Vovó e netinhos buscam ajuda para construir uma sede própria para entidade beneficente - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Solidariedade16/08/2017 | 07h00Atualizada em 16/08/2017 | 07h00

Vovó e netinhos buscam ajuda para construir uma sede própria para entidade beneficente

Atuando há mais de 30 anos na Zona Norte de Porto Alegre, instituição lança campanha na internet para arrecadar dinheiro para a construção

Vovó e netinhos buscam ajuda para construir uma sede própria para entidade beneficente Mateus Bruxel/Agencia RBS
Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Para deixar de atuar nas dependências de um antigo bar na Vila Valneri Antunes, Bairro Mario Quintana, em Porto Alegre, a Associação Beneficente Casa da Vovó e Netinhos (ABC) precisa de muitas mãos. Criado há 32 anos, o projeto destinado a crianças e adolescentes carentes de uma das regiões mais violentas da cidade atende numa sala, alugada por R$ 300 mensais (entre energia elétrica, água e aluguel). Agora, a entidade lançou uma ação num site de financiamento coletivo — uma vaquinha na internet — na tentativa de arrecadar o valor que considera necessário para erguer as instalações. 

O terreno já existe e foi doado há quase dois anos, depois de uma reportagem publicada no Diário Gaúcho que mostrou o trabalho da entidade idealizada pela metalúrgica aposentada Maria Mercedes de Paula, 63 anos. No antigo bolicho, cerca de 40 crianças recebem auxílio para melhorarem no português, na matemática e no inglês, no horário inverso ao da escola. Uma biblioteca com mais de 100 livros, formada a partir de doações, auxilia no aprendizado. Mães e avós participam de atividades que vão de oficinas de costura e artesanato a palestras gratuitas dos mais diversos temas. E, aos sábados, 25 jovens participam das aulas de futebol no campinho da vila. Para manter as atividades, a ABC conta com doações e o lucro do brechó feito uma vez por mês no prédio onde hoje funciona a entidade. 

— Comecei modestamente, mas sempre com o sonho de deixar um legado para as próximas gerações. Não é nada para mim. É para eles — afirma Maria Mercedes, enquanto aponta, emocionada, para os pequenos dispostos nas três mesas da sala de aula improvisada. 

Por duas décadas, o projeto funcionou numa igreja da própria comunidade. Depois do fim da parceria, restou alugar o espaço antes destinado a um bar e pertencente a um familiar dela. 

No sonho de Maria Mercedes, a nova sede da entidade terá aulas de informática e espaço para teatro, dança e outras expressões culturais, além do que considera fundamental para manter as portas abertas: o amor dos voluntários. A Associação, que comemora nesta semana um ano com CNPJ, precisa arrecadar mais de R$ 300 mil. Na campanha da internet, o prazo para apoiar vai até 15 de novembro deste ano. Até ontem, havia sido arrecadado apenas R$ 710.

— Sei que é muito difícil conseguirmos a quantia toda, mas o que recebermos já ajudará a manter a vontade viva. Não vamos desistir — garante a idealizadora.

Terceira geração de assistidos

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Maria Mercedes tem motivos para seguir acreditando. As irmãs Stéfani e Natália Correa, de 11 e 13 anos, respectivamente, frequentadoras das atividades há quatro anos, são um deles. Foi no projeto social que ambas passaram a gostar de estudar. Ajudante deste semestre — uma espécie de auxiliar de Maria Mercedes nas tarefas de aula — Stéfani mudou, inclusive, o comportamento na escola onde estuda. 

— Depois que virei a secretária da turma, percebi como eu fazia bagunça. Não parava quieta. Agora, estou mais concentrada. Na escola, só tiro 10 em matemática — conta a estudante do sexto ano, que sonha ser engenheira civil. 

Natália, aluna do sétimo ano, descobriu na Associação que matemática e português não são disciplinas ruins. A menina, cujas notas eram abaixo de 6 em ambas, melhorou o aproveitamento no colégio e já pensa em ser professora.

Feliz de estar na terceira geração de assistidos, Maria Mercedes acredita na força da solidariedade e comemora quando um ex-aluno, hoje adulto, volta para agradecer o auxílio dado na infância. Quase silenciosamente, a aposentada vem transformando o caminho de quem passa pela sala de madeira localizada na Rua 7 da Vila Valneri Antunes.

Para ajudar na vaquinha online

/// Pelo site: www.catarse.me/projetonossacasa

/// Contatos com a entidade: fones (51) 99231-6973, (51) 98210-6445 e (51) 98505-1351 e www.facebook.com/clubedavovoenetinhos


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros