Estão abertas as inscrições para vagas gratuitas na educação infantil: saiba onde e como se inscrever - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Ensino 27/10/2017 | 07h00Atualizada em 27/10/2017 | 14h54

Estão abertas as inscrições para vagas gratuitas na educação infantil: saiba onde e como se inscrever

Em Porto Alegre, prazo vai até 17 de novembro, diretamente nas escolas das redes municipal ou comunitária. A lista de contemplados sai no dia 13 de dezembro,

Estão abertas as inscrições para vagas gratuitas na educação infantil: saiba onde e como se inscrever Anderson Fetter/Agencia RBS
Carlene (D) sonha em poder trabalhar com a tranquilidade de saber que a filha Alice está na escola Foto: Anderson Fetter / Agencia RBS

Quem tem filho pequeno e depende de escola pública já pode se inscrever para as novas vagas gratuitas de educação infantil abertas pela Secretaria Municipal de Educação (Smed) de Porto Alegre para o ano letivo de 2018, destinadas a crianças de zero a cinco anos. O prazo de inscrições vai até 17 de novembro, diretamente nas escolas das redes municipal ou comunitária. A lista de contemplados será publicada nas próprias unidades de ensino, no dia 13 de dezembro, mês em que as matrículas serão efetuadas. 

É permitido concorrer a vagas em até três instituições: uma escola da rede municipal de ensino e duas comunitárias. E é isso o que vai fazer Carlene Garcia Jardim, 24 anos, do bairro Rubem Berta, que conhece bem as agruras de batalhar por uma vaga para a filha, Alice, três anos, e ficar a ver navios. 

— No ano passado, me inscrevi em três (instituições) e não consegui em nenhuma. É muito difícil. É um sonho poder deixar minha filha em um lugar seguro e poder trabalhar sabendo que ela está protegida e se desenvolvendo. Moro em frente a uma escolinha e não consigo vaga lá. Não entendo os critérios de escolha — reclama ela, que está desempregada. 

Demitida depois que voltou da licença-maternidade, a bióloga Leila Valêncio da Silva, 38 anos, está tentando pela primeira vez uma vaga para Pedro Lucas, um ano e dez meses, para poder voltar ao mercado formal de trabalho. Por enquanto, achou uma alternativa para complementar a renda do marido, o representante comercial Ernani Rodrigues, 39 anos, com o guri a tiracolo:

— Abri um brechó e estou vendendo roupas. Por enquanto, ele pode ficar comigo. Mas quero um emprego fixo, na minha área, e até conseguir escola pra ele, não posso procurar. Sei o quanto é concorrido e difícil, mas espero conseguir, porque não tenho como pagar uma creche particular. 

As duas mães enfrentavam a mesma fila em que estavam o representante comercial Douglas Rodrigues, 25 anos, do bairro Parque dos Maias, pai dos gêmeos Matheus e Thiago, dois anos, e a desempregada Raqueline Santos Soares, 30 anos, do Rubem Berta, com a filha Mikaely, um ano e quatro meses. Todos buscavam uma oportunidade na Escola Municipal de Educação Infantil Santo Expedito, no bairro Rubem Berta, inaugurada há seis meses. 

— Vou tentar só aqui porque tem uma estrutura muito boa e é nova, acho que tenho mais chance porque não é muita gente que conhece ainda — argumenta Raqueline. 

— Espero conseguir, porque não temos como arcar com escola para duas crianças. Dependemos dessas vagas — sentencia Douglas. 

Segundo a coordenação da escola, a Santo Expedito terá 46 novas vagas disponíveis para educação infantil em 2018. Até ontem, já havia recebido cem inscrições.

Lista de espera é alternativa

Segundo a Smed, neste ano, serão disponibilizadas aproximadamente 28 mil vagas para a educação infantil, sendo mil delas novas vagas nas conveniadas, preenchidas de acordo com critérios de renda familiar e grau de vulnerabilidade social. As inscrições foram abertas no último dia 16 e, até ontem, já haviam sido realizadas 7.270 inscrições. 

Ainda de acordo com a pasta, a projeção é atender toda a demanda na pré-escola (alunos de 4 a 5 anos).
No caso das creches (crianças de 0 a 3 anos), a orientação para as famílias que não obtiverem a vaga na primeira chamada é acompanhar o movimento da lista de espera das escolas pretendidas. "Todos os inscritos, mesmo os não contemplados com vagas imediatas, fazem parte da lista de espera da escola com validade para todo o ano letivo", informou, por email, a Smed. 

As inscrições na Capital e na Região Metropolitana

* Colaborou Camilla Pereira

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros