Bloco infantil tem Super Mario, fadas e gerações reunidas na Cidade Baixa - Notícias

Versão mobile

 

Carnaval de rua14/02/2018 | 12h30

Bloco infantil tem Super Mario, fadas e gerações reunidas na Cidade Baixa

Rua do Perdão alegrou foliões na tarde desta terça-feira em Porto Alegre

Bloco infantil tem Super Mario, fadas e gerações reunidas na Cidade Baixa Anselmo Cunha/Especial
Foto: Anselmo Cunha / Especial
Jéssica Rebeca Weber
Jéssica Rebeca Weber

jessica.weber@zerohora.com.br

A Rua da República foi o palco do Carnaval de Porto Alegre, nesta terça-feira (13), colocando foliões de todas as idades para dançar. Marchinhas tradicionais, frevo e clássicos da Xuxa compuseram o repertório da tarde na via da Cidade Baixa

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho 

O baile infantil a céu aberto ficou por conta do bloco Rua do Perdão, próximo ao cruzamento com a João Alfredo, e contou com a presença de pequenas bailarinas, esqueletos, fadas, e até uma versão em miniatura do Super Mario, com chapéu vermelho, jardineira e um bigode que insistia em cair. Erick Gary Saldanha, seis anos, não parava de lançar "neve" de espuma sobre a multidão. 

— Estou me divertindo! Uhuuuuu — gritou o pequeno, sambando ao mesmo tempo. 

A mãe, a telefonista Roselaine de Oliveira, 36 anos, conta que o pequeno adora o personagem. Na onda, ela foi à festa com uma máscara de princesa Peach feita em EVA. Durante o evento, Erick alternou períodos pulando no chão e — não menos — nos ombros da mãe.

— É um chumbinho. E ele está sempre ligado nos 220 volts —  diz Roselaine.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 13/02/2018-  Carnaval de rua (FOTOGRAFO: ANSELMO CUNHA / ESPECIAL)
Lívia Teixeira, dois anos, usou na cabeça a sensação do Carnaval entre os pequenos: a tiara de unicórnioFoto: Anselmo Cunha / Especial

Já entre as meninas, a fantasia mais popular era de unicórnio. Já se resolvia com uma tiara colorida com o chifre do ser místico na cabeça — como usava Lívia Teixeira, dois anos, em cima de seu triciclo. Mas Sofia Kruger Prestes, seis anos, incrementou com a camiseta estampada com um unicórnio patinador e vestiu os pais com a mesma peça. A designer gráfica Majane Kruger, 28 anos, relata que a filha esperou a semana inteira pelo bloco.

—  A gente não vem nos outros, só no infantil, em função da família — relata.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 13/02/2018-  Carnaval de rua (FOTOGRAFO: ANSELMO CUNHA / ESPECIAL)
Sofia kruger Prestes com os pais, devidamente caracterizadosFoto: Anselmo Cunha / Especial

Quando viu um grupo de pequenos e pais abrir um círculo de mãos dadas para girar e cantar Ilariê, clássico da Xuxa, Naralucia de Freitas, 67 anos, não pensou duas vezes: entrou no centro da roda para pular junto. 

— Estou relembrando os velhos tempos — celebrou a dona de casa de 67 anos. 

O bloco também foi marcado por um show feito de criança para criança. A bateria e os dançarinos mirins do projeto Areal do Futuro mostraram sua música, com direito a muito samba no pé. 

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho 


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros