Usuários do Terminal Triângulo esperam há anos, ao relento, consertos na estrutura do local - Notícias

Versão mobile

 

Porto Alegre08/05/2018 | 07h00Atualizada em 08/05/2018 | 07h00

Usuários do Terminal Triângulo esperam há anos, ao relento, consertos na estrutura do local

Plataforma danificada desde 2014 segue sofrendo com a falta de manutenção. Prefeitura não tem previsão para revitalização do local

Usuários do Terminal Triângulo esperam há anos, ao relento, consertos na estrutura do local Isadora Neumann/Agencia RBS
Estrutura danificada oferece risco à população, sem contar nos transtornos em dias chuvosos Foto: Isadora Neumann / Agencia RBS

Principal ponto de conexão entre a Zona Norte e o Centro de Porto Alegre, o Terminal Triângulo vem definhando desde o final de 2014, à espera de uma licitação para revitalização do local. Na época, parte do telhado de acrílico da plataforma foi arrancada por ventos de 100km/h, durante um temporal, e jamais foi recolocada. Se depender da prefeitura, não existe previsão de nova cobertura. Nem mesmo o estudo um novo modelo para gestão do terminal, prometido há um ano pela administração municipal, conforme reportagem publicada pelo Diário, teve avanço. 

Segundo maior terminal de ônibus da Capital _ ficando atrás apenas do Terminal Rui Barbosa/CPC _ o Triângulo tem um fluxo diário de 950 ônibus, com 41 linhas urbanas e 200 interurbanas. Todos os dias, 35 mil passageiros utilizam o ponto de parada, enquanto outros 110 mil passam por ele dentro dos ônibus. Apesar da potência do espaço, um novo telhado jamais foi providenciado desde o vendaval. Em 2014, o valor da obra fora estimado em R$ 1,2 milhão. 

Usuários do Terminal Triângulo, na Zona Norte da Capital, estão ao relento
Recuperação da cobertura do Terminal Triângulo, na Capital, segue sem data para começar
Usuários apontam os sete problemas do Terminal Triângulo

O Diário Gaúcho acompanha o problema desde 2015. Na época, a prefeitura disse que havia necessidade de contratar uma empresa para fazer uma avaliação da estrutura. O laudo ficaria pronto em 45 dias, o que não ocorreu. Um ano depois, a reportagem voltou ao local e ouviu da EPTC que seria necessária uma reforma completa na estrutura. Porém, a licitação para reforma e manutenção da cobertura e das estruturas metálicas em geral, publicada em agosto de 2016, foi cancelada em janeiro de 2017 porque a empresa vencedora desistiu do serviço. 

Por motivos legais, explicado em nota enviada pela EPTC, a segunda colocada não pode ser acionada, sendo necessária nova licitação. O problema é que "devido à dificuldade de obtenção de recursos para investimentos e custeios do orçamento municipal, não está sendo possível a publicação de nova licitação até o momento. Os equipamentos públicos da cidade são objeto de estudos para concessão à iniciativa privada (Parceria Público-Privada), mas, independentemente do cronograma desses estudos, a prefeitura cadastrou o pedido de recursos de programas federais do Ministério das Cidades (Programa Avançar) para reforma e manutenção de vários equipamentos e mobiliários de transporte, entre eles, o Triângulo, com expectativa de obras a médio prazo".

Sensação de insegurança

Enquanto não há solução para a situação, funcionários do DMLU mantêm a limpeza do terminal e da passagem subterrânea que o conecta com a plataforma e os dois lados da Avenida Assis Brasil. Apesar disso, os passageiros e pedestres evitam usar a ligação em determinados horários. Moradora do Parque São Sebastião, nas redondezas do terminal, a doméstica Oraide Silva Oliveira, 66 anos, passa pelo menos duas vezes, diariamente, pelo túnel. E de dia. Porque à noite, temendo os assaltos, evita atravessá-lo e acaba se arriscando ao cruzar a movimentada avenida Assis Brasil. 

_ Uma senhora foi assaltada na minha frente, por volta das 20h. Não tem guarda. Quando chove também fica perigoso porque tem menos movimento _ relata.

Elevadores vandalizados 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 25/04/2018: Arte no subsolo do Terminal Triângulo
Sem elevador, o jeito é encarar as escadasFoto: Isadora Neumann / Isadora Neumann

Outro problema enfrentado por quem utiliza o terminal é a frequente interdição dos quatro elevadores que dão acesso à plataforma. O funcionário público aposentado Augusto Wenceslau da Silva, 78 anos, encontra maior dificuldade ao ter que subir e descer as dezenas de degraus das escadarias. 

_ Quem mais sofre são os idosos e as pessoas com deficiência. Já perdi o fôlego aqui. Agora, subo devagar _ comenta.

A EPTC relata, nas últimas duas semanas, duas manutenções realizadas nos elevadores devido ao vandalismo. Para tentar minimizar o problema, o órgão decidiu fechar os elevadores entre 22h e 6h.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros