VÍDEO: árbitro é espancado com chutes e socos em partida de futsal no Vale do Taquari  - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Violência no esporte16/12/2016 | 12h56Atualizada em 16/12/2016 | 16h20

VÍDEO: árbitro é espancado com chutes e socos em partida de futsal no Vale do Taquari 

Na noite de domingo, José Luiz Alves Vicente, 57 anos, teve duas costelas fraturadas e dois dentes quebrados

Um árbitro foi agredido por jogadores e torcedores depois de uma partida de um campeonato de futsal no Vale do Taquari. O caso ocorreu no Ginásio Municipal de Doutor Ricardo no último domingo, dia 11. José Luiz Alves Vicente, 57 anos, teve duas costelas fraturadas e dois dentes quebrados.

O jogo entre os times Arranca Toco e Arcari Vidros/Hz Esquadrias era uma das semifinais da 1ª Copa Amizade Regional de Futsal. Por volta das 22h30min, quando o árbitro deu o apito final, cerca de 20 torcedores partiram para cima de Vicente com chutes e socos. Em um vídeo gravado por um torcedor e divulgado nas redes sociais é possível ver que os outros dois árbitros tentaram impedir as agressões, sem sucesso. Mesmo quando Vicente caiu no chão, os agressores continuaram com as pancadas. A violência só terminou com a chegada da Brigada Militar. 

Na mesma noite, o árbitro foi levado de carro por um colega da arbitragem ao Hospital de Pronto-Socorro de Canoas, onde mora. Ele teve duas costelas fraturadas, a mandíbula deslocada e dois dentes quebrados. Vicente tem 35 de experiência na arbitragem. Ele registrou um boletim de ocorrência por lesão corporal na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento de Canoas e outro por injúria racial em uma delegacia de Porto Alegre. Segundo Vicente, ele foi xingado de "negro sujo", "negro ladrão" e "negro incompetente" antes das agressões começarem.

José Luiz Alves Vicente se recupera em casa das agressões. Ele teve duas costelas fraturadas e dois dentes quebrados Foto: Arquivo pessoal

Racismo

De acordo com Vicente, a confusão iniciou após a segunda expulsão da partida. Com um integrante a menos em cada time, o árbitro ouviu os xingamentos. Faltava três minutos para o Arcari levar a vitória quando o Arranca Toco, de Anta Gorda, empatou a partida, vencendo nos pênaltis. Quando o jogo terminou, a quadra foi invadida. Vicente ouviu gritarem "negro tem que apanhar mesmo".

Com base no vídeo divulgado na internet e no relato da vítima, os advogados tentarão corrigir as denúncias de lesão corporal e injúria racial registradas nas delegacias, mudando-as para tentativa de homicídio e caso de racismo. A injúria racial, explica Karla Meura, uma das advogadas, é quando apenas o indivíduo é ofendido. O entendimento dos advogados, porém, é que uma das ofensas contra Vicente atingiu todos os negros. 

— As ofensas foram motivadas por questão racial — afirma Karla.

A tentativa de homicídio, segundo o advogado Rodrigo Rollemberg Cabral, será com base na gravidade das agressões exibidas no vídeo.

— Se tu olhar o vídeo, tu vê que dão chutes no rosto e no pescoço do Vicente, enquanto ele está caído no chão — diz o advogado.

Em 35 anos orientando partidas de futebol e futsal, foi a primeira vez que Vicente viu tamanha violência. As ofensas em relação a sua cor, porém, foram ouvidas outras vezes, sem que desse importância.

Ele terá de ficar quatro meses parado, recuperando-se das agressões. Como as partidas são sua única fonte de renda, os colegas da arbitragem estão fazendo uma rifa para não deixá-lo desassistido. 

O delegado Silvio Huppes, responsável pela Polícia Civil de Doutor Ricardo, informou que dará início à investigação assim chegarem as ocorrências policiais feitas em Canoas e Porto Alegre.

Leia outras notícias


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros