Consignado pode virar armadilha nas contas dos idosos; saiba avaliar quando usar - Notícias

Versão mobile

 

Desfalque no bolso02/08/2018 | 14h35

Consignado pode virar armadilha nas contas dos idosos; saiba avaliar quando usar

Confira como planejar o uso do consignado quando for necessário

Consignado pode virar armadilha nas contas dos idosos; saiba avaliar quando usar Divulgação/Divulgação
Empréstimos consignados trazem risco, se não houver planejamento Foto: Divulgação / Divulgação

De mecanismo importante para inclusão do idoso no sistema financeiro nacional, o crédito consignado tem se tornado uma preocupação para as contas. Conforme dados do Banco Central, a quantidade de empréstimos a aposentados com desconto na fonte cresceu 16% nos primeiros cinco meses deste ano, na comparação com mesmo período do ano passado, chegando a R$ 30,2 bilhões distribuídos.

Com o crescimento das dívidas, tem subido a quantidade de idosos inadimplentes. Em maio deste ano, 34,5% dos brasileiros com mais de 61 anos estavam com contas atrasadas, segundo levantamento nacional da Serasa Experian — em 2016, este índice era de 32,1%. Embora não seja a faixa mais elevada, foi a que mais cresceu nos últimos dois anos. 

Leia mais
'Pegadinha' do consignado faz cliente pagar mais parcelas
Porcentual de famílias com dívidas sobe pela primeira vez no ano em julho
Ipea: idosos acima de 65 anos vão crescer 2,7% ao ano até 2060

– Muitos destes empréstimos são feitos sem planejamento, inclusive em benefício de filhos ou netos. O problema é que vão corroendo a pensão do idoso e cada vez sobra menos dinheiro para passar o mês ou lidar com emergências – explica o presidente da Federação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas do Rio Grande do Sul (Fetapergs), José Pedro Kuhn.

Consignado vira tentação

Nem sempre o consignado é uma cilada, claro. É uma das opções de crédito mais baratas no país: conforme o Banco Central, os juros variam de 1,61% a 2,12% ao mês – para efeito de comparação, o juro do crédito pessoal contratado no caixa dos bancos gira em torno de 4% ao mês, conforme a Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac). 

– Trocar uma dívida mais cara, como cartão de crédito ou cheque especial, por uma mais barata, como o consignado, é uma opção que compensa, e evita que as contas virem uma bola de neve — afirma o educador financeiro José Vignoli.

Planeje o uso do consignado

  • Evite ao máximo usar seu nome para tomar empréstimos a terceiros, incluindo familiares. São estes os casos em que há maior risco de inadimplência. 
  • Se receber uma ligação de financeira ou oferta de crédito na rua, evite tomar uma decisão na hora. O ideal é analisar o empréstimo com frieza, simulando quanto terá de pagar por mês e avaliando se não fará falta no orçamento. 
  • O consignado pode ser uma boa escolha para quitar operações de empréstimo mais caras, como o rotativo do cartão de crédito ou cheque especial. Mas lembre-se: ter dívidas demais, mesmo no consignado, nunca é uma boa. 
  • Procure não comprometer mais de 25% da renda com o consignado, pois isso significará que você terá apenas 75% da remuneração para passar o mês e encarar imprevistos de saúde. 
  • Caso perceba que não conseguirá quitar as próximas parcelas, procure a instituição financeira e tente negociar. É possível que o banco ofereça uma alternativa de refinanciamento, com prazos mais longos e taxas mais baixas.
  • Outra opção é transferir a dívida para uma instituição que ofereça condições melhores, a portabilidade de crédito. Neste caso, basta procurar o banco ou financeira para o qual pretenda transferi-la que eles se encarregarão da burocracia.


Como funciona o crédito consignado

  • Devido à maior garantia de pagamento (é descontado diretamente do contracheque ou do benefício recebido pelo INSS), o empréstimo consignado é uma das modalidades com maior facilidade e rapidez de contratação.
  • É também uma das modalidades mais baratas, já que os juros não passam de 2,12% ao mês.
  • Em muitos casos, mesmo se o cidadão estiver com nome sujo ou negativado, o consignado costuma ser concedido.
  • Em geral, não é preciso ser correntista do banco em que se queira pedir o empréstimo consignado. Apenas no caso de funcionários de empresas privadas, é preciso que haja vínculo entre as instituições. 
  • Aposentados e pensionistas também não precisam necessariamente fazer o pedido na Caixa Econômica Federal. O cliente é livre para escolher a instituição com menores taxas e maiores benefícios, inclusive em financeiras.
  • Segundo a Lei 10.820/2013, o somatório dos valores das parcelas de consignados não pode ser superior a 35% do salário ou benefício do solicitante.
  • Além disso, 5% do limite só poderá ser utilizado no cartão de crédito consignado (um cartão específico para essa finalidade, com desconto do valor mínimo da fatura feito direto da folha ou benefício).

Fontes: Banco Central, Fetapergs e consultor financeiro José Vignoli

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros