Do prédio novo aos que não tiveram férias: o que esperar da volta às aulas na rede estadual - Notícias

Versão mobile

 

Educação23/02/2018 | 07h00Atualizada em 23/02/2018 | 12h00

Do prédio novo aos que não tiveram férias: o que esperar da volta às aulas na rede estadual

Cerca de 900 mil alunos no Estado, em 2,5 mil instituições, retomam atividades na próxima segunda-feira (26). Para muitos, o começo do ano será atípico, por bons ou por maus motivos 

Do prédio novo aos que não tiveram férias: o que esperar da volta às aulas na rede estadual Omar Freitas/Agencia RBS
Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

A próxima segunda-feira (26) será de retorno às aulas nas escolas estaduais para cerca de 900 mil alunos no Estado, em 2,5 mil instituições. Na Capital, são 130 mil estudantes que irão rever colegas e conhecer seus professores. Mas, para muitos, o começo do ano será atípico, por bons ou por maus motivos. 

Na Escola Dom Pedro I, do bairro Glória, os estudantes sequer têm um prédio próprio para dar a largada no ano. Enquanto isso, na Escola Maria Cristina Chiká, na Lomba do Pinheiro, os alunos comemoram a conclusão do prédio esperado desde o ano 2000 e vivem a expectativa de voltarem à sala de aula em uma estrutura nova. 

Ainda há os que sequer saíram de férias. Das 257 escolas estaduais de Porto Alegre, 176 retornam na segunda e a outra parcela no dia 15 de março. Quatro escolas, porém, seguem com aulas até dia 7 de março, em função da adesão total à greve do magistério em 2017, e devem retornar apenas em abril.  

Alunos remanejados após temporal

Os alunos da Dom Pedro I, no bairro Glória, sequer terão escola para a volta às aulas. Depois que o prédio foi atingido por um temporal em setembro do ano passado, parte da estrutura, como telhados e corredores, foi destruída. O pátio foi atingido por destroços. Partes da fiação elétrica e do forro precisam ser substituídas. A escola foi interditada, e a obra, prometida para iniciar ainda em setembro, sequer começou. 

Com isso, os alunos foram transferidos provisoriamente para a Escola Euclides da Cunha, no bairro Menino Deus, a quatro quilômetros da Dom Pedro I. Porém, para fazer o trajeto até lá, é preciso pegar dois ônibus. A merendeira Silvia Nara Quiroga, 42 anos, vai gastar R$ 48,60 todos os dias para levar e buscar os filhos Marcos Vinicius, 13 anos, que é cadeirante e é isento de pagar a passagem, Isadora, 10 anos, e Jadson, oito anos. A família embarca na linha Glória e depois no T2 para chegar ao Menino Deus.

— Só aceitamos a condição de levar eles de setembro a dezembro até a outra escola, porque nos garantiram que em março começaríamos as aulas na Dom Pedro I. Mas não tem nem sinal de obra. Só nos enrolam — protesta.

Para Silvia, o problema é maior, pois a Escola Euclides não tem acessibilidade para o filho mais velho, que tem distrofia muscular de Duchenne. Já a dona de casa Solange Curth,
35 anos, ficava todo o período de aula, à tarde, esperando os filhos Giovani, 11 anos e Giovana, sete, na escola, para não precisar pagar mais duas passagens indo e voltando:

— Tentamos vender salgado na escola para pagar as passagens, mas não foi possível. Nos sacrificamos para eles não perderem o ano e continuarem com as mesmas professoras — diz Solange.

A Seduc informou que a obra para recuperar a escola é orçada em R$ 143 mil. Segundo a secretaria, na semana passada, a empresa ganhadora da licitação entregou todos os documentos, que estão sendo avaliados pelo departamento jurídico. A previsão é de que, até o final do mês, seja expedida a ordem de início de serviços. De acordo com a documentação, o prazo para a conclusão das obras é de 30 dias.

Até a obra ficar pronta, os alunos, mais uma vez, serão remanejados para a Euclides da Cunha ou para outra escola que preferirem. A Seduc informa ainda que ofereceu passagens aos estudantes para transporte público, mas as mães ouvidas pela reportagem não confirmam.

Além da Dom Pedro I, outra escola que está fechada enquanto aguarda reformas é a Jerônimo de Ornelas, no bairro Aparício Borges. Das 257 escolas da Capital, outras duas estão com setores interditados, embora funcionem parcialmente: Antão de Farias, no bairro Bom Jesus, e Duque de Caxias, no bairro Menino Deus. Ambas aguardam ordem de início das obras para que passem por reformas.

Enfim, um novo prédio para os alunos da Chiká

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 21-02-2017. Escola Estadual de Ensino Fundamental Chiká terá prédio novo após sete anos de espera. (LAURO ALVES/AGÊNCIA RBS)
Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Uma escola que estava praticamente pronta, mas com obra parada há um ano, será finalmente ocupada pelos alunos a partir de segunda-feira. Na Lomba do Pinheiro, os alunos da Escola Estadual de Ensino Fundamental  Maria Cristina Chiká estão ansiosos para entrar no prédio que é uma reivindicação da comunidade desde o ano 2000. No final de janeiro, a escola foi liberada após a conclusão dos últimos reparos, como colocação de vidros nas janelas, classes, privadas e pintura em duas portas. Para as limitações na rede elétrica, que dependem da construção de uma subestação, foram feitas adequações provisórias para que o prédio possa ser utilizado. Segundo a Seduc, as obras para a colocação da subestação de energia devem começar ainda em março, com prazo de conclusão de 30 dias.

Ryan Gonçalves Monteiro da Costa, 14 anos, que vai para o sétimo ano, mudou até a rotina das férias. Acordou cedo, na manhã de quarta-feira (21), para ajudar a carregar as 180 classes e cadeiras que foram entregues na escola. 

— Pulei da cama às 8h para vir aqui ajudar. Estamos na expectativa de que teremos um ano melhor em um prédio novo. No outro prédio, passávamos calor, a sala de aula tinha dois ventiladores, mas só um funcionava — comenta Ryan.

Ricardo Pedroso, 14 anos, indo para a oitava série, se juntou a várias pessoas da comunidade que se empenharam em receber o mobiliário que faltava. 

— Já tínhamos perdido a esperança de estudarmos no prédio novo — admite Ricardo.

A diretora da escola, Ivelise Camboim, está realizando, além do seu, o sonho do diretora que a antecedeu, Gleci Medeiros, que lecionou na escola desde 1991 e já se aposentou: 

— Estou de alma lavada, essa é uma luta de vários anos. É bom demais ver a empolgação dos alunos.

Transtorno para quem ainda estuda

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 21-02-2018. Escola Estadual de Ensino Fundamental América que terá aulas até dia 7 de março em função da greve dos professores.Mãe Ila Maria Santos da Silva e a filha Ana Luísa, 10 anos. (LAURO ALVES/AGÊNCIA RBS)
Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Enquanto 176 escolas estaduais retornam às aulas nesta segunda-feira, o que representa quase 130 mil alunos só na Capital, alguns estudantes nem terminaram o ano letivo. É o caso de quatro escolas de Porto Alegre que aderiram a toda extensão da greve do magistério em 2017 — de setembro a dezembro: Colégio Júlio de Castilhos e escolas América, no Jardim Ingá, Antão de Faria, na Bom Jesus, e Evarista Flores da Cunha, no Belém Novo. 

Na Escola América, mais de 400 dos 780 alunos ainda estão em aula em 18 turmas. Para completar as 800 horas de aula, algumas terão aula até o dia 7 de março, com previsão de começo das aulas relativas a 2018 em abril. 

Na avaliação da dona de casa Ila Marias Santos da Silva, 42 anos, é um transtorno a filha Ana Luísa, 10 anos, ter aulas nesse período: 

— Ela vê todos os amigos de férias e só ela estudando. Mas trago ela todos os dias para a escola, não deixo ela perder nada.

Mas a menina não vê a hora de entrar em férias. A diretora da escola, Lorena Souza, reconhece que este sentimento dos alunos, o calor e a época do ano desmotivam os alunos e, consequentemente, afetam sua produtividade.

— Para os alunos que foram viajar no período, pedimos que avisassem antes e tivessem o compromisso de na volta recuperar o conteúdo e fazer as avaliações — explica. 




 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros