Seu filho ganhou muitos doces no Dia das Bruxas? Veja dicas para lidar com a situação - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Halloween01/11/2017 | 17h57Atualizada em 01/11/2017 | 18h09

Seu filho ganhou muitos doces no Dia das Bruxas? Veja dicas para lidar com a situação

Saiba negociar com os pequenos e evite que tenham problemas de saúde

Seu filho ganhou muitos doces no Dia das Bruxas? Veja dicas para lidar com a situação Reprodução/Reprodução
Foto: Reprodução / Reprodução

Enquanto o terror das crianças são bruxas e monstros, o medo dos pais é o que fazer com todos os doces que os seus pequenos receberam no Dia das Bruxas, o Halloween, celebrado nesta semana. O mais comum algoz da data são as balas, distribuídas em grandes quantidades para as crianças.

Com a oferta exagerada, as crianças acabam comendo demais num curto prazo. De cara, o problema pode ser uma diarreia causada pelo alto consumo de açúcar. A longo prazo, obesidade, diabetes e riscos cardiovasculares estão no horizonte. 

Leia mais
Brasil pretende eliminar hepatite C até 2030, diz ministro da Saúde
Cientistas encontram possível causa da dislexia
Entidade americana defende proibição do consumo de açúcar para menores de dois anos

Nada de bom

Sucesso no Halloween, os pirulitos e balas são tradicionalmente industrializados, sem componentes nutritivos e, portanto, não acrescentam nada positivo à alimentação. São puro açúcar. A sugestão de nutricionistas e pediatras é de que cada família use o bom senso para definir os limites de consumo. Lembrando que crianças de até dois anos não devem consumir doce algum, inclusive por recomendação da Organização Mundial da Saúde.

– Sempre oriento doces mais caseiros, feitos em casa, evitando o consumo de industrializados – aponta o chefe do serviço de pediatria do Hospital Moinhos de Vento, João Krauzer.

Para especialistas, é difícil definir a quantidade de balas ou doces que cada criança pode comer, pois elas não fazem parte do cálculo de calorias que as crianças devem receber para manter uma alimentação saudável. O médico Krauzer destaca  que o consumo não pode passar de 25g de açúcar por dia (umas duas balinhas!).

não_publicadabala de goma / guloseima Fonte: Divulgação
Foto: Divulgação / Ver Descrição

6 dicas para lidar com a casa lotada de doces

1. A criança precisa entender por que não pode comer todos os doces de uma só vez. Explique que ela pode ter problemas como uma diarreia ou uma doença grave no futuro.

2. Sente-se junto com a criança e, de uma forma simples e segura, diga que não dá para comer tudo no mesmo dia. A decisão de não comer tudo de uma vez deve mostrar que a criança também tem responsabilidade. Pergunte a ela: "O que a gente pode fazer para que tu possa comer e não te sentir mal?", "Como a gente pode dividir este doce?".

3. Aproveite a situação para ensinar uma lição de generosidade e sugira ao seu filho repartir os doces com outras crianças. Explique que elas não ganharam doces e que seu filho pode dividir os seus. As crianças são sensíveis a este apelo. 

4. Jogar tudo no lixo é uma opção radical. Fala-se tanto às crianças em não desperdiçar comida e, nesta situação, joga-se tudo fora? Dê o exemplo!

5. Não deixe os doces em casa à vista e com fácil acesso. Desta forma, quando você não estiver por perto, não terá controle da quantidade que a criança comeu. Se for para oferecer, deixe a quantidade dentro do recomendado e guarde o resto. 

6. Não proíba o consumo totalmente. Explique para a criança o quanto ela pode comer – a partir de três anos, elas entendem. 

Fontes: nutricionista materno infantil Alexandra Oshido, psicóloga e professora do programa de pós-graduação da PUCRS Irani de Lima Argemon e pediatra João Krauzer

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros