MEC reduz escolas com contraturno  - Notícias

Versão mobile

 

Educação03/02/2018 | 07h00Atualizada em 03/02/2018 | 07h00

MEC reduz escolas com contraturno 

Ministério da Educação altera nome e regras no programa Novo Mais Educação e elimina parte das escolas contempladas pelas verbas em anos anteriores

MEC reduz escolas com contraturno  Omar Freitas/Agencia RBS
Pais de alunos de escola municipal de Gravataí lamentam o corte da verba que ajudou a instituição a se tornar exemplo na cidade Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Uma decisão do governo federal reduziu em 70% o número de alunos e em 66% a quantidade de escolas públicas gaúchas no programa Novo Mais Educação em 2018. A medida, considerada polêmica pela comunidade escolar, levou em conta o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb): as instituições com melhores notas perderam a verba que permitiria a oferta de atividades aos estudantes no turno inverso às aulas, chamado de contraturno.

Regulamentado em 2010, o Mais Educação atendeu 1.801 instituições gaúchas em 2017, totalizando 184.486 estudantes. Neste ano, porém, novos critérios adotados pelo Ministério da Educação (MEC) alteraram o nome do programa e reduziram para 603 escolas contempladas no Rio Grande do Sul, somando 54.740 alunos. Segundo o MEC, a partir de agora, somente escolas com notas abaixo de 4.4 para alunos do primeiro ao quinto ano do Ensino Fundamental e abaixo de 3, para alunos do sexto ao nono ano, terão direito ao recurso. 

Vulnerabilidade
Outro indicativo é a vulnerabilidade social. Para que a instituição seja incluída no Novo Mais Educação, mais de 50% dos alunos matriculados devem ser beneficiários do Programa Bolsa Família. A justificativa do governo federal é a de elevar o Ideb, com enfoque no ensino das disciplinas de Português e Matemática. Os alunos também têm aulas de esportes, artes e informática. Cada turma do programa deve ter, no máximo, 25 alunos. 

No ciclo 2016/2017, o MEC repassou R$ 900 milhões para escolas de todo o Brasil. Destes, R$ 35,6 milhões vieram para os gaúchos (R$ 24 milhões para escolas municipais e R$ 11,6 milhões para estaduais). Neste ano, o valor dependerá da análise das adesões, principalmente no que se refere à situação de adimplência das instituições e da disponibilidade orçamentária e financeira de 2018.

Segundo nota divulgada pelo MEC, "o programa foi mantido com os ajustes necessários para atender as escolas que mais precisam, priorizando aquelas mais vulneráveis" (...). O MEC decidiu também priorizar o atendimento de alunos do 3º ao 9º ano do Ensino Fundamental, uma vez que os alunos de 1º e 2º anos estarão inseridos no Programa Mais Alfabetização".

 GRAVATAÍ, RS, BRASIL, 31/01/2018 :  Escola Municipal de Ensino Fundamental Professor Idelcy Silveira Pereira, no bairro Morada Gaúcha, em Gravataí, perde verba do programa Novo Mais Educação por ter nota alta no Ideb. (Omar Freitas/Agência RBS)Indexador: Omar Freitas
Escola Idelcy Silveira Pereira, de Gravataí, aumentou o índice no Ideb foi uma das excluídas do programaFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

Decisão é considerada injusta
Nas escolas, a decisão do governo federal é considerada injusta. Em Gravataí, por exemplo, 4,3 mil dos 5.014 estudantes deixarão de fazer parte do Novo Mais Educação. Apenas dez das 46 instituições beneficiadas em 2017 poderão seguir oferecendo o turno inverso. Segundo a Secretaria Municipal da Educação, a formação constante nos últimos anos resultou no melhor resultado no Ideb na história da cidade: 5,2. Porém, segundo nota da Secretaria, "esta conquista para a Educação Pública Municipal é um fator de exclusão para o Mais Educação, uma vez que acabaram sendo excluídas do programa todas as escolas com boa classificação no Ideb".

Considerada modelo de ensino na cidade, a Escola Municipal de Ensino Fundamental Professor Idelcy Silveira Pereira, localizada no bairro Morada Gaúcha, é uma das que não poderá mais oferecer as atividades aos 200 estudantes inscritos no programa. 

— Nos cinco anos de Mais Educação na nossa escola, os alunos melhoraram as notas e até ganharam prêmios, como um de música, no ano passado. Lamentamos muito porque jamais deixamos de prestar contas e seremos prejudicados — comenta a diretora Nóris Quevedo Lemos. 

Leia mais
Programa de combate à violência escolar do RS é selecionado para receber apoio internacional
Governo do RS quer incluir conteúdos sobre o Estado nas aulas de Educação Infantil e Ensino Fundamental
Prouni 2018: número de bolsas aumenta 47% no Rio Grande do Sul
Alunos afetados por greve poderão solicitar documento provisório de conclusão do Ensino Médio

Pais lamentam fim de atividades
Ao saberem da exclusão da Escola Idelcy Silveira Pereira do programa, os pais se revoltaram. A assistente administrativa Júlia Gonçalves, 30 anos, já pensa em parar de trabalhar para não deixar o filho, Cesar Daniel, sete anos, sozinho em casa no período da tarde. Inscrito no Mais Educação, o menino praticava esportes, aprendeu a tocar flauta e melhorou o português com as aulas de reforço. 

— Meu filho recuperou problemas de escrita e melhorou as notas nas aulas do turno inverno. Não consigo entender como, simplesmente, tiram a oportunidade de ele seguir se desenvolvendo. É muito injusto com quem se esforçou um ano inteiro para se tornar melhor — desabafa. 

A cozinheira Adriana Lamadril, 44 anos, mãe de Miriã Guimarães, dez anos, também reclama do fim das atividades extras que ajudaram a filha a perder a timidez. 

— As aulas de teatro contribuíram demais para o desenvolvimento dela como aluna e ser humano. O reforço escolar também ajudou a melhorar as notas dela. E qual prêmio recebe? O fim dos cursos que ela e outros tantos mais gostam — reclama Adriana. 

Entenda os novos critérios do Novo Mais Educação
Para o ciclo 2017/2018 do Novo Mais Educação foram estabelecidos novos critérios priorizando escolas mais vulneráveis com base no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e ao percentual de estudantes beneficiários do Programa Bolsa Família. Nesse sentido, poderão ser contempladas, na seguinte ordem de prioridade:
* Escolas de ensino fundamental com Ideb inferior 4.4 nos anos iniciais e inferior a 3.0 nos anos finais, concomitantemente;
* Escolas de ensino fundamental com Ideb inferior 4.4 nos anos iniciais ou escolas de ensino fundamental com IDEB inferior a 3.0 nos anos finais;
* Escolas que possuem mais de 50% dos alunos oriundos de famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família e não se enquadrarem nos critérios anteriores.
*Sobre cada grupo de escolas enquadradas em cada um dos critérios será aplicada a ordem do menor para o maior Ideb, até o limite orçamentário disponível.

Os valores destinados ao Novo Mais Educação
De acordo com a Resolução nº 17/2017, os critérios que determinam os valores de repasses para as escolas são: carga horária do plano de atendimento, localização (rural ou urbana) e nº de estudantes informados no plano de atendimento. Portanto, se organiza assim o repasse:
* R$ 150 por mês, por turma de acompanhamento pedagógico, para escolas urbanas com carga horária complementar de 15 horas;
* R$ 80 por mês, por turma das atividades de livre escolha, para escolas urbanas com carga horária complementar de 15 horas;
* R$ 80 por mês, por turma de acompanhamento pedagógico, para escolas urbanas com carga horária complementar de 5 horas;
* Para as escolas rurais, o valor de ressarcimento por turma será 50% maior do que o definido para as escolas urbanas;
* R$ 15 por adesão, por estudante informado no plano de atendimento, para escolas urbanas e rurais com carga horária complementar de 15 horas;
* R$ 5 por adesão, por estudante informado no plano de atendimento, para escolas urbanas e rurais com carga horária complementar de 5 horas.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros