Promoções generosas para imóveis novos sumiram! O negócio agora é conseguir desconto de 10% a 15% - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Economia09/01/2017 | 04h04Atualizada em 09/01/2017 | 19h51

Promoções generosas para imóveis novos sumiram! O negócio agora é conseguir desconto de 10% a 15%

Descontos passaram a ser mais pontuais porque os preços não subiram muito

Promoções generosas para imóveis novos sumiram! O negócio agora é conseguir desconto de 10% a 15% Ilustração / Gabriel Renner/Gabriel Renner
Foto: Ilustração / Gabriel Renner / Gabriel Renner

Praticamente desapareceram as promoções bombásticas de construtoras que anunciavam, até bem pouco tempo, descontos de até 40%. Conseguir um corte de 10% a 15% no preço de um imóvel novo tem sido considerado um negócio da China nas atuais condições. Conforme corretores e construtoras, os descontos passaram a ser mais pontuais, já que os preços também deixaram de subir. 

– As empresas perderam aquela "gordura" com a subida de preços nos anos anteriores, e as margens de lucro encolheram. Não sobra muito espaço para grandes descontos – analisa o corretor de imóveis Murialdo Crescencio, que administra uma página no Facebook com dicas de economia para a compra da casa.

Confira outras reportagens da série Encare a Crise

Construtoras passaram a contrapor a barganha dos clientes com outras vantagens: algumas quitam o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e arcam com custos de cartório para quem paga à vista. Outras oferecem porcelanato e acabamentos diversos quando recebem dinheiro na mão. 

– Imóvel usado ou automóvel na troca também passaram a ser bem vistos por algumas construtoras, em particular em negócios envolvendo o programa Minha Casa Minha Vida – diz Murialdo.

A facilidade nas condições de pagamento é decorrência de um ano fraco para as construtoras. Até novembro, foram vendidas 3,1 mil unidades novas em Porto Alegre, redução de quase 15% em relação ao mesmo período de 2015, conforme o Sindicato da Indústria da Construção Civil no Rio Grande do Sul (Sinduscon-RS). Com o mercado patinando, os preços praticamente estagnaram. Segundo o Índice Fipe/Zap, os valores subiram metade da inflação.

– A demora para a retomada do crescimento da economia atrapalha o mercado. Além disso, os bancos estão extremamente rígidos na análise de risco para liberar financiamento, o que impede que as vendas subam – aponta Ricardo Antunes Sessegolo, presidente do Sinduscon-RS.

Leia mais
Calendário de contas e folgas em 2017: organize-se para não entrar no vermelho no novo ano
Saiba como usar o FGTS para diminuir a prestação da casa própria

O dirigente afirma que as construtoras compensam a dificuldade de mercado com mais eficiência nas construções, o que mantém o preço estável e não abre brecha para grandes ofertas.

– Os descontos ocorrem quando a compra é na planta (antes de o imóvel ficar pronto): como o pagamento é antecipado, os preços que valeriam daqui a 30 meses são trazidos para valores à vista – explica, calculando que o desconto nesses casos pode chegar a 18%.

Nilvio e Elisabete Severo negociaram e conseguiram 10% de desconto Foto: Mariana Fontoura / Especial

O casal de aposentados Nilvio e Elisabete Severo teve sucesso na negociação para comprar um apartamento recém lançado no bairro Teresópolis, em 2016. Em busca de um local seguro e com amplo espaço de convivência, organizaram as contas para pagar à vista e tentar reduzir preços. 

– Dissemos ao corretor que só compraríamos se houvesse um bom desconto, pois há grande oferta de imóveis na cidade, e poderíamos escolher outro – diz Nilvio. 

A construtora abriu mão de 10%.

– O que sobrou foi suficiente para colocar o piso e fazer a decoração – comemora Nilvio. 

Mercado em baixa

– Conforme o Sinduscon-RS, o número de unidades novas vendidas na Capital no acumulado de 2016 até novembro foi de 3.103. É uma queda de 14,6% em relação ao mesmo período do ano anterior e o menor volume desde 2008 (último ano informado no relatório da entidade).

– Segundo o Índice Fipe/Zap, o preço médio dos imóveis em Porto Alegre subiu 3,21% de dezembro de 2015 para dezembro de 2016, quase metade da inflação no período (6,4%). Já o preço médio de locação caiu 3,39%. 

Atenção ao negociar a compra do imóvel

FINANCIADO
– Faça simulações nos sites dos bancos e avalie se as parcelas caberão no seu bolso.
– Ao comparar as taxas de diferentes bancos, observe o Custo Efetivo Total (CET), que, além do juro, inclui correção da Taxa Referencial e seguros.
– Avalie utilizar o FGTS para baixar o financiamento. O fundo tem rentabilidade baixa, e pode baratear as parcelas.

À VISTA
- Se tiver condições de pagar à vista, negocie bons descontos com construtoras e corretores.
-Fique atento às promoções que prometem 30% ou 40% de descontos. Geralmente se referem à ponta de estoque.
- Ao comprar um imóvel na planta, avalie os riscos do negócio, como atraso na obra e o risco de você perder a renda no longo prazo, quando tiver de pagar reforços nas prestações.

Fonte: Leandro Rassier, educador financeiro e diretor da LHR Investimentos, e Murialdo Crescencio, corretor de imóveis.

 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • diario_gaucho

    diario_gaucho

    Diário Gaúchohttps://t.co/Mcz6ncbKk9há 44 minutosRetweet
  • marcos17082006

    marcos17082006

    A.Marcos@diario_gaucho Ai depende porque para cobrar uma divida do maior caloteiro que Caxias do Sul teve noticia o senhor Calote Voges é impossívelhá 2 horas Retweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros