Escola da Lomba do Pinheiro tem o primeiro recreio em sete anos - Notícias

Versão mobile

 

Educação26/02/2018 | 18h00Atualizada em 26/02/2018 | 19h36

Escola da Lomba do Pinheiro tem o primeiro recreio em sete anos

Reivindicação do Bairro Lomba do Pinheiro desde 2000, Escola Estadual Maria Chiká finalmente é entregue aos alunos. Primeiro dia de aula foi de descobertas

Escola da Lomba do Pinheiro tem o primeiro recreio em sete anos Anselmo Cunha/Agência RBS
Crianças aproveitaram o primeiro recreio Foto: Anselmo Cunha / Agência RBS

Às 10h desta segunda-feira, o sinal para o recreio tocou na Escola Estadual de Ensino Fundamental Maria Cristina Chiká, no bairro Lomba do Pinheiro, na Capital. Porém, os 16 alunos da turma 71 não reagiram a ele. Uns, por sequer associarem aquele som na metade da manhã ao começo do intervalo. Outros, por não saberem o que fazer dali em diante. Os alunos do sétimo ano da Chiká nunca tiveram recreio. 

Desde que a construção de um novo prédio foi anunciada, há sete anos, para não perder alunos a escola organizou quatro turnos, sem intervalo: das 7h30min às 11h, das 11h às 14h30min, das 14h30min às 18h e das 18h às 22h _ período em que só havia pausa de 10 minutos para a merenda. A obra só teve início em 2014, sendo concluída no mês passado. Durante anos, os alunos tiveram aulas em salas improvisadas, construídas em madeira compensada. Espaços pequenos, quentes e pouco iluminados. 

Hoje, finalmente a escola de 760 alunos conta com um prédio novo com 15 novas salas de aula, amplas e arejadas. 

— Abrimos mão do recreio pela adequação do horário e pela falta de espaço do pátio da estrutura antiga. Não tinha como comportar os alunos — explica a diretora Ivelise Camboim.  

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 26/02/2018 - Alunos dos 7º anos da escola chiká, na Lomba do Pinheiro, vão ter recreio pela primeira vez. (FOTO: ANSELMO CUNHA/AGÊNCIA RBS)
Aulas começaram no prédio novoFoto: Anselmo Cunha / Agência RBS

O retorno das aulas na manhã de ontem marcou o dia em que, finalmente, os alunos ocuparam o novo prédio, uma reivindicação de 18 anos dos moradores da Lomba do Pinheiro. 

Durante os 15 minutos de intervalo, a gurizada não sabia bem o que fazer. Pouco habituados à integração além da sala de aula, olhavam desconfiados e cochichavam. Alguns espiavam o novo ginásio atrás da rede de contenção, encantados e curiosos com o espaço que é pelo menos quatro vezes maior ao que estavam habituados. Os mais pequenos disparavam a correr eufóricos pelo ginásio de esportes. Na antiga estrutura, não havia espaço pra isso. 

As aulas, que iriam até o meio-dia acabaram às 11h, porque os pais também queriam conhecer a escola nova. Assim, direção e professores apresentaram a estrutura nova à comunidade: 

— Para os pais, era um sonho, assim como para nós. Foram sete anos sofrendo. Hoje, eles vieram aqui se apropriar da escola — avalia a vice-diretora, Tatiane Carvalho.

Leia mais
Volta às aulas tem teatro de bonecos em escola estadual de Porto Alegre
A educação é um sistema para superar pressões evolutivas naturais
"Escola deve ser vista de forma positiva", diz consultora sobre comportamento dos pais na volta às aulas

Gurizada bem mais feliz
Gustavo Rodrigues da Silva, 12 anos, diz que se sente mais feliz:
— No pátio pequeno não dá para correr, né? Agora, vai dar para falar com amigos de outras turmas, mexer no celular... — comentou o menino. 

Antes de tocar o sinal do intervalo, Raylaine de Oliveira também tentava decidir entre pular corda ou pular elástico.
— Nunca tivemos pátio, a sala de aula sempre foi apertada, todo mundo juntinho, agora temos escola nova e recreio — comemora a menina. 

A mãe de Raylaine, Angélica, 38 anos, conta que a menina falava há dias do retorno às aulas. Estava ansiosa para estudar na nova estrutura:
— Ela acabava conversando demais na sala de aula com amigas, não prestava atenção, tudo porque não tinha um tempo para compartilhar entre os colegas. 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 26/02/2018 - Alunos dos 7º anos da escola chiká, na Lomba do Pinheiro, vão ter recreio pela primeira vez. (FOTO: ANSELMO CUNHA/AGÊNCIA RBS)
Alunos aproveitaram o novo ginásioFoto: Anselmo Cunha / Agência RBS

"Um dano irreparável à infância"
Durante os sete anos em que a escola teve quatro períodos, os professores também sofreram. Muitas vezes, precisavam almoçar dentro da sala de aula. Não havia intervalo entre os turnos.

— O professor não tinha como respirar. Era um abalo psicológico para todo mundo. E um dano irreparável à infância dessas crianças. Os alunos não tinham a oportunidade de ficarem soltos no pátio — afirma Tatiane. 

A escola fez o que pôde para tornar a rotina escolar mais leve, com passeios a museus, idas ao cinema e ao teatro.

— As crianças não tinham direito aos minutos de sol que até os presos têm, não podiam desfrutar da ânsia de correr e jogar bola — compara Tatiane.

Embora já ocupado, o prédio ainda não está completamente em uso. A principal limitação é elétrica e depende da construção de uma subestação. A Secretaria Estadual de Educação (Seduc) promete que as obras para a colocação da subestação de energia devem começar ainda em março, com prazo de conclusão de 30 dias.

Com a subestação funcionando, será possível usar o laboratório de informática — que ainda não está equipado — o elevador, que dará acessibilidade ao prédio de três andares, e colocar em uso os ventiladores, que, por enquanto, não podem ser ligados.  

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 26/02/2018 - Alunos dos 7º anos da escola chiká, na Lomba do Pinheiro, vão ter recreio pela primeira vez. (FOTO: ANSELMO CUNHA/AGÊNCIA RBS)
Colégio foi uma antiga brizoletaFoto: Anselmo Cunha / Agência RBS

Entenda o caso
* Em 2000, começou a batalha da direção da escola para construir o prédio que substituiria as brizoletas (antigos prédio de madeira, construídos na gestão do governador Leonel Brizola entre 1959 e 1963).
* Com a interdição de um dos pavilhões de madeira por conta das más condições, outra brizoleta também deixou de ser usada, diminuindo em oito salas de aula o espaço físico da escola.
* Para driblar a dificuldade, foram criados em 2012 turnos de aula para atender a todos os alunos. A biblioteca virou sala de aula e o espaço para educação física reduzido. De 800 vagas, houve redução para 680.
* Em 2014, foram iniciadas as obras de construção do novo prédio na escola. A conclusão ocorreu no final de 2016. Porém, a demora na implantação de uma subestação de energia fez com que os alunos permanecessem todo o ano letivo de 2017 estudando na estrutura provisória.
* No final de janeiro deste ano, a escola foi liberada após a conclusão dos últimos reparos. Para as limitações na rede elétrica, que dependem da construção de uma subestação, foram feitas adequações provisórias para que o prédio possa ser utilizado. Segundo a Seduc, as obras para a colocação da subestação de energia devem começar ainda em março, com prazo de conclusão de 30 dias.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros