Flautista da Lomba do Pinheiro se forma na Ufrgs e vira professor - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Porto Alegre12/09/2017 | 08h00Atualizada em 12/09/2017 | 08h00

Flautista da Lomba do Pinheiro se forma na Ufrgs e vira professor

Graças a projeto de escola de música, jovem tornou-se o primeiro da família a ingressar na Universidade Federal e hoje dá aulas do instrumento

Flautista da Lomba do Pinheiro se forma na Ufrgs e vira professor Mateus Bruxel/Agencia RBS
Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Quando cruzou pela primeira vez os portões do Instituto Popular de Arte-Educação (Ipdae), aos 11 anos, Rafael Marques só queria retirar um livro na biblioteca da instituição localizada na Parada 18 do bairro Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre. Encantou-se com as contações de história do grupo formado no projeto, com a possibilidade de passar horas lendo e com os acordes de clássicos da MPB e da música erudita. Ao contrário do que imaginava, acabou ficando. Hoje, aos 24 anos, Rafael é bacharel em Música, especializado em flauta transversa, e professor de Teoria e Percepção Musical no próprio Ipdae. 

– Mesmo não tendo nenhuma intimidade com a música, foi muito natural o processo de seguir estudando no Instituto. Sentia como se fosse minha segunda casa – conta Rafael. 

Morador da Parada 25, Rafael passou a frequentar as aulas de flauta doce, prática que aprendeu durante um ano. Depois, optou pelo som da transversa e nunca mais a deixou. Inclusive, levava o instrumento para casa e ensaiava nas poucas horas vagas. Fez da música uma companheira inseparável. 

– Minha família, apesar de estar acostumada a ouvir samba e pagode, não estranhou o meu estilo. Pelo contrário, sem eles eu jamais teria conseguido. O apoio da minha mãe, da minha avó materna e dos meus tios sempre foi fundamental – garante. 

Longe de casa, Rafael perdeu a conta das vezes que ouviu piadas e sentiu a desconfiança de quem achava a atividade apenas um hooby e não uma profissão.

– Sempre ouvi os famosos "música não dá dinheiro" e "tu faz música e no que trabalha?", mas nunca dei bola. Este tipo de atitude só me motivou ainda mais a seguir – revela. 

Voo solo

Em 2012, aos 17 anos, Rafael teve o que considera ter sido o melhor momento da vida até agora: venceu o concurso Jovens Solistas e se apresentou sozinho à frente da Orquestra de Câmara Fundarte, na série de concertos Catedrais. 

— Foi um período inesquecível. Ensaiei durante semanas com a orquestra e fiz aquela apresentação que até hoje está na minha memória. Solar em frente à uma orquestra é algo inexplicável. Ali, percebi que jamais deixaria a flauta — recorda, emocionado. 

Primeiro da família a ingressar na Ufrgs, Rafael teve a experiência musical reconhecida ao ser selecionado para a monitoria na faculdade de Música. No ano passado, no último ano do curso, ele conquistou o prêmio de Melhor Jovem Flautista do Estado, durante o sétimo Encontro Internacional de Flautistas. Enquanto cursava o ensino superior, o jovem começou a tocar na Orquestra de Sopro Eintracht de Campo Bom — onde segue até hoje. 

Respirando música

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 17-05-2017: O ex-aluno do Instituto Popular de Arte-Educação (Ipdae) e bacharel em flauta transversa Rafael Marques durante aula no instituto como professor. Em 2016, durante o festival internacional de flaustistas, ele conquistou o prêmio de melhor jovem flautista. (Foto: Mateus Bruxel / Agência RBS)
Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Mesmo depois de oito anos como aluno do Ipdae, ele jamais deixou a instituição. Formado, encontrou horários para fazer parte das orquestras de câmara e de flautas transversas do Instituto. Há dois anos, a partir de um convite da direção, Rafael voltou às salas de aula do Ipdae como professor. Neste período, já lecionou para mais de 200 estudantes. 

— Me sinto honrado em levar adiante o nome da Instituição. Ao mesmo tempo, é um peso enorme carregar esta responsabilidade. Por isso, vou seguir me aperfeiçoando para dar o meu melhor aos meus alunos — afirma, determinado. 

Engana-se quem pensa que estas são as únicas atividades de Rafael ligadas à música. Para reforçar a paixão por Johann Sebastian Bach, Richard Wagner e todos compositores franceses eruditos, já que o jovem não gosta de dizer que admira apenas um músico, ele ainda encontra tempo para lecionar num projeto social em Alvorada e dar aulas particulares. Rafael respira música. 

Contatos com o Ipdae

/// Avenida João de Oliveira Remião, 7.193, Parada 18, bairro Lomba do Pinheiro 

/// Telefone (51) 3336-3713

/// Saiba mais sobre o projeto em www.ipdae.com.br



 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros