Golpe de Páscoa no WhatsApp já atingiu mais de 300 mil usuários - Notícias

Versão mobile

 

Atenção!15/03/2018 | 11h16

Golpe de Páscoa no WhatsApp já atingiu mais de 300 mil usuários

Falsa promoção oferece um vale-presente de R$ 800, mas rouba dados pessoais e financeiros

GaúchaZH
GaúchaZH

Com o feriado de Páscoa se aproximando, uma armadilha surge no WhatsApp. Hackers estão aplicando uma promoção de Páscoa falsa anunciando um vale-presente de R$ 800. De acordo com a empresa PSafe, nas últimas 24 horas, o aplicativo DFNDR Security bloqueou mais de 300 mil acessos ao golpe que rouba dados pessoais e financeiros. 

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho   

Ao clicar no link enviado pela mensagem, o usuário é remetido a uma página falsa para responder a três perguntas: "qual presente é comum receber na Páscoa?", "o coelho da Páscoa simboliza o quê?" e "que país festeja a Páscoa com as pessoas fazendo guerra de ovos, em vez de comer os de chocolate?". Depois de responder, é preciso "autorizar" o falso presente. No entanto, a vítima estará autorizando o recebimento de notificações enviadas por hackers em seu celular. 

A empresa de segurança também alerta que páginas falsas estão sendo criadas no Facebook com o intuito de imitar redes varejistas conhecidas e de comércio de doces a fim de levar os usuários a sites com falsas promoções de Páscoa. 

No ano passado, a marca de chocolates Kopenhagen emitiu comunicado, alertando para uma falsa promoção que circulava nas redes sociais. Tratava-se de um golpe que pode instalar um vírus em computadores e smartphones, deixando as informações dos usuários vulneráveis. À época, a mensagem, distribuída principalmente pelo WhatsApp, utilizava o nome da empresa para divulgar uma campanha na qual usuário receberia um de 500g caso respondesse a uma pesquisa até a Páscoa.

Fique atento!

Para não cair em golpes na internet, a dica é ter um antivírus instalado no celular que tenha funções anti-hacking e anti-phishing. Também é importante certificar se as páginas de promoções realmente são das marcas que elas indicam pertencer. No caso das fanpages falsas, é recomendado avaliar a quantidade de curtidas, periodicidade das publicações e a interação da página com os clientes. 

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho   


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros