Carlos Etchichury: o assassinato da estudante em Cachoeirinha serve de alerta aos pais - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Opinião23/03/2017 | 11h53Atualizada em 23/03/2017 | 13h40

Carlos Etchichury: o assassinato da estudante em Cachoeirinha serve de alerta aos pais

Editor-chefe do Diário Gaúcho relaciona violência da colega de 12 anos com a necessidade de as crianças serem educadas com afeto e tolerância

Carlos Etchichury: o assassinato da estudante em Cachoeirinha serve de alerta aos pais  /
Foto: /

Os bastidores da morte da estudante Marta Avelhaneda Gonçalves, 14 anos, assassinada dentro da sala de aula, são desoladores. Aluna da Escola Estadual Luiz de Camões, em Cachoeirinha, a adolescente teria se desentendido com colegas nos primeiros dias do ano letivo. 

A desavença começou com discussões, avançou para um empurra-empurra até resultar em bullyng e agressão física. Uma gravata aplicada por uma criança de 12 anos (12 anos!) teria determinado a morte de Marta, conforme apurou a polícia após ouvir 22 pessoas. 

Leia mais
Polícia responsabiliza adolescente de 12 anos por morte de estudante em Cachoeirinha
Mentira de agressora prejudicou socorro a estudante morta em escola, diz delegado
VÍDEO: "Os pais tinham de ser responsabilizados", diz pai de menina morta após briga em escola

Os requintes não param aí. Médicos da Samu, que prestaram os primeiros socorros, foram induzidos ao erro durante o atendimento. Estudantes informaram que a garota, agonizando após ser sufocada por uma colega, teria caído e batido a cabeça. A desinformação dificultou o socorro e, talvez, tenha determinado a morte.

O assassinato de Marta, descrita como uma garota "doce" e "estudiosa", esfacela uma família. Como superar a perda de uma filha que sai para estudar após o almoço e, no início da noite, é devolvida aos pais dentro de um esquife? A perda, ainda mais terrível pelas circunstâncias, deixa feridas que não cicatrizam.

O que passa pela cabeça de uma criança que agride uma colega até a morte (mesmo que a intenção não fosse matar, como eu imagino que não fosse)? O episódio serve de alerta para os pais. Por mais inóspito e brutal que seja uma comunidade, o afeto dentro de casa é determinante na vida de um ser humano. 

A cultura da violência, seja física ou verbal, deve ser combatida todos os dias. Pais amorosos, que resolvem conflitos familiares com diálogo, dificilmente viverão a terrível experiência de ver um filho implicado em um homicídio. Criança educada com afeto e tolerância distribui afeto e tolerância mundo afora. O mal deve ser combatido na origem. Antes que seja tarde.


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros