Conheça a história de Érica, senhora de 81 anos que não cansa de aprender - Notícias

Versão mobile

 

Exemplo18/06/2018 | 07h00Atualizada em 19/06/2018 | 17h00

Conheça a história de Érica, senhora de 81 anos que não cansa de aprender

Moradora da Capital de 81 anos dá uma lição de vida e surpreende pela vontade sempre aprender coisas novas

Conheça a história de Érica, senhora de 81 anos que não cansa de aprender Mateus Bruxel/Agencia RBS
Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Érica Milena Lauer não é uma avó convencional. Já foi piloto civil, bancária, proprietária de loja e artesã. Aos 81 anos, ainda quer ser muito mais. Inteligente e perspicaz, não quer parar de aprender. Procura cursos gratuitos e, a cada um deles, ganha mais uma habilidade. Já fez inglês, informática, desinibição e pintura em tela. 

Há pouco, encarou mais um desafio: um curso de modelagem e produção de bolsas a partir do reaproveitamento de materiais. As aulas ofertadas pela Feevale ficam a 49 quilômetros do apartamento onde mora, no Centro Histórico de Porto Alegre. Não faz diferença. Todo sábado, pega um ônibus até a estação de trem e, do trem, pega outro ônibus que a deixa no campus da Feevale. Três conduções até chegar à sala de aula. Mas o esforço nem é visto como tal. 

Moradora da Capital de 81 anos dá uma lição de vida e surpreende pela vontade sempre aprender coisas novas.
Foto: Sabrina Becke / Universidade Feevale

Érica nunca foi costureira profissional. Apesar da máquina de costura já ter 60 anos de uso, sempre foi usada para reparos pessoais, troca de zíperes e confecção de bainhas. Agora, aprende a fazer os moldes para bolsas e a calcular o tamanho de cada parte. Hábil, conseguiu retalhos numa fábrica de cortinas que servem de matéria-prima para as bolsas que faz em casa:

– Tudo é milimetricamente calculado para a bolsa ficar perfeita. Fiz uma bolsa no curso e outra em casa, que vou levar para o professor ver. O clima é muito gostoso, o ambiente é de troca. Os jovens cuidam dos mais velhos. A menina que senta do meu lado tem 20 anos. Aprendemos juntas.

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 14-06-2018: Érica Milena Lauer, 81 anos, em casa, na região central, com bolsas que ela confecciona. Ela adora fazer cursos, dá prioridade para os gratuitos, pois é aposentada. Entre suas atividades, costura, pinta e vende artigos de beleza, cosméticos. O curso mais recente que começou a fazer é na universidade Feevale, em Novo Hamburgo, o Pró-Fábrica - módulo de modelagem e produção de bolsas. (Foto: Mateus Bruxel / Agência RBS)
Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Mistura de gerações

Ao escolher os cursos, prefere os que não são direcionados aos idosos. Gosta de turmas que misturem gerações. Tem as suas razões.

– Em curso de idosos, todo mundo reclama demais, conta tudo de ruim que já passou na vida e diz que tem dor e toma vários remédios. Me diz, qual velho que não toma remédio? –diverte-se.

Leia mais:
Cobrador de ônibus ensina inglês para grupo de idosas

Medo? Só de elevador

Natural de Panambi, Érica vive em Porto Alegre há 42 anos. Tem dois filhos, um de 47 anos e outra de 42 anos, e dois netos, de 10 e 16 anos. Viúva há 37 anos, tem pique de adolescente e só tem medo de elevador. Sobe e desce pelas escadas os quatro andares do prédio onde mora porque não gosta de ficar sozinha em um ambiente tão pequeno. Se está com sacolas pesadas, embarca-as no elevador, aperta o quarto andar e as encontra quando chegarem. 

Não gosta de cozinhar e diz que "não é uma boa dona de casa". Na TV, prefere os telejornais e não se apega às novelas. O rádio está sempre ligado durante os jogos do Inter. Pendurada entre a sala e a cozinha do apartamento, uma bandeira enorme denuncia a paixão colorada. 

Érica não esquenta o banco onde não se sente bem. Ao mesmo tempo em que é curiosa, também é inquieta e sempre foi independente. Não tem paciência para quem não tem disposição:

– A vida é muito boa e precisa ser vivida. Minha mente não é de velho, mas tem novo que tem mente de velho, que tem preguiça de viver. Se está vivo, tem que ir atrás e não ficar parado.

Na vanguarda desde a juventude

Soube do curso por meio de uma nota divulgada no Diário Gaúcho. A leitura do jornal faz parte do cotidiano. Acorda às 6h30min, toma café, lê as notícias e faz as palavras cruzadas. Usa a internet para acessar redes sociais e faz bijuterias para vender.

– Gosto de me inteirar de tudo, de saber sobre política. Também faço minhas bijuterias e visito clientes. Eu não paro e nunca me sinto sozinha – ensina. 

A habilidade para pintar quadros em tela é invejável. As paredes do apartamento exibem pelo menos oito deles, feitos por ela. Há seis anos, aprimora a técnica. Vaidosa, gosta de contar como cada um deles demorou para ser finalizado. 

Ela era uma mulher vanguarda para sua época. Nascida na década de 1930, aos 19 anos obteve o brevê de piloto civil em Frederico Westphalen. Pilotou por três anos aeronaves de dois lugares, mas precisou deixar a atividade devido a problemas cardíacos. Ela lamenta:

– Na época, eu era a única mulher da turma e não tinha medo. Meu sonho era ser piloto de testes de avião.

Ainda sonha em voar de parapente na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro:

– Enquanto se tem sonho, se vive. 

 Economize nas suas compras com cupons de desconto 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros