Banco irá devolver valores cobrados por emissão de boletos em financiamentos - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Direito do consumidor11/10/2017 | 19h03Atualizada em 11/10/2017 | 19h03

Banco irá devolver valores cobrados por emissão de boletos em financiamentos

Caso haja negativa da instituição em fazer o pagamento por via administrativa, cliente poderá buscar a Justiça

Banco irá devolver valores cobrados por emissão de boletos em financiamentos Carlos Macedo/Especial
Foto: Carlos Macedo / Especial

Valores cobrados pelo Banco Fiat para emissão de boletos, tarifa administrativa ou outras cobranças não previstas nos contratos terão de ser devolvidos aos consumidores do Rio Grande do Sul que fizeram financiamento com o banco até 30 de abril de 2008. Conforme decisão da Justiça, acolhida pela instituição financeira (hoje pertencente ao Banco Itaú Unibanco), os valores serão devolvidos com correção pelo IGPM e adicional de 1% ao mês. O Itaú informa que os clientes nessa situação poderão pedir a devolução pelo Serviço de Atendimento ao Cliente do Itaú (SAC), no telefone 0800-728-0728. Será solicitada a apresentação dos comprovantes de pagamento. 

Leia mais
Imposto de Renda: Receita Federal libera consulta ao quinto lote
Quais os direitos do consumidor que teve bens danificados e ficou sem energia depois do temporal
Produto vencido nas prateleiras dá direito a outro de graça; veja como trocar

A decisão da Justiça, em ação coletiva ajuizada pelo Instituto de Defesa do Consumidor de Crédito na 15ª Vara Cível de Porto Alegre,  segue uma jurisprudência que tem considerado ilegal a cobrança por taxa de emissão de boleto (que costuma ser de R$ 3,90 por mês, junto com a prestação), assim como taxas de abertura de crédito ou análise de cadastro para financiamento, explica o advogado Mauricio Lewkowicz, especializado em Direito do Consumidor. A ação trata de qualquer tipo de contrato de financiamento automotivo, seja em carro zero ou usado. O banco publicou comunicado em jornais nesta semana anunciando acolhimento de parte da ação. 

— Os valores devem ser buscados, inicialmente, pela via administrativa, e caso haja negativa do banco em fazer o pagamento, é o caso de buscar os valores judicialmente, tendo em mãos os contratos e comprovantes de pagamentos — esclarece Lewkowicz.

Previsão no contrato

O advogado afirma que o banco é obrigado a fornecer ao cliente a informação sobre qual valor ele tem a receber. Mas o consumidor pode ter uma ideia de quanto teria a receber consultando seu antigo contrato e os comprovantes de pagamento das taxas de boleto (incluídas nas parcelas) e então multiplicando pelos juros mensais até o dia de hoje. 

Conforme o Itaú, em posicionamento enviado à reportagem, "a tarifa de emissão de boleto cobrada pelo Banco Fiat, enquanto vigente, possuía respaldo no contrato celebrado com os consumidores. A decisão judicial restringe a devolução na hipótese de cobrança sem previsão contratual". O banco não informou o número de gaúchos que podem ter direito a receber os valores. 

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros