Greve geral: veja o que pode parar na sexta-feira (28) no RS - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Fique atento26/04/2017 | 13h52Atualizada em 28/06/2017 | 18h56

Greve geral: veja o que pode parar na sexta-feira (28) no RS

Centrais sindicais preparam manifestações em Porto Alegre e no Interior e prometem parar trens e ônibus e paralisar rodovias

Greve geral: veja o que pode parar na sexta-feira (28) no RS Félix Zucco / ZH/ZH
Sindicalistas prometem bloquear saída de veículos das garagens Foto: Félix Zucco / ZH / ZH
Zero Hora
Zero Hora

Esclarecimento: esta notícia diz respeito aos serviços afetados pela greve geral convocada para o dia 28 de abril de 2017. Confira aqui as informações relativas à greve convocada para 30 de junho de 2017.

Confira a seguir que serviços e setores, no Rio Grande do Sul, podem sofrer algum tipo de restrição na greve geral prevista para esta sexta-feira, 28 de abril de 2017, e quais são os principais atos planejados pelas centrais sindicais em Porto Alegre.

1) Trens

- O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários e Conexas do Estado (Sindimetrô-RS) decidiu que haverá paralisação na Trensurb por 24 horas.
- A intenção da entidade é que nenhum veículo circule na sexta-feira, a partir da 0h.
- A Trensurb ingressou com medida cautelar no Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região para garantir operação. 
- No fim da tarde, a Justiça determinou o funcionamento de 50% dos trens nos horários de pico nesta sexta-feira.

Leia mais:
Centrais sindicais prometem parar trens e ônibus no RS
Federação das indústrias do RS critica "grevismo de minorias"
Governo teme que manifestações do dia 28 contaminem reformas 

2) Ônibus

- Integrantes das centrais sindicais e do Sindicato dos Rodoviários de Porto Alegre planejam concentração em frente às garagens de empresas de ônibus que operam na Capital e Região Metropolitana, entre elas Carris e Trevo, para impedir a saída de veículos a partir da madrugada.
- A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) decidiu colocar 200 agentes nas ruas ao amanhecer. Equipes vão acompanhar a movimentação nas garagens, com apoio da BM. A EPTC também autorizou o transporte de passageiros em pé em lotações.
- Na noite desta quinta-feira, A Justiça deferiu liminar que obriga as empresas de ônibus de Porto Alegre a garantir pelo menos 30% da frota em circulação no horário normal e 50% no horário de pico — 5h30min às 8h30min, e das 17h às 20h — nesta sexta-feira.
- A circulação de ônibus intermunicipais chegou a ser suspensa pelo Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), mas a decisão foi revista pelo governo.

3) Aeroportos

- Pilotos e comissários de voo decidiram, em assembleia nesta quinta-feira, não fazer greve e encerrar movimentações para qualquer tipo de paralisação próxima, informa o Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA).
- O Sindicato dos Aeroviários da Capital convocou a categoria a aderir à greve.
- As principais companhias aéreas brasileiras já estão oferecendo a possibilidade de remarcação de passagens que estavam previstas para esta sexta-feira (28) sem custos.

4) Bancos

- O Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região (SindBancários) decidiu, em assembleia no dia 18, que não haverá expediente em agências da Capital e de outros 15 municípios. A mobilização dependerá da adesão dos funcionários de banco.

5) Escolas e universidades

Rede estadual

- O Cpers-Sindicato decidiu, no conselho geral, que não haverá aula nas escolas estaduais na sexta-feira, mas isso dependerá da mobilização dos professores.
- Nas últimas greves anunciadas pela entidade, a adesão foi restrita.

Rede municipal

- Sindicatos vinculados a professores e funcionários de escolas municipais em cidades como Porto Alegre e Canoas decidiram pela adesão à greve.
- Como no caso do Cpers, paralisações dependerão do nível de mobilização dos professores.

Rede privada

- O Sindicato dos Professores do Ensino Privado do RS (Sinpro) fez consulta por e-mail e 74,6% dos 2 mil docentes que responderam à enquete (10% dos sócios) confirmaram a intenção de parar. A decisão depende de cada escola.
- O Sindicato do Ensino Privado (Sinepe-RS) publicou nota em seu site orientando "que as instituições de ensino avaliem as condições de sua localidade para decidir sobre o seu funcionamento ou não". Das 57 instituições consultadas até as 10h desta quinta-feira, 22 não terão aulas. Outras duas informaram direto aos pais que não terão aulas. Veja a lista.
- A entidade enfatizou "o compromisso com o cumprimento do calendário escolar e dos dias letivos".

Ensino Superior

- Estão previstas paralisações e atos em instituições como a Universidade Estadual do RS (Uergs) e a Universidade de Passo Fundo (UPF).
- O Sindicato dos Técnico-Administrativos da UFRGS, da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) convocou a categoria a aderir.
- A Associação de Docentes da UFRGS (ADUFRGS) também decidiu apoiar a greve. 

6) Rodovias

- Estão previstos protestos em várias rodovias no Estado. A Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar do RS (Fetraf-RS) terá acampamentos às margens de estradas em municípios como Sarandi (BR-386), Lagoa Vermelha (BR-285), São Lourenço do Sul (BR-116), Antônio Prado (RS-122) e Fontoura Xavier (BR-386).
- A BM e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) preparam esquema especial para monitorar as manifestações e garantir a circulação nas estradas.

7) Portos

Há previsão de fechamento do terminal de contêineres do porto de Rio Grande, administrado pela Tecon, entre as 7h e as 19h de sexta-feira.

8) Servidores públicos

- As principais entidades de classe que representam servidores públicos no RS apoiam a greve e convocaram as categorias a aderir, entre elas o Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) e a Federação Sindical dos Servidores Públicos do Estado (Fessergs).
- A prefeitura de Porto Alegre fez parceria com o Cabify para dar desconto de R$ 15 em duas corridas (ida e volta) aos servidores municipais e, assim, garantir locomoção para quem quiser trabalhar nesta sexta.

9) Comércio

- O Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre, por meio de nota, orienta os comerciários a aderirem à paralisação.
- Já o Sindicato dos Lojistas do Comércio de Porto Alegre e a Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo divulgaram notas com posição contrária, aconselhando os comerciantes a abrirem seus estabelecimentos e trabalharem normalmente. A adesão ou não à greve dependerá de cada um.
- O Zaffari informou, por meio de nota, que "está preparado e fará o possível para operar normalmente nesta sexta-feira. Porém, o funcionamento de cada loja será avaliado no transcorrer do dia".

10) Justiça do trabalho

- A Justiça do Trabalho da 4ª Região (RS) suspenderá o expediente interno e externo de suas unidades administrativas e judiciárias, de primeiro e segundo grau.
- Também estão suspensas na data a realização de audiências e sessões e os prazos processuais e regimentais.
- Os prazos que venceriam nessa data ficam prorrogados para o primeiro dia útil seguinte. As medidas judiciais urgentes serão atendidas em regime de plantão. 

11) Ponte do Guaíba

- Segundo a Concepa, a previsão é de que içamentos da ponte do Guaíba ocorram de forma normal.

- Centrais sindicais preparam protesto no local na parte da manhã. O horário não foi divulgado.

Principais atos previstos em Porto Alegre

- Durante a madrugada e o início da manhã, estão previstos atos em frente às garagens de ônibus e também nos acessos à cidade, com distribuição de panfletos e caminhadas.
- Às 10h, está previsto ato em frente à Faculdade de Educação da UFRGS, no centro da Capital.
- Às 10h30min, a Associação dos Juízes do RS (Ajuris) promoverá ato com magistrados, promotores, defensores, procuradores e profissionais de outras categorias ligadas à Justiça em frente ao prédio do Foro Trabalhista de Porto Alegre (na Avenida Praia de Belas, 1.432). 
- A partir do fim da manhã, haverá concentração na Esquina Democrática, no Centro, para ato com as centrais sindicais no Largo Glênio Peres.

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros