Saiba como estão as praias do Lami e do Belém Novo para curtir nos dias de calor em Porto Alegre  - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Praia na Capital17/12/2016 | 10h31Atualizada em 17/12/2016 | 10h31

Saiba como estão as praias do Lami e do Belém Novo para curtir nos dias de calor em Porto Alegre 

Todos os locais estão com águas próprias para banho, segundo o relatório de balneabilidade do Dmae emitido na quinta-feira  

Saiba como estão as praias do Lami e do Belém Novo para curtir nos dias de calor em Porto Alegre  Félix Zucco/Agencia RBS
Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Começa neste final de semana a temporada de verão na Capital. No sábado, as duas guaritas do Lami e a guarita do Belém Novo já passam a contar com a atuação de salva-vidas (das 9h às 19h30min, com intervalo para almoço) e, no domingo, a prefeitura abre a programação de atividades nos meses de calor em Porto Alegre. 

Leia mais:
Sinaleira testa paciência de motoristas na ERS-040
Leitores sorteados em promoção do DG recebem R$ 20 mil em compras

Todos os locais estão com águas próprias para banho, segundo o relatório de balneabilidade do Dmae emitido na última quinta-feira. A reportagem do Diário Gaúcho esteve nesta sexta-feira nas duas praias para verificar como estão as suas condições para receber os veranistas. 

No Lami, pela manhã, servidores do DMLU faziam a limpeza na Avenida Beira-Rio e na orla do Lami. Enquanto isso, no Belém Novo, o fiscal de trânsito Flávio Rangel Motta, 51 anos, chegava à praia com a família para preparar um entrevero e aproveitar o dia ensolarado.

– Viemos na sexta porque domingo é sempre muito lotado e não se consegue churrasqueira. Essa ali, por exemplo, está inutilizada – reclamou o fiscal de trânsito acompanhado da esposa Jocélia, 41 anos, do sobrinho Maurício Motta, 22 anos, e dos filhos Eduardo, 16 anos, Ryan, sete anos, Arthur, um ano e 11 meses e Isabelly, cinco meses.

Churrasqueiras

A queixa de Flávio não é a única. Frequentadores reclamam das más condições, ou do número insuficiente de churrasqueiras para atender os visitantes nos finais de semana. 

Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

O Diário Gaúcho circulou pelo Lami, por exemplo, e, em mais de 30 churrasqueiras, é difícil encontrar uma que esteja inteira. Por vandalismo, ou mau uso, os tijolos estão quebrados, em algumas há lixo e uma até virou floreira, tomada de mato. 

Confira como estão as condições das praias de Porto Alegre

Em Belém Novo, as churrasqueiras estão melhores, mas são poucas, além das condições do terreno, que fica alagado sempre depois que chove. Já os quiosques do Lami, em geral, estão em boas condições de uso. Comerciante próximo, Rui Gomes Prates, 50 anos, é um zelador informal da área. Ele conta que, pelo número insuficiente de churrasqueiras disponíveis, na alta temporada costuma ceder latões para quem precisar de um lugar para assar a carne.

– Um dos quiosques eu arrumei porque ia cair, não ia durar até o verão. Coloquei três carrinhos de mão de concreto. Como estou aqui na frente, ajudo a conservar – conta o morador, que pretende construir mais churrasqueiras neste verão.

A Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam) esclarece que a Divisão de Conservação e Manutenção realiza sempre no início do mês de dezembro uma ação na região da orla para recuperação e manutenção das estruturas do Lami para uso no veraneio. Garante que foi feita a recuperação das coberturas dos quiosques, churrasqueiras e pintura dos brinquedos e bancos dos playgrounds. No Belém Novo, a manutenção das churrasqueiras também foi realizada e a instalação de novas churrasqueiras está sob análise.

Comércio dividido

No Lami, a opinião do comércio se divide quanto à expectativa de público. Enquanto alguns, como o comerciante Paulo Roberto da Silva, 47 anos, reclamam da sujeira, das más condições de manutenção e da queda na procura, há quem esteja otimista. A lógica de quem está animado com o início da temporada está relacionada à crise.

– A crise não vai nos afetar. Acho que pode até ser melhor para nós. Quem ia para o Litoral Norte e não conseguirá mais, virá para cá – observa Marli Correa, proprietária de um bar no Lami desde 2009.Carlos Adams, gerente de outro restaurante, concorda:

– A crise afetou e o pessoal de classe mais humilde virá para cá.

A média de preços
– Cerveja: R$ 10 (litrão) e R$ 5 (latão)
– Refri: R$ 5 a lata
– Água mineral: R$ 3
– Xis: entre R$ 10 e R$ 12
– Pastel: R$ 5
– Picolé: R$ 2
– Sorvete: R$ 2 (casquinha) e R$ 3 (cascão)
– Prato feito: R$ 12
– Como é proibido acampar na beira das praias, a vizinhança do entorno costuma alugar espaços para barracas. Há diárias entre R$ 30 e R$ 40. 

Guaritas e acessos às praias

No Lami, há problema numa das guaritas, que não oferece condições para o salva-vidas se posicionar. Há um impasse quanto à responsabilidade de manutenção das guaritas, entre bombeiros e prefeitura.Na duas praias, há reclamação de que o acesso à água não está completamente limpo. Nas areias do Lami, há galhos, restos de madeira e outros materiais. 

Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Em Belém Novo, uma escada que leva à praia está com degraus em mau estado e cacos de vidro perto da água.A criançada que for ao Lami encontrará uma pracinha infantil com brinquedos pintados e em boas condições. A praça e a pista de skate do Belém Novo também estão em ordem.

Os banheiros, que contam com a presença de funcionários do DMLU para manutenção nos dois locais, estão funcionando. Inclusive, na área externa dos banheiros do Lami e nas árvores há uma decoração natalina de materiais recicláveis, confeccionada por moradores e funcionários da limpeza.

– Os banheiros estão bons. Já para as crianças poderia haver mais brinquedos – sugere Flávio.

As ações da prefeitura

O DMLU diz que a varrição e a remoção dos resíduos é feita a cada dois dias. A partir do início da Operação Verão, o serviço passa a ser diário. Os acessos à praia, conforme a Smam, foram roçados pelo DMLU, mas parte da região Extremo-Sul integra uma Área de Preservação Permanente (APP) e alguns tipos de vegetação não podem ser totalmente removidos, como o junco, em razão do equilíbrio com a fauna e flora local. 

Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Estas ações são realizadas durante todo o verão, assim como as podas de árvores, já que a área é de banhado e a vegetação pode crescer rapidamente, além de muitas vezes ficar oculta pelo nível da água.

Em resposta à queixa sobre lixeiras no Belém Novo, o DMLU garante que foram instalados 18 cestos coletores e irá avaliar se há necessidade de instalar outros, ou se aumentar a frequência da coleta na orla será suficiente.Sobre o alagamento na área das churrasqueiras do Belém Novo, a Smam diz que a região é de banhado, o que provoca o acúmulo de água com mais facilidade e dificulta a realização de um projeto de drenagem específico para as churrasqueiras.

Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Como chegar
– As linhas de ônibus que partem do Centro rumo às praias do Lami e Belém Novo são as seguintes: 269.3 – Praia Operação Veraneio, 269.4 – Operação Lami, 398.7 – Pinheiro/Lami/Verão e 212 – Restinga/Lami (somente Domingos e Feriados).
– Mais informações sobre transporte podem ser obtidas no site www.poatransporte.com.br ou no fone 156.
– A passagem custa R$ 3,75. 


 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros