Magali Moraes e as despedidas de quem parte cedo demais - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Coluna da Maga01/11/2017 | 10h22

Magali Moraes e as despedidas de quem parte cedo demais

Magali Moraes e as despedidas de quem parte cedo demais  Miguel Neves/Divulgação
Foto: Miguel Neves / Divulgação

Segunda passada, não fui me despedir da May no seu velório. Me senti mais forte (e útil) escrevendo essa coluna. Assim, mais pessoas vão conhecer um pouco dessa guria iluminada com quem tive a alegria de conviver por uns bons anos. A May usava como lema uma frase que não me sai da cabeça: "Imagina que louco ser feliz todos os dias". E por que a gente não seria? Todos os dias é tempo demais pra ser feliz? Essa ingenuidade misturada com otimismo faz tanta falta no mundo.

A Mayara Jurkfitz era RH na w3haus e usava sua simpatia pra cuidar da gente. Sabe aquele papo de que os bens mais valiosos de uma empresa são as pessoas? Ela entendeu isso como ninguém e tornava o dia a dia mais leve e acolhedor. A May conseguia ser carinhosa até num e-mail puxando nossas orelhas. Organizava caronas, apresentava novos colegas, agitava as festas internas, puxava o parabéns pros aniversariantes, fazia tudo pra humanizar a relação.

Leia outras colunas da Maga

Anjo

O que mais me comove é que a May recém completou 29 anos. Tão pouco tempo! Mas e quanta gente vive o dobro, o triplo, e não faz diferença na vida das pessoas? A May fez. Comemorou no hospital, o quarto cheio de balões e de afeto. Lendo os recados que amigos deixaram pra ela no seu mural do Facebook, me chamou atenção o comentário de alguém que a visitou no dia do níver e percebeu a dificuldade dela pra sorrir na foto. Mas sorriu! Essa era a Mayara.

No intervalo em que o câncer parecia estar vencido, ela se encheu de vida e foi fazer um mochilão. Viajou por aí, depois morou meses em São Paulo e com certeza deixou a cidade menos cinza. Quando voltou a ser internada, a May queria se ocupar com a gente e mandava e-mails onde o assunto parecia ser "Hoje é dia de feira! Que alegria!" mas na verdade era "Colegas queridos, tô aqui." Me contaram que ela disse ter visto um anjo vindo buscá-la. Aposto que sim. May, agora o céu vai ter os melhores Boletins e o teu sorriso eterno. 


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros