Reforma trabalhista: veja como será a contribuição complementar dos intermitentes - Notícias

Versão mobile

Peso no orçamento27/11/2017 | 17h00Atualizada em 27/11/2017 | 18h16

Reforma trabalhista: veja como será a contribuição complementar dos intermitentes

Quem ganhar menos de um salário mínimo poderá complementar a contribuição para o período contar para a sua aposentadoria

Reforma trabalhista: veja como será a contribuição complementar dos intermitentes Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS
Diário Gaúcho
Diário Gaúcho

A Receita Federal apresentou nesta segunda-feira (27) as regras para contribuições complementares à Previdência do trabalhador intermitente (aquele que pode atuar de forma esporádica, com pagamento referente às horas ou dias de atuação) quando ele receber remuneração inferior ao salário mínimo (R$ 937).  Enquadram-se nesse formato profissionais como garçons e cozinheiros, que eventualmente atuem em dias alternados.  

Leia mais
MP da reforma trabalhista recebe quase 900 emendas e bate recorde do Congresso
Reforma trabalhista: entenda como funciona a troca do dia de folga do feriado
Reforma trabalhista: o que vale para o trabalho intermitente com a MP de ajustes

Quando este trabalhador não receber um salário mínimo no mês, ele poderá complementar a contribuição paga pelo empregador para garantir que aquele período conte tempo para a aposentadoria e outros benefícios previdenciários. 

Neste caso, para que o mês trabalhado conte para fins de aposentadoria e outros benefícios previdenciários, o empregado poderá complementar a contribuição previdenciária, recolhendo 8% sobre o que falta para completar um salário mínimo. E terá como prazo até o dia 20 do mês seguinte àquele em que fez o trabalho intermitente. Conforme a Receita, ainda não é possível fazer a emissão da guia para este recolhimento – não foi informado o prazo para que o sistema seja disponibilizado.

A Receita esclareceu que a Lei nº 10.666, de 2003 já prevê a obrigatoriedade de complementar a contribuição, até o limite mínimo do salário mínimo, mas essa previsão não existia para profissionais com vínculo empregatício, como é o caso do trabalhador intermitente, criado a partir da reforma trabalhista. A Receita definiu estas regras agora porque a possibilidade da contribuição complementar surgiu com a Medida Provisória de ajustes da reforma trabalhista, que já está valendo. 

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros