Quatro promessas adiadas e duas desistências nas sete Upas em construção na Região Metropolitana - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Urgência e emergência15/08/2017 | 11h16Atualizada em 15/08/2017 | 11h16

Quatro promessas adiadas e duas desistências nas sete Upas em construção na Região Metropolitana

Burocracia e impasse para custeio retardam inaugurações na Região Metropolitana. Só uma unidade de urgência e emergência abriu em 2017

Quatro promessas adiadas e duas desistências nas sete Upas em construção na Região Metropolitana Omar Freitas/Agencia RBS
Em Guaíba, obra está parada desde 2015 Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Das sete Unidades de Pronto-Atendimento (Upas) que estavam em construção em janeiro deste ano, última vez em que o Diário Gaúcho verificou o andamento das obras das estruturas de atendimento de urgência e emergência nas cidades da Região Metropolitana, apenas uma foi inaugurada no período de oito meses: Gravataí, que ganhou sua primeira unidade em fevereiro. Quatro promessas foram mais uma vez adiadas – em Alvorada, Cachoeirinha, Novo Hamburgo e a segunda Upa de Gravataí – e, o que é pior: duas cidades – Guaíba e Esteio – poderão ficar sem suas unidades por desistência das prefeituras.

Em Guaíba, a prefeitura conclui o trâmite burocrático solicitado pelo Ministério da Saúde para devolver R$ 1,4 milhão usados na obra do prédio que fica ao lado do atual Pronto-Atendimento. A empresa que construiu 50% do prédio não cumpriu o cronograma, o contrato foi rescindido e foi aplicada multa. A obra está parada desde 2015. Com a posse do prédio, a meta é abrir um centro de especialidades até 2020. 

Leia mais:
Placar das UPAs: das dez unidades prometidas, apenas duas foram entregues
Upas na Região Metropolitana de Porto Alegre estão com obras atrasadas
Com obras concluídas, Upas não são inauguradas por falta de equipamentos

Embora seja uma decisão que a prefeitura já admitia desde janeiro – reforçando que o PA é suficiente para atender os serviços de urgência e emergência da cidade –, a desistência da obra surpreende moradores que ainda enxergam a necessidade de uma estrutura maior que a atual.

Para a dona de casa Jane Luisa da Silva, 52 anos, o serviço precisa melhorar. Com dores na cintura, chegou às 9h de ontem no PA e saiu às 15h. Sem medicamento e sem pedidos de exames:

— Aqui está sempre cheio, corredores cheios e só tem um médico. Com essa Upa em construção, a gente tinha esperança que ia melhorar. Precisamos de mais médicos, mais funcionários para nos atender. Cheguei e não tinha nem copo para tomar água.

Jane chegou no Pronto-Atendimento às 9h e saiu só às 15h: "a gente tinha esperança que ia melhorar" Foto: Omar Freitas / Agencia RBS


Vizinha da Upa, a representante comercial Vera Elói Mansque, 52 anos, já levou crianças ao local e não encontrou pediatra:

— Precisamos urgentemente de mais um pronto-socorro. Falta tudo nesse PA.
Quando a obra estava andando, ficamos cheio de esperança.

Com fácil acesso, o esqueleto do prédio que seria destinado à Upa de Guaíba tem atraído usuários de drogas e moradores de rua. Ao visitar o espaço ontem, a reportagem encontrou garrafas, roupas e muito lixo espalhado pelo prédio, onde o mato já está crescendo. Parte do forro foi destruída e pedaços da fiação elétrica foram levados.

Moradores de rua e usuários de drogas já depredaram parte do prédio Foto: Omar Freitas / Agencia RBS


Proprietário de uma mecânica em frente ao prédio, Leandro Pinhatti, 47 anos, conta que vê pessoas pulando a cerca com frequência.

— É uma vergonha isso aqui, foi dinheiro colocado fora. O Ministério da Saúde confirmou que Guaíba solicitou cancelamento de construção da Upa e que aguarda a documentação necessária para encerramento do processo e publicação de portaria para transferência do prédio ao município.

Construção está 51% concluída Foto: Omar Freitas / Agencia RBS


Esteio: "Não temos público para duas emergências funcionando", diz secretário

Esteio está em situação semelhante. Na cidade, o prédio está concluído, chegou a ser inaugurado em dezembro do ano passado pela administração anterior, mas não deve entrar em funcionamento.

A prefeitura diz que precisa optar entre a emergência do Hospital São Camilo ou o funcionamento da Upa. O secretário de Saúde, Gerson Cutruneo, explica que não há equipamentos, orçamento nem previsão orçamentária para o funcionamento de uma nova estrutura:

— Fomos a Brasília e oferecemos a possibilidade de a Upa abrir como um posto de saúde com horário avançado (das 8h ao meio-dia e das 17h às 21h). Nos foi dito que não há como abrir neste formato. Neste caso, ou devolvemos o dinheiro ou abrimos de uma única vez.

Ele argumenta, porém, que o valor a ser devolvido, de R$ 1,05 milhão, é quase o valor que a estrutura custaria por mês ao município.

— Não temos público (em Esteio) para duas emergências funcionando 24 horas.

Gravataí: primeira Upa faz 5 mil atendimentos por mês

Aberta desde fevereiro, a Upa de Gravataí, localizada no Bairro Cohab, funciona com 50% da capacidade e, mesmo assim, registra 5 mil atendimentos por mês. A unidade conta com mais de 80 profissionais durante os plantões de urgência e emergência.

Com atendimento de clínica geral, faz o serviço intermediário entre a atenção básica e a de média e alta complexidades. Casos de urgência e emergência são estabilizados em até 24 horas, retornando para acompanhamento em unidades de saúde, ou são encaminhados aos hospitais, quando mais graves.

Com custo mensal de R$ 600 mil, a estrutura é bancada exclusivamente pela prefeitura. Uma segunda unidade, na região das Moradas do Vale, está quase 70% concluída. Chegou a ser prevista para o segundo semestre deste ano, mas a prefeitura tem agora novo prazo: março do ano que vem. 

Quatro promessas não cumpridas

Além da segunda Upa de Gravataí, as cidades de Alvorada, Cachoeirinha e Novo Hamburgo não cumpriram com as promessas feitas à reportagem no começo do ano. Em Alvorada, onde a prefeitura previa inauguração em março, nada andou. Pronto desde 2015, o prédio continua sem previsão de abertura.

A secretária de Saúde de Alvorada, Neusa Abruzzi, diz que também tentará abrir a estrutura gradativamente – 16 horas por dia ao invés de 24. Proposta foi encaminhada ao Ministério de Saúde e o município aguarda resposta. Ao DG, o ministério informou que ainda está avaliando a proposta.

Em Cachoeirinha, a obra, 67% pronta, está parada pois a prefeitura abriu uma licitação para contratar uma nova empresa. Em Novo Hamburgo, é a instalação do raio X que impede a conclusão total do prédio, que está desde janeiro 90% concluído. A previsão de inauguração, que antes era de abril, agora foi alterada para até o final do ano. 

Leia mais notícias do dia

A situação de cada uma das unidades:

ALVORADA
Promessa em janeiro/2017: inauguração em março de 2017. Obra concluída desde 2015.
Hoje: a prefeitura encaminhou proposta para o Ministério da Saúde para abertura gradual. O cronograma prevê abrir, inicialmente, 16 horas por dia com serviços parciais e em 2019, 24 horas. Para este ano, não há previsão orçamentária de abrir a obra a pleno. 

CACHOEIRINHA
Em janeiro/2017: inauguração em agosto de 2017. Obra 67% pronta e parada desde maio de 2016.
Hoje: a prefeitura precisou reincidir contrato com empresa por descumprimento de prazos. Uma nova licitação está aberta e deve ter empresa definida até semana que vem. A meta é inaugurar a Upa em março do que vem. A previsão de custeio mensal é de R$ 900 mil. 

ESTEIO
Em janeiro/2017: prédio concluído. Novo governo pedia cem dias para fazer levantamento do custo operacional da Upa. Sem previsão de inauguração.

Hoje: em julho, a prefeitura foi a Brasília para levar a possibilidade da Upa abrir como um posto de saúde com horário avançado. O Ministério da Saúde não aceitou este formato. Neste caso, cabe a prefeitura decidir se abre no formato 24 horas ou devolve o dinheiro investido no prédio em uma única vez.

GRAVATAÍ UPA 1
Em janeiro/2017:
95% da obra pronta, com promessa de inaugurar em março de 2017.
Hoje: inaugurada desde fevereiro, faz 5 mil atendimentos por mês. Funciona com 50% da capacidade e é custeada apenas pela prefeitura.

GRAVATAÍ UPA 2
Em janeiro/2017:
47% da obra pronta, promessa era de entrar em funcionamento no segundo semestre de 2017.
Hoje: aproximadamente 70% da obra está pronta. Previsão é inaugurar em março de 2018. 

GUAÍBA
Em janeiro/2017:
obra 50% está parada desde 2015. Prefeitura anunciou que iria desistir da obra e devolver R$ 1,4 milhão.
Hoje: prefeitura está concluindo etapas solicitadas pelo Ministério da Saúde para que seja efetivada a transferência do prédio para o município. Objetivo é abrir um Centro de Especialidades no local, até 2020.

NOVO HAMBURGO
Em janeiro/2017:
prédio 90% concluído, com inauguração prevista para abril. Hoje: falta apenas a instalação do aparelho de raio X. Prefeitura espera inaugurar até o final deste ano. 

Unidades em funcionamento na Região Metropolitana

São Leopoldo:
inaugurada em abril de 2016, funciona hoje com 70% da capacidade. Prefeitura espera aumento, já pactuado, dos repasses da União e do Estado para abrir a Sala Vermelha e os serviços odontológicos.

Sapucaia do Sul:
inaugurada em setembro de 2016, é custeada apenas com recursos do município. Ainda em agosto, deve ser habilitada para receber recursos do Governo Federal. Atualmente, atende 80% da sua capacidade. No momento, não tem raio X.

Viamão:
inaugurada em dezembro de 2015, é a única que funciona com totalidade da sua capacidade, embora, neste momento, esteja com o raio X estragado. A partir do próximo mês, deve começar a receber recursos federais. 


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros