Procon notifica postos de Porto Alegre para que expliquem preço da gasolina - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Valor nas alturas20/11/2017 | 15h33Atualizada em 20/11/2017 | 15h33

Procon notifica postos de Porto Alegre para que expliquem preço da gasolina

Quatro dias depois de a Petrobras baixar combustível em quase 4%, consumidor ainda não percebe redução nas bombas

Procon notifica postos de Porto Alegre para que expliquem preço da gasolina Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Quatro dias após a Petrobras anunciar queda de 3,8% no preço da gasolina, o Procon decidiu notificar os postos de Porto Alegre para verificar se a redução está chegando ao bolso do consumidor. Na pesquisa de preços realizada na sexta-feira passada (17), dia em que a estatal baixou o valor da gasolina nas refinarias, o órgão não havia detectado redução alguma. A justificativa dos estabelecimentos foi de que ainda tinham combustível no estoque que havia sido comprado pelo preço antigo.

Nesta segunda (20), os fiscais do Procon estão novamente percorrendo os postos, desta vez notificando-os para apresentar notas fiscais do combustível comprado da distribuidora. O objetivo é verificar se a distribuidora está vendendo gasolina mais barata e, neste caso, entender por que o preço ainda não baixou nas bombas.

Leia mais
Receita passa a cobrar CPF de dependentes a partir de oito anos de idade
Salário superior a R$ 22 mil e prazos de inscrições encerrando: confira a lista de concursos
Preço da gasolina está acima de R$ 4 em Porto Alegre, segundo Procon

– Temos recebido muitas reclamações nos últimos dias via redes sociais, queremos entender se tem havido abuso de preços – explica a diretora-executiva do Procon da Capital, Sophia Vial.  

Estoque com preço antigo

Estão sendo monitorados de 30 a 60 postos em Porto Alegre. Na última pesquisa divulgada pelo órgão, há uma semana, o preço do litro da gasolina comum ia de R$ 4,139 a R$ 4,299. Se os postos repassassem na íntegra a redução anunciada pela Petrobras, esses valores poderiam cair para entre R$ 3,981 e R$ 4,135. Caso sejam verificados indícios de manipulação de preços, o caso será encaminhado para o Ministério Público e a Polícia Civil.

Conforme Adão Oliveira, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes no Rio Grande do Sul (Sulpetro), as distribuidoras ainda não repassaram a gasolina mais barata aos postos, por isso o consumidor não tem pago menos. Oliveira avalia que o baixo consumo e o corte do preço antes do final de semana podem ter atrasado o repasse. 

– A distribuidora só vai vender a gasolina mais barata depois que esgotar o estoque com o preço antigo. E não temos como estimar quantos dias isso vai levar – afirma.

Desde o início deste ano, o preço médio do litro na Capital passou de R$ 3,864 para R$ 4,167, alta de 7,8%, conforme a Agência Nacional de Petróleo (ANP). O aumento se deve aos diversos reajustes promovidos pela Petrobras e de aumento de impostos feito pelo governo federal em julho.

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros