Sem limpeza há dois anos, terreno baldio em Alvorada vira depósito irregular de lixo - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Seu problema é nosso03/04/2017 | 08h17Atualizada em 03/04/2017 | 10h14

Sem limpeza há dois anos, terreno baldio em Alvorada vira depósito irregular de lixo

Prefeitura garantiu verificar a situação até quarta-feira

Sem limpeza há dois anos, terreno baldio em Alvorada vira depósito irregular de lixo Arquivo Pessoal/Leitor/DG
Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

Há mais de dois anos, moradores da Rua Alfredo da Rocha, em Alvorada, têm de conviver com um vizinho indesejado: um lixão. O terreno baldio, no Bairro Bela Vista, começou a servir de depósito para galhos de árvores, móveis e eletrodomésticos usados, peças de carro e animais mortos.

O problema existe, pelo menos, desde janeiro de 2015. Moradora da rua, a recrutadora de uma empresa de Recursos Humanos Jéssica Almeida, 24 anos, lembra a data por um motivo nada feliz.

Leia mais notícias da seção Seu Problema é Nosso!

— Em novembro de 2015, houve um incêndio nesse lixão. Os moradores tiveram que correr para controlar o fogo, pois ia passar para casas próximas. E o mato já estava bem grande naquela época, além do lixo espalhado, por isso calculamos que desde janeiro de 2015 a situação já esta neste ritmo — recorda.

Responsabilidade

Além dela, outros vizinhos também reclamam do problema e já tentaram buscar ajuda junto à prefeitura. A resposta da administração, segundo os moradores, é padrão: a responsabilidade pela limpeza é do dono do terreno. A questão é que o lixo está invadindo a calçada, e em alguns casos chega até a rua.

— Tem dias em que amanhece uma geladeira, um roupeiro ou outro móvel qualquer jogado no meio da rua. Alguns vizinhos também jogam galhos de árvores e até lixo, mas esses objetos maiores, a gente não sabe de onde surgem — explica a jovem.

O terreno abriga árvores que estendem seus galhos sobre as casas próximas. Isso gera outra responsabilidade para esses moradores, que é pagar alguém para cortar os galhos. Jéssica conta que a dona do terreno tenta vender a propriedade há algum tempo. E, por isso, não faz a limpeza do local.

— Na primeira vez que pagamos alguém para cortar os galhos, tinha até uma "barraca" montada no meio do lixo, alguém estava morando ali. Várias vezes ouvimos barulhos e conversas à noite — conta a moradora do Bairro Bela Vista.

Leia mais
"Espero que não falte mais", diz idosa que recebeu alimento especial após dois meses de atraso
Colostomizado, idoso da Capital sofre com a falta de medicamento que não recebe há seis meses
Contemplada pelo Orçamento Participativo em 2010, avenida de Viamão ainda não foi asfaltada

Prefeitura vai limpar parte da sujeira

Procurada pela reportagem, a Secretaria de Obras e Viação (Smov) de Alvorada emitiu uma nota sobre o assunto. No texto, a pasta garante que até a próxima quarta-feira será realizada a limpeza dos galhos e do lixo que invadiram a calçada.

Quanto aos resíduos localizados dentro do terreno, o órgão afirmou que será realizada uma fiscalização para apurar a responsabilidade da proprietária nessa situação.


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros