Prepare o seu bolso: vem aí o reajuste nas mensalidades das escolas privadas  - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Ensino03/10/2017 | 18h19Atualizada em 03/10/2017 | 18h19

Prepare o seu bolso: vem aí o reajuste nas mensalidades das escolas privadas 

Sindicato dos estabelecimentos particulares prevê para novembro a definição dos índices nas instituições. Projeção é de percentual menor do que o aplicado neste ano

Prepare o seu bolso: vem aí o reajuste nas mensalidades das escolas privadas  Emílio Pedroso/Agencia RBS
Foto: Emílio Pedroso / Agencia RBS

Entre o final deste mês e novembro, a maioria das escolas particulares do Estado deve divulgar o reajuste nas mensalidades para o ano letivo de 2018. A projeção é do Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinepe-RS), que representa os estabelecimentos. A expectativa é de que, por causa do recuo da inflação, o percentual de reajuste seja menor do que o aplicado em 2017, que foi de 11,5%. A projeção do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para os últimos 12 meses está em 2,95%.

– Acredito que, na média das escolas, seja menor do que 2017. Mas o Sinepe não tem gerência sobre o reajuste. Cada escola tem a sua planilha de custos, seus investimentos. Nós fazemos uma pesquisa cujo resultado é uma média. Agora, a maioria das escolas não tem ainda os índices – afirma o presidente do Sinepe, Bruno Eizerik.

Leia mais
Como organizar as finanças para os reajustes na mensalidade escolar
Tem filho em escola particular? Confira os seus direitos

Apesar da expectativa de um reajuste menor, os pais ainda devem esperar um índice maior do que a inflação. Pelo menos foi o que ocorreu nos últimos cindo anos. Em 2017, o reajuste identificado pelo Sinepe (11,5%) ficou 83% maior do que a inflação de 2016 (IPCA de 6,28%).

A reportagem consultou sete das escolas privadas com maior número de alunos em Porto Alegre, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). Cinco delas confirmaram a sondagem do Sinepe: devem definir os índices a partir de novembro.   

Custos para justificar o aumento

Provocada sobre percentuais acima do IPCA sobre as mensalidades, a Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep) argumenta que o reajuste não está vinculado à inflação, pois leva em conta os aumentos nos salários dos professores, além de outros itens como tributos e taxas de serviços públicos. 

– As escolas só podem reajustar as mensalidades e há duas possibilidades para isso ocorrer. A primeira é o custo acrescido durante o ano e o previsto para o ano seguinte. A outra é o acréscimo de melhorias pedagógicas, o ensino de outro idioma, por exemplo – explica a vice-presidente da Fenep, Amábile Pacios. 

Ao olhar os índices, ela acrescenta que os pais devem ficar atentos ao que a escola oferece aos filhos, estrutura e serviços. Assim, terão melhores condições para avaliar se o reajuste condiz com a realidade.  

Inadimplência e evasão entram na conta

As escolas não devem apenas olhar para as próprias planilhas e definir o reajuste, segundo a vice-presidente da Fenep, Amábile Pacios. Segundo ela, a orientação nacional é para que as instituições olhem também para a situação financeira da comunidade escolar.

– Porque também não queremos perder alunos. As instituições que mais perderam alunos nesses últimos dois anos foram aquelas que atendem mais as classes C e D. Na época pré-crise, a melhora da renda fez essas famílias migrarem para privadas. Mas o desemprego as levou de volta à rede pública – avalia Amábile.

A migração para a rede pública em função da crise aumentou no Estado neste ano. Segundo o Sinepe-RS, de 2016 para 2017, 76% das escolas privadas do Estado registraram migração de alunos que concluíram o Ensino Fundamental e iriam para o Ensino Médio. De 2015 para 2016, esse percentual era de 55%. E o Ensino Médio foi o nível mais impactado pela crise: de 2015 para 2016, as escolas tiveram redução de 21% no número de alunos. 

"Sacrifícios" ao longo do ano para garantir a educação

Para tentar diminuir o impacto no orçamento, é importante organização financeira nas famílias para priorizar a educação dos filhos. 

– Todos os custos que envolvem a educação não devem ser considerados despesas, e sim investimentos. A família pode diminuir ou cortar outras despesas – sugere Reinaldo Domingos, doutor em Educação Financeira e presidente da Dsop Educação Financeira.

É o que tem feito o servidor público estadual aposentado Luiz Carlos Reis e Silva, 72 anos. O filho Juan, 12 anos, estuda desde o maternal no Colégio La Salle Dores, no Centro da Capital. Nos últimos anos, os reajustes somados à falta de aumento na aposentadoria vêm exigindo "sacrifícios" ao longo do ano.

– Sou servidor público aposentado, então, imagine três anos sem reajuste. Neste mês, ainda não recebi o salário. Então, é preciso ajustar o orçamento. Corta-se mais em viagem de férias, por exemplo, o que até faz a gente descobrir opções boas e baratas mais perto – diz ele.

Diminuir as refeições fora de casa é outra medida que o aposentado adota para garantir a mensalidade de R$ 1,1 mil dentro do orçamento. O fato de morar perto da escola ajuda: não há gasto com transporte escolar:

– É algo que levo em conta não precisar gastar com van. Os pais precisam ficar atentos a esses custos, que são indiretos.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL.2017-10-03.Aumento das mesalidades escolares.Na foto.Luiz Carlos.(RONALDO BERNARDI/AGENCIA RBS).
Luiz Carlos teve de fazer uma série de adaptações no orçamento para manter o filho na escola particularFoto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Dados das escolas privadas no Estado

Inadimplência
-
2016: 7,4%
- 2015: 6,1%
- 2014: entre 5% e 10% *
- 2013: (não pesquisado)
- 2012: 5,2%

* A forma de pesquisa nesse ano foi feita em faixas

Fonte: Sinepe-RS 

Média de reajustes das mensalidades - inflação*
-
2017: 11,5% - 6,28%
- 2016: 11,47% - 10,67%
- 2015: 9,63% - 6,40%
- 2014: 8,5% - 5,91%
- 2013: entre 8% e 10%** - 5,83%

* IPCA do acumulado no ano anterior ao das mensalidades
** Sem pesquisa estatística, somente levantamento

Fontes: Sinepe-RS e Banco Central 

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros