Caixa reabre linha de crédito imobiliário mais barato - Notícias

Versão mobile

 

Habitação02/01/2018 | 13h14Atualizada em 02/01/2018 | 13h14

Caixa reabre linha de crédito imobiliário mais barato

Pró-cotista, que havia sido suspensa em 2017, é destinada a quem tem conta no FGTS e oferece juros mais baixos

Caixa reabre linha de crédito imobiliário mais barato Carlos Macedo/Especial
Foto: Carlos Macedo / Especial
GaúchaZH
GaúchaZH

O ano de 2018 começou com boa notícia para quem está em busca da casa própria. Isso porque a Caixa Federal reabriu, nesta terça-feira, a linha de crédito pró-cotista, destinada  aos trabalhadores que têm conta no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).  Trata-se da opção mais barata após o Minha Casa Minha Vida, com taxas de juros entre 7,85% e 8,85% ao ano.

A pró-cotista havia sido suspensa no primeiro semestre de 2017 por escassez de recursos. Segundo informação do jornal O Globo, a Caixa também promete elevar de 50% para 70% a cota do financiamento de imóveis usados. Dessa forma, o tomador poderá oferecer uma entrada menor. No caso de imóveis novos, o percentual será mantido em 80%. 

Leia mais
Prorrogado uso de FGTS para parcelas atrasados 
As opções para quem tem parcelas a pagar 
Saiba se é possível ganhar desconto ao antecipar quitação do financiamento do imóvel

Na abertura da linha, a Caixa teria R$ 4 bilhões para emprestar aos cotistas, valor inferior aos R$ 6,1 bilhões contratados em 2017, o que apontaria um esgotamento rápido desses recursos. 


Quem se enquadra na linha pró-cotista

Para se enquadrar na linha pró-cotista, os interessados devem comprovar, no mínimo, 36 meses de trabalho sob o regime do FGTS (não necessariamente consecutivos) ou saldo de, no mínimo, 10% do valor da avaliação do imóvel. 

Não podem ser proprietários de imóvel no município (ou região metropolitana) onde moram ou trabalham, nem terem financiamento no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) em qualquer parte do país. O empréstimo pode ser pago em até 360 meses, na aquisição de imóveis de até R$ 800 mil no Rio Grande do Sul.

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros