Reforma trabalhista: o que muda para quem está empregado - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Seus direitos09/11/2017 | 15h51Atualizada em 09/11/2017 | 15h51

Reforma trabalhista: o que muda para quem está empregado

Mudanças passam a valer para todos os contratos de trabalho, mas algumas alterações dependem de negociação coletiva

A reforma trabalhista, que passa a valer a partir do próximo sábado (11), merecerá a atenção de empregados e empregadores para a alteração em mais de cem itens da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Para esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto, os advogados especialistas em Direito do Trabalho Benôni Rossi e Marcus Vinicius Freitas estiveram na redação integrada de Diário Gaúcho e Zero Hora nesta quinta-feira (9). Um dos temas solicitados pelos internautas aos especialistas foi sobre a abrangência da nova lei: valerá para quem já está empregado ou para quem se empregar a partir de agora?

No vídeo abaixo, o repórter Leandro Rodrigues (E) conversa com os advogados Benôni Rossi e Marcus Vinicius Freitas (D) sobre a reforma trabalhista:

De acordo com os convidados, a lei chega para todos os trabalhadores – os que já estão empregados e os que ainda terão a carteira de trabalho assinada. Mas nem todos os pontos da reforma entram automaticamente na rotina dos empregados.

Leia mais
Mobilização contra reforma trabalhista terá caminhada nesta sexta-feira em POA
QUIZ: teste seus conhecimentos sobre a reforma trabalhista
Reforma trabalhista: entenda as 10 principais mudanças

– Há normas na reforma de diferentes naturezas. Há itens que são de aplicação imediata, como o das horas "in itinere", o pagamento do deslocamento como jornada de trabalho quando fornecido pelo empregador. A lei altera isso, não sendo mais pago – afirma Benôni Rossi.

Negociação com sindicato

Outra situação de aplicação imediata, destaca Marcus Vinicius Freitas, é a possibilidade de dividir as férias em até três períodos. Mas há mudanças trazidas que dependerão de acordo ou convenção coletiva para serem implementadas.

– Acordos ou convenções coletivas em vigência, que pode ser de um a dois anos, mesmo com reforma possibilitando a mudança, terão a necessidade de uma negociação com o sindicato dos trabalhadores – completa Freitas.

Para ele, outros pontos podem necessitar de adequação em alguns contratos de trabalho, com aditivos prevendo as novas situações, devidamente tratadas com o trabalhador.

Principais itens com vigência imediata:

- Férias em até três períodos: desde que um deles não seja inferior a 14 dias e os demais não inferiores a cinco dias corridos. Exemplo: férias de 14 dias + 7 dias + 9 dias ou férias de 14 dias + 5 dias + 11 dias. 

- Horas "in itinere": o tempo despendido pelo empregado da residência até o posto de trabalho e para o retorno, inclusive no transporte fornecido pelo empregador, não será computado na jornada de trabalho. Antes, era contado como jornada e pago.

– Multa por não assinar carteira de trabalho: multa do empregador doméstico pode ser de R$ 800, para pequenos e médios empregadores, ou de R$ 3 mil, para demais empresas. Quem vai decidir é o juiz. 

– Demissão acordada: passa a ser oficial a rescisão por comum acordo. Trabalhador poderá retirar 80% do saldo do FGTS, e empregador pagará metade multa de 20% sobre o saldo (não mais 40%).

– Nova demissão por justa causa: na perda da habilitação ou dos requisitos para a profissão. Se aplica, por exemplo, em casos de motoristas, enfermeiros e outras profissões que possam exigir algum documento legal para a função. 

– Sem hora extra: não será considerada hora extra o tempo que o empregado ficar no trabalho, por escolha própria, para se proteger em caso de insegurança pública, temporal ou permanecer na empresa para atividades como lazer, estudo e alimentação. 

– Reclamatória trabalhista: só tem direito ao benefício da justiça gratuita quem recebe salário igual ou inferior a 40% do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social (R$ 2.212,52). 

– Multa para testemunha: aplica-se multa à testemunha que mentir ou omitir fatos ao julgamento da causa. 

Alterações só com convenção ou acordo coletivo de trabalho, valendo sobre a lei: 

- Pacto quanto à jornada de trabalho, observados os limites constitucionais
- Banco de horas anual  
- Intervalo intrajornada, respeitado o limite mínimo de 30 minutos para jornadas superiores a seis horas  
- Adesão ao Programa Seguro-Emprego (PSE), de que trata a Lei no 13.189, de 19 de novembro de 2015
- Plano de cargos, salários e funções compatíveis com a condição pessoal do empregado, bem como identificação dos cargos que se enquadram como funções de confiança
- Regulamento empresarial
- Representante dos trabalhadores no local de trabalho
- Teletrabalho, regime de sobreaviso e trabalho intermitente  
- Remuneração por produtividade, incluídas as gorjetas percebidas pelo empregado, e remuneração por desempenho individual
- Modalidade de registro de jornada de trabalho  
- Troca do dia de feriado
- Enquadramento do grau de insalubridade
- Prorrogação de jornada em ambientes insalubres, sem licença prévia do Ministério do Trabalho  
- Prêmios de incentivo em bens ou serviços  
- Participação nos lucros ou resultados da empresa

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros