Moradora da Restinga espera conserto de lâmpadas há um ano - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Seu problema é nosso08/08/2017 | 11h06Atualizada em 08/08/2017 | 11h06

Moradora da Restinga espera conserto de lâmpadas há um ano

Para evitar correr riscos graças à escuridão que chega com o início da noite, Neiva fecha seu armazém mais cedo

Moradora da Restinga espera conserto de lâmpadas há um ano Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Em função da falta de iluminação, Neiva conta que, quando escurece, o local fica deserto Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

Há um ano, a comerciante Neiva Angelita Viegas Barbosa, 44 anos, aguarda pelo troca de lâmpadas em seis postes do local onde mora, no Bairro Restinga, Zona Sul de Porto Alegre. 

Dona de um pequeno armazém na esquina da Rua Silvio Sirângelo com a Alameda N, Neiva já perdeu as contas de quantas vezes entrou em contato com a prefeitura para pedir que o serviço fosse realizado. 

Leia mais
Depois de sofrer cinco AVCs, homem não consegue receber remédios
Bebê fica sem fisioterapia, e família não consegue custear tratamento
Criança precisa de doações para realizar cirurgia

— As lâmpadas dos postes estão todas apagadas, gerando insegurança e prejudicando meu negócio, mas a taxa de iluminação pública continua vindo todo mês na conta de luz — desabafa a moradora. 

Em função da falta de iluminação, Neiva conta que, quando escurece, o local fica deserto. Ao lado do comércio, uma casa abandonada e alguns terrenos baldios deixam o local ainda mais perigoso. Inclusive já ocorreram assaltos na região. 

Para evitar correr riscos graças à escuridão que chega com o início da noite, Neiva fecha seu armazém mais cedo. 

— Tem dias que fecho antes das 19h, porque fica uma escuridão e as pessoas têm medo de passar por aqui em razão disso — conta. 

Sem solução 

Quando as lâmpadas começaram a apresentar falhas, nesta mesma época no ano passado, Neiva logo entrou em contato com a prefeitura pelo telefone 156 e registrou reclamações sobre o problema. Ela lembra que, naquela ocasião, já havia relatado a situação ao Diário Gaúcho, e o caso foi registrado na seção Pede- se Providências. 

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso

Entretanto, um ano depois, ninguém da prefeitura apareceu ainda para tentar resolver a questão e devolver a tranquilidade aos moradores. Enquanto isso, a comerciante segue dependendo da luz do sol para iluminar a rua onde mora. 

Prefeitura faz promessa de conserto imediato 

A assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SMSUrb) esclareceu, por meio de nota, que a Divisão de Iluminação Pública (DIP) havia programado, ainda para o fim da tarde de ontem, uma vistoria na Rua Silvio Sirângelo e na Alameda N. 

De acordo com o órgão, se fossem constatados problemas na iluminação, a manutenção seria imediata. A secretaria esclareceu que outros pontos que correspondem à 1 ª Unidade da Restinga também iriam receber vistorias e manutenções programados pela DIP. 

*Produção: Alberi Neto


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros