresenta em festivais na cidade e no Estado. Para seguirem, Juliano e os jovens têm apoio da Associação de Moradores do São Lucas, que libera o salão, e da Walter Jobim, que libera o ginásio para ensaios aos sábados de manhã. Não há patrocínio, só dedicação espontânea. 


Conheça outras histórias do Caminho do Bem
Confira todas as notícias do dia

Juliano: um sonhador Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Retribuição
"Esta oficina surgiu em 2011, como desejo de retribuir tudo o que a comunidade escolar me proporcionou, pois estudei na escola de origem da oficina, fiz meus principais amigos e conheci minha esposa. Hoje, se tornou o lugar onde trabalho com estes jovens."

O teatro
"Nas escolas, de forma geral, o teatro é subvalorizado, serve só para apresentaçõezinhas em datas comemorativas, mesmo causando estranhamento e encantamento. Nosso objetivo é mostrar como ele pode ser transformador. Minha ideia é propor um trabalho de pesquisa, construção, exigências para com nós mesmos e pensamentos sobre o que queremos questionar para o público. Nas apresentações, o impacto e a aceitação são incríveis." 

Juliano e a turma de Viamão que segue no grupo de teatro Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Enfoque pedagógico
"Sempre trabalhamos entre um grupo e uma oficina, até decidirmos trabalhar como grupo, para nos aprofundarmos na nossa próxima peça. Mas, ainda assim, o norte do meu trabalho, ainda que eu atue como diretor das peças, tem um enfoque pedagógico."

Planos
"Nosso plano é abrir mais oficinas em escolas públicas e proporcionar o teatro para os jovens. É só isso que precisamos: oportunidade para aprender. Meus alunos estão dando aulas para as crianças do Bairro São Lucas, estão passando adiante o que receberam. E isto é lindo!"

Patrocínio
"Estamos em fase de captação de patrocínio, entrando em contato com empresas, queremos dar mais visibilidade ao grupo, fazer mais temporadas pelo Estado, nos profissionalizar. Se um jovem como os que estão aqui faz estágios em empresas, porque não pode fazer em um grupo de teatro? Estamos fazendo uma peça sobre Bertold Brecht, um grande dramaturgo alemão. Queremos entrar em contato com outras grandes companhias para viajarmos e aprendermos mais."

Ensaios ocorrem duas vezes por semana. Um deles, no salão comunitário Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Paixão
"Tem a ver com estar apaixonado e tomado por algo. Acho que é a única forma de viver intensamente. Noite destas, mal dormi. Estava encantado com a nossa nova peça e pensando nas cenas. O teatro é apaixonante porque conecta as pessoas, tem a ver com ternura, com estado de graça. É assim que eu me sinto: em estado de graça por passar adiante o meu conhecimento."

Consciência
"Acho que tem a ver com algo pessoal, de descobrir a própria verdade, de ser honesto consigo mesmo, e lutar por isso. É ter consciência da partilha, de que vivemos em coletivo e um pouquinho de verdade e integridade que você passa para alguém através de seu trabalho, pode significar grande coisa. Pode até mudar a vida de alguém."


 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • diario_gaucho

    diario_gaucho

    Diário GaúchoMissa de sétimo dia homenageia as 71 vítimas do acidente com avião da Chapecoense https://t.co/0A2E2J9sp2 https://t.co/3JEvK5fFLEhá 3 minutosRetweet
  • omartinns

    omartinns

    NICOLAS MARTINS RT @henriqdp: separando 1 real pra comprar o diário gaúcho com o poster do gremio amanhãhá 13 minutosRetweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros