Inspetor que morreu em operação foi atingido por tiro de fuzil, aponta laudo - Notícias

Versão mobile

 

Investigação06/06/2018 | 14h52Atualizada em 06/06/2018 | 14h53

Inspetor que morreu em operação foi atingido por tiro de fuzil, aponta laudo

Leandro Lopes, 30 anos, foi baleado durante cumprimento de mandado em Pareci Novo, no Vale do Caí

Inspetor que morreu em operação foi atingido por tiro de fuzil, aponta laudo Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Após assassinato de inspetor, agentes fizeram buscas aos criminosos no início de maio Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

O projétil que matou o inspetor Leandro de Oliveira Lopes, 30 anos, partiu de um fuzil calibre 556, conforme exame concluído pelo Instituto-geral de Perícias (IGP). O outro exame feito, de comparação entre o projétil retirado do corpo e as armas usadas por policiais, não identificou o entre elas o armamento do qual partiu o tiro.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho  

O trabalho foi feito pelo setor de Balística Forense do Departamento de Criminalística (DC) e já está com o delegado Marcelo Farias Pereira, que conduz o inquérito sobre a morte, ocorrida durante operação em Pareci Novo, no Vale do Caí. Conforme o chefe da Polícia Civil, delegado Emerson Wendt, o resultado reforça a suspeita inicial, ou seja, de que o inspetor foi morto por um disparo feito pelos criminosos durante a ação.

Lopes foi morto quando cerca de 20 policiais de Canoas e de Porto Alegre cercavam uma casa para prender um foragido.

Na ação, dois criminosos teriam reagido a tiros e, portanto, a versão imediata foi de que o inspetor fora atingido pelos bandidos. Mas a polícia não descartava a hipótese de fogo amigo, ou seja, de que o policial tivesse sido baleado por um colega por acidente, já que desde o começo havia indicativo de que o projétil retirado do corpo era mesmo de calibre 556, compatível com armas usadas pelos policiais. Por isso, nove fuzis usados por agentes e delegados chegaram a ser recolhidos para serem submetidos à perícia. 

Mas a microcomparação balística do DC não identificou entre as armas examinadas alguma compatível com o projétil que matou Lopes, ou seja a arma da qual partiu o tiro.

O inspetor trabalhava para a Delegacia de Homicídios de Canoas, mas estava dando apoio a operação que era coordenada pela Delegacia Especializada de Furto, Roubos e Capturas (Defrec) do município. Também atuavam na operação policiais do Grupamento de Operações Especiais (GOE).

O Inspetor de Polícia Leandro de Oliveira Lopes, 30 anos, que trabalhava na Delegacia de Homicídios de Canoas, foi baleado, enquanto participava de uma Operação para cumprimento de mandado de prisão de um foragido ligado a uma facção criminosa gaúcha.
Lopes tinha 30 anos e também trabalhou na Brigada MilitarFoto: Reprodução / Reprodução

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho  


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros