Magali Moraes te pergunta: direita ou esquerda? - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Coluna da Maga10/11/2017 | 10h00Atualizada em 10/11/2017 | 10h00

Magali Moraes te pergunta: direita ou esquerda?


A escritora e publicitária Magali Moraes é a nova colunista do Diário Gaúcho. Ela vai escrever a Coluna da Maga, todas as sextas-feiras.
Foto: Miguel Neves / Divulgação

Não, essa coluna não é sobre política. O assunto é confundir a mão esquerda com a direita. E vice-versa. Pessoas adultas que, de repente, parecem crianças desorientadas ao terem que decidir entre esquerda e direita. Acontece contigo também? Pensa rápido. Qual é a mão direita? A que escreve? A do relógio? E a esquerda, cadê? Seria a outra mão, caso a gente tivesse certeza de algo. Quem não usa relógio, como faz? Será que os canhotos sofrem com isso ou só os destros se confundem? 

Nos livros de medicina, cada mão está no seu devido lugar. No corpo humano, também. Mas nessa vida corrida, às vezes dá pra jurar que elas trocaram de lado. Nem que seja por um instante, bate a dúvida. Dobrar à direita numa rua pode ser complicado se estamos distraídos. Na academia de manhã cedo, naquele momento em que o cérebro ainda não acordou, o professor diz pra começar o exercício com a perna esquerda. E agora? Melhor copiar os movimentos da colega e torcer pra que ela saiba o que está fazendo. 

Leia outras colunas da Maga 

Nó na cabeça

E o lado da cama, quando a gente dorme fora de casa? Eu sempre durmo no esquerdo. Mas onde fica esse lado numa cama que não é a minha? O ambiente muda e dá um nó na cabeça. Outra confusão mental é em uma palestra ou show, onde dividem a plateia e mandam o pessoal da direita fazer algo, enquanto a ala da esquerda espera. Depois inverte. É certo que eu me perco. Imagina dirigir num país onde a mão do trânsito é invertida e o motorista anda na pista da esquerda. Atravessar a rua pede atenção redobrada.  

As pessoas acabam encontrando um jeito de se orientar. O truque do relógio é uma boa. Ou procurar a mão da aliança, pra quem usa. Sem querer, resolvi isso. Agora tenho algo que diferencia bem o meu lado esquerdo do direito: tatuei o nome de cada filho em um dos pulsos. Na direita, o Rafa. Na esquerda, o Fabio. O motivo foi outro (muito amor). Mas não deixa de ser útil. Eles são a minha direção.




 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros