Novo Mais Educação: cidades sem o programa federal criam alternativas - Notícias

Versão mobile

 

Ensino público01/06/2018 | 07h00Atualizada em 01/06/2018 | 07h00

Novo Mais Educação: cidades sem o programa federal criam alternativas

Com a redução no número de escolas públicas incluídas no programa do governo federal, Esteio e Novo Hamburgo saíram na frente e já oferecem atividades no contraturno com recursos próprios

Novo Mais Educação: cidades sem o programa federal criam alternativas Omar Freitas/Agencia RBS
Escolas de Esteio têm atividades para parte dos estudantes Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Pelo menos dois municípios do Vale dos Sinos arregaçaram as mangas e decidiram assumir as atividades no contraturno escolar que deixaram de ser ofertadas nas escolas pelo Mais Educação, do governo federal. Outras três cidades, também da Região Metropolitana, estão em fase de estudos para voltarem a oferecer projetos no turno inverso. 

Em Novo Hamburgo, depois que 50 das 51 instituições municipais foram excluídas do programa federal, a Secretaria de Educação reuniu-se com a Procuradoria Geral do Município e a Secretaria Municipal da Fazenda para discutir a possibilidade de assumir a função. Foi criado o programa Movimentos e Vivências na Educação Integral (Move). 

Para beneficiar os mais de 4 mil alunos, o município desembolsará R$ 3 milhões anuais – necessários para a compra e a manutenção de material, o pagamento de monitores e a alimentação dos estudantes. Diariamente, os alunos têm oficinas nas áreas de Língua Portuguesa, Matemática, recreação, cultura, arte e esporte. Na Escola Municipal Presidente Getúlio Vargas, no bairro Rincão, os 320 alunos estão desenvolvendo as potencialidades e habilidades. Estudante do sexto ano, Lucas de Oliveira, 11 anos, descobriu o xadrez numa das oficinas. 

— Adoro participar das atividades aqui na escola. Participo do xadrez, robótica e ainda danço. Acho legal participar com meus amigos, já me apresentei em outros bairros e também fora do município — conta.

Leia mais
Programa federal que oferece contraturno escolar tem redução de 66% no Rio Grande do Sul
Novo Mais Educação: escolas da Região Metropolitana no prejuízo
Governo do RS quer incluir conteúdos sobre o Estado nas aulas de Educação Infantil e Ensino Fundamental

Punição

Na vizinha Esteio, a prefeitura fez movimento parecido e criou, com recursos próprios, o Programa de Incentivo à Aprendizagem (Pia) para atender às 15 escolas com ensino fundamental. Serão investidos R$ 380 mil neste primeiro ano, segundo o secretário municipal de Educação, Marcos Hermi Dal’Bó. Os valores custearão os monitores e os equipamentos para trabalhos lúdicos. 

Mas, devido às condições financeiras, a Secretaria optou por selecionar 50 alunos de cada instituição, a partir de critérios pré-estabelecidos – como vulnerabilidade e dificuldades na aprendizagem. Sapucaia do Sul, Canoas e Viamão estudam a adoção de programas semelhantes. 

Programa Movimento e Vivências na Educação Integral (Move) na EMEF Pres. Getúlio Vargas, em Novo Hamburgo
Todos os alunos das escolas municipais de Novo Hamburgo participam das atividades no contraturnoFoto: José Renato Oliveira / Prefeitura de Novo Hamburgo

Para não ficar mais em casa

Em Esteio, os mediadores pedagógicos, contratados por uma empresa terceirizada, conduzem oficinas de raciocínio lógico/matemático, oralidade, escrita e leitura, introdução à metodologia científica e humanidades. Oficineiros selecionados pela prefeitura, conforme indicação das escolas, por sua vez, são responsáveis pelas atividades de esportes e recreação, atletismo, música, dança e teatro. 

No Centro Municipal de Educação Básica Flores da Cunha, os estudantes escolhidos aproveitam as quatro horas do turno inverso para participarem das oficinas de capoeira, artes, esportes e reforço escolar. É o caso dos colegas Taíres Estefane de Almeida Azevedo e Paulo Roberto Duarte, ambos de 11 anos.

— Comemorei muito quando fui selecionada para participar do Pia. Adoro a capoeira. Se eu não estivesse na escola, estaria em casa sem fazer nada — comenta Taíres.

— O Mais Educação me ajudou a ter mais concentração e a melhorar as minhas notas em Português. Espero continuar assim no Pia — completa Paulo.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL 18/05/2018 - Ana Caroline Raupp com a mãe, Adriana Raupp, com os materiais que ela utilizava nas aulas de música do Mais Educação. (FOTO: ROBINSON ESTRÁSULAS/AGÊNCIA RBS)
Adriana viu a filha Ana Caroline ficar sem as aulas de música, em GravataíFoto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

Mãe precisou sair do emprego

No início deste ano, uma decisão do governo federal reduziu em 70% o número de alunos e em 66% a quantidade de escolas públicas gaúchas no programa Novo Mais Educação. A medida, considerada polêmica pela comunidade escolar, levou em conta o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb): as instituições com melhores notas perderam a verba que permitiria a oferta de atividades aos estudantes no turno inverso às aulas, chamado de contraturno.

Em Gratavaí, apenas dez das 46 escolas municipais seguem incluídas no programa. As outras, que melhoraram a avaliação, perderam as atividades. Ou seja, 4,3 mil dos 5.014 estudantes ficaram sem contraturno. Uma das escolas afetadas pela alteração nos critérios foi a Escola Municipal de Ensino Fundamental Professor Idelcy Silveira Pereira, no bairro Morada Gaúcha, considerada modelo na cidade, que deixou de oferecer oficinas a 200 alunos. 

Para recordar as aulas de música do Mais Educação, a aluna do quinto ano Ana Caroline Raupp, dez anos, guardou a flauta doce e as partituras usadas para aprender as primeiras músicas. Segundo a mãe dela, a dona de casa Adriana Raupp, 38 anos, a menina ainda lamenta o fim das atividades extras. 

Com o encerramento do contraturno, Adriana deixou o emprego de recepcionista para cuidar da filha em casa. 

– Todos os dias, ela reclama de não ter mais aulas. Foi na escola que ela conheceu a flauta e já sonhava aprender a tocar outros instrumentos musicais. É, realmente, uma pena punirem as crianças que conseguiram aumentar as notas na escola – reclama Adriana.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros