Governo pode antecipar uso do FGTS para a compra de imóveis de até R$ 1,5 milhão - Notícias

Versão mobile

 

Crédito imobiliário07/08/2018 | 14h08Atualizada em 07/08/2018 | 14h09

Governo pode antecipar uso do FGTS para a compra de imóveis de até R$ 1,5 milhão

Decisão foi tomada no final de julho pelo Conselho Monetário Nacional e pretende estimular o crédito habitacional

Governo pode antecipar uso do FGTS para a compra de imóveis de até R$ 1,5 milhão Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Mercado recebeu bem a medida. Por este motivo, governo pode adotar regra mais cedo Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS
Diário Gaúcho
Diário Gaúcho

O governo federal estuda antecipar uma medida anunciada no final de julho para aquecer o mercado imobiliário em todo o país. Marcada para entrar em vigor em janeiro de 2019, a regra que autoriza o uso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) na compra de imóveis de até R$ 1,5 milhão, em qualquer Estado, pode entrar em vigor ainda em 2018. As informações são do jornal O Globo. 

Conforme integrantes da equipe econômica, essa antecipação é considerada porque o anúncio foi bem recebido pelo mercado. O desemprego elevado e os indicadores econômicos fracos estariam castigando o setor da construção civil, que anseia o quanto antes por incentivos. A decisão sobre antecipar ou não a regra deverá ser tomada até a próxima reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN), no fim deste mês.

Leia mais
Medidas de crédito podem estimular compra de 40% dos imóveis na Capital
Novo limite do FGTS: veja opções de imóveis em Porto Alegre
FGTS: entenda as novas regras e veja as situações para usar o recurso no imóvel

Caixa recua na linha pró-cotista

Pesariam a favor da antecipação da regra cálculos do Conselho Curador do FGTS apontando impacto de apenas R$ 300 milhões por ano nas contas do Fundo – somente nos seis primeiros meses deste ano, a arrecadação líquida do FGTS somou R$ 3,5 bilhões. 

Na semana passada, a Caixa Federal suspendeu financiamentos pela linha pró-cotista para imóveis usados alegando o fim do orçamento para este ano. A modalidade usa recursos do FGTS e oferece os juros mais baixos depois do Minha Casa Minha Vida. Enquanto isso, os bancos privados reduzem taxas para abocanhar essa fatia do mercado, praticando juros em torno de  9% ao ano.  A linha pró-cotista, antes exclusividade da Caixa e do Banco do Brasil, já existe no Santander e será oferecida pelo Bradesco no ano que vem.

Mas sem uma nova decisão do governo federal, segue a regra atual até 31 de dezembro deste ano: teto de R$ 950 mil para São Paulo, Rio, Brasília e Belo Horizonte e de R$ 800 mil os demais Estados, como o Rio Grande do Sul.  O Sistema Financeiro de Habitação (SFH) oferece juros mais baixos, até 12% ao ano, e o cliente pode usar recursos do FGTS para dar entrada no imóvel ou amortizar o saldo devedor – confira neste link todas as possibilidades.   

tentFrom:cms -->
 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros